O sorriso negro de dona Ivone Lara, por Luis Nassif

A última vez que assisti Dona Ivone Lara foi em um evento da Virada, na praça Marechal Deodoro. O golpe caminhava a pleno vapor, a democracia começava a ruir, o conceito de Nação a se esboroar. Mas, ali na praça, viam-se, no meio de um público extasiado com dona Ivone, grupos de negros de todos os cantos de São Paulo, celebrando a negritude.

Depois de aculturado, assimilado, depois de entrar em todas as rodas, parecia que o samba se tornara novamente uma arma de resistência dos negros, nítido no caso de São Paulo, de um pessoal não apenas orgulhoso de sua cor e de sua cultura, mas preocupado em defender sua bandeira de paz das presepadas de um país branco, selvagem, explicitado nos bárbaros que berravam loas às próprias famiglias no palco do Congresso.

Não me considerei um intruso, entrando naquele clima. Há muito, em nossas rodas, “Sorriso Negro”, de dona Ivone, era mais do que uma ode ao negro, mas uma celebração da raça Brasil, o sonho de que houve um tempo em que criamos uma pax nacional multicolorida, afetiva, em torno do samba.

O sorriso de dona Ivone não era mais o das amas de leite, das negras que se tornaram apêndices de famílias da casa grande e passaram a ser vistas com o olhar condescendente do patrão: era o sorriso das nossas mães, de nossas avós, das matriarcas que ajudaram a construir a nação Brasil. Seu olhar terno, seus olhos de cobertor, aqueciam nossos corações, como se nos visse, nos abrigasse, mesmo estando apenas na televisão ou nos palcos distantes de shows.

Abaixo, uma seleção feita por Luciano Hortencio

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

14 comentários

    • Nos meu tempo de pagodeiro no
      Nos meu tempo de pagodeiro no RJ, tocava muito essa música.
      Eu brincava bem no banjo, com afinação de cavaquinho. Quem inventou essa maneira de tocar banjo foi o Almir Guineto. Na época o banjo virou uma febre nos pagodes só RJ

  1. Dona Ivone Lara

    Como eu sempre disse :

    O CARTOLA DE SAIAS !

    A mesma  gentileza , a mesma doçura , o mesmo olhar sobre a vida, poesias parecidas !

    Vai querida , buscar o sonho seu e o nosso também .

    Descanse em paz !

  2. A BENÇÃO, MINHA POETA”Eu

     

    A BENÇÃO, MINHA POETA

    “Eu tenho a minha verdade
    Fruto de tanta maldade que já conheci
    Me deixa caminhar a minha vida
    Livremente
    O que desejo é pouco

    Pois não duro eternamente

    Nada poderá me afastar do que eu sou

    Amor, é o meu ambiente

    Nada poderá me afastar do que eu sou

    Me deixa, por favor”

    Tomando uma caipirinha e ouvindo Dona Ivone preparei muitos almoços para a minha turma reunida aos domingos. Todos ouvindo juntos o Brasil remanescente dos meus sonhos de pais do final dos anos 70 e inicio dos 80. Ouvindo essa extraordinária mulher e poeta cantar suas verdades que também são minhas sinto um prazer imenso em ser brasileira.

    Olha que lindeza e lirismo os versos de Alvorecer:

    “E este mar em revolta que canta na areia

    Tal a tristeza que trago e minhalma canteia

    Quero solução sim.. pois quero cantar

    Desfrutar desta alegria

    Que só me faz despertar do meu penar

    E este canto bonito que vem da alvorada

    Não é meu grito aflito pela madrugada

    Tudo tão suave.. liberdade em cor

    O refúgio da alma vencida pelo desamor

  3. Sorriso negro, Nassif?

    Se há uma coisa que preto não tem é dente preto.

    Sorriso de negro é branco, senão ele seria invisível.

    Salve Dona Ivone Lara,uma grande vida vivida.

  4. Depoimento de Zélia Duncan sobre Dona Ivone Lara

    Todos os que conhecem, desfrutam, respeitam e deleitam-se com a obra e a personalidade de Dona Ivone Lara, reconhecem a compositora musical e incrivelmente intuitiva, somada à cantora, dona de uma voz cujo timbre embala, conduz, convida o ouvinte e confirma o poder do samba e da Música Popular Brasileira. Seus famosos e cobiçados contra-cantos revelam nas canções as mais lindas melodias, que estavam ali sem que ninguém se desse conta. É a música dentro da música, a beleza no fundo da própria beleza. Seu timbre de mãe, de raiz, de olho d’água, faz parte do que há de mais sincero e fundamental na nossa cultura. Assim como os improvisos de Pixinguinha, a força de Clementina, a poesia de Cartola, as músicas de Caymmi, sem esforço, sem artimanhas, repousam na sua grandeza.

    Numa conversa extremamente agradável e descontraída, na casa do querido compositor Moacyr Luz, Dona Ivone revelou serenamente, que muitas vezes sonha com música, canta dormindo e acorda lembrando das melodias inteiras… achei isso tão revelador, tão poético, tão predestinado. É como se uma pessoa como ela, tivesse o direito de ser a preferida de alguém lá em cima. Vai ver que Morfeu em pessoa, cuida para que seu sono seja assim, embalado por melodias, harmonias, contracantos, que só Dona Ivone vai saber reproduzir quando acordar! Então ela acorda, munida das mais belas canções… e nos faz sonhar! Dona Ivone é um sonho meu, um sonho seu, nosso melhor sonho, pois ela é real!

    Zélia Duncan

    Fonte: http://www.memoriavisual.com.br/catalogo/biografias/album-retratos-som-dona-ivone/

    • Os contracantos

      Os “famosos e cobiçados contracantos” de Dona Ivone Lara, que Zélia Duncan menciona, provavelmente, foi um aprendizado que fez quando ainda menina cantava no coral de canto orfeônico dos Apinacás, da Rádio Tupi, cujo regente era Heitor Villa-Lobos, o próprio.

      Não sei de outro cantor ou cantora de samba que domine esse tipo de improviso vocal com a beleza e o lirismo que ela fazia.

      No vídeo abaixo, em duo com a grande Nilze Carvalho, dá pra se ouvir um pouco dessa arte única. Enquanto Nilze canta a letra, Dona Ivone Lara improvisa, soberana.

      [video:https://www.youtube.com/watch?v=KvuE40S_3KI%5D

  5. D. Ivone

    Tenho nossa Ivone Lara como das maiores compositoras brasileiras. Só superada pela também deusa Dolores Duran. Os grandes estão nos deixando. É duro ficar com os lixos de hoje em dia sem eles.

    • Se você não entrar no mundo
      Se você não entrar no mundo do samba , vai ser difícil entender. Será sempre um misterio.

      Mistério semelhante ocorre no estado de SP. Como pode, mesmo depois de mais de vinte anos os tucanos governando a cidades , continuam permanecendo no poder. Criando uma gang de coxinha.

      • Veja, amigo,

        Não me agrada dizer que você não entendeu nem de perto o que tentei dizer.

        Lamento, mas nada tem a ver com samba, mas com a alma humana.

        Tínhamos uma amiga, já falecida, que preparava as mais deliciosas coxinhas que saboreei. Adoro coxinhas bem feitas, de galinha…

        SDS.

         

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome