LEMBRANÇAS

SOLIDÃO EU NUNCA QUIS

 

 

No inverno e nas festas não tenho o que celebrar,

Aqueço-me e guardo minhas memórias que todos se esqueceram

E ninguém quer saber

Apenas feridas na minha alma que cicatrizam

Por eu ter visto, dito e tocado

Escancaradamente não ter me vendido

E também o meu maior defeito, não saber me calar.

Não sou e nunca quis ser a pedra angular,

O meu cantinho é aconchegante,

Tenho mais do que preciso ter

E solidário

Solitário

Quem ninguém vê

Ou precisa saber.

Entre uns avanços e alguns retrocessos

Aprendi e ensinei, pelo bem e pelo mal

Fui um paradigma nas vitórias e nas derrotas

Nas batalhas que nunca quis combater,

Mas não fugi à luta e nem traí os princípios que me ensinaram.

28/6/2010 19:34:41

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora