Sala de Visitas, com Luis Nassif, entrevista Anastácia, a rainha do forró

Luis Nassif recebe também, nesta edição, Renato Meirelles, do Instituto de Pesquisa Locomotiva, e Mari Pini, sobre o Mercado Buenos Artes, feira de artesãos proibida pela gestão Dória
Luis Nassif recebe também, nesta edição, Renato Meirelles, do Instituto de Pesquisa Locomotiva, e Mari Pini, sobre o Mercado Buenos Artes, feira de artesãos proibida pela gestão Dória

Jornal GGN – Nesta edição do Sala de visitas com Luis Nassif abrimos com uma instigante entrevista do fundador e presidente do Data Favela e do Data Popular, hoje presidente do Instituto de Pesquisa Locomotiva, Renato Meirelles, analisando o desafio da repactuação entre cidadãos e políticos entendendo que a crise democrática brasileira está longe de chegar ao fim.

O primeiro ponto que levanta nesta entrevista é que, para a grande maioria dos brasileiros, a melhora da qualidade de vida registrada nas duas últimas décadas foi possível graças ao mérito próprio de cada cidadão, não enxergando a importância das políticas pública implementadas tanto no governo Fernando Henrique Cardoso e, massivamente, a partir dos governos Lula. Nesse ponto, Meirelles avalia que os governantes erraram em não enxergar esse posicionamento dos brasileiros, que já era indicado nas pesquisas de opinião.

“Os governantes não foram capazes de comprar esse debate na sociedade e mostrar a importância que as políticas públicas tiveram para esse processo de inclusão. [Em um segundo momento], na hora que a vida começou a piorar, ele [o brasileiro médio] não acha que a culpa é dele, a culpa é dos políticos. Então, na prática, foi como se ele melhorasse de vida por mérito próprio, piorasse por conta da política e que isso fizesse com que esse abismo que existe hoje entre governantes e governados começasse a crescer”.

No segundo bloco Luis Nassif entrevista a design e artista plástica Mari Pini, que também é curadora, organizadora e representante da Associação de Expositores do MBA – Mercado Buenos Artes, realizado por artistas, artesanato e vendedores de antiguidades que havia na entrada do Parque Buenos Aires, localizado na região central da cidade de São Paulo. A feira durou cerca de um ano, sendo obrigada, por determinação da Secretário Municipal do Verde e do Meio Ambiente, a deixar o local.

O grupo, que agora segue se mobilizando para voltar a ocupar o espaço no dia 5 de agosto, já conseguiu mais de 500 assinaturas da comunidade local que serão encaminhadas para a Prefeitura Regional da Sé de São Paulo em um pedido de regulamentação e funcionamento do Mercado Buenos Artes, proposta possível com base no Decreto Municipal 43.798.

Por fim, no bloco de música, Nassif entrevista a cantora e compositora, considerada a rainha do forró, autora de letras de grandes sucessos de Dominguinhos, Anastácia.

Lucinete Ferreira (nome de batismo) iniciou sua carreira em 1954, cantando na Rádio Jornal do Comércio, em Recife, onde interpretava canções do sul do país, e mais tarde, músicas gravadas por Celly Campelo. Seu contato com o gênero nordestino forró se deu mesmo em 1960, quando foi morar em São Paulo, realizando shows pelo interior paulista e se apresentando ao lado dos cantores nordestinos Venâncio e Corumbá.

Foi nesse período que conheceu o cantor e compositor Palmeiras, que lhe dedicou o nome artístico Anastácia – inspirado no filme de mesmo nome que fazia sucesso na época.

Ainda em meados dos anos 1960, a cantora conheceu Dominguinhos, com quem se casou e formou uma parceira musical no programa Rei do baião, de Luiz Gonzaga, na extinta TV Continental.

Anastácia gravou mais de 40 discos, se tornando uma das maiores artistas do forró. Ao lado de Dominguinhos compôs mais de 50 músicas, entre elas Só quero um xodó e Tenho sede. Mas no total tem 212 composições. Ao longo de sua carreira fez parcerias com músicos renomados, como Pixinguinha, Jackson do Pandeiro e Oswaldinho do Acordeom e foi gravada por outros tantos, como Gilberto Gil, Gal Costa e Elba Ramalho.

Hoje, aos 73 anos, Anastácia está finalizando um disco que será lançado até setembro, com três canções que fez ao lado do ex-parceiro Dominguinhos: Se Meus Olhos Falassem; Redenção; e Ave de Arribação.

Além dessas, o disco terá outras sete músicas, dentre elas Pai Nosso do Trabalhador e Venceu a Solidão.

https://www.youtube.com/watch?v=PejJN01pc6M&feature=youtu.be width:700

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

    • sobre Anastácia

      Luis Nassif, Boa tarde!

      Só passo para um agradecimento, e pra dizer que sua contribuição é valiosa pra nossa cultura, nossa política, nossa Brasilidade.

      Através de sua entrevista pude conhecer melhor Anastácia. Sou cantora e há muito tempo tenho em meu repertório algumas composições dela em parceria com Dominguinhos, uma que amo é “Contrato de Separação”. Sempre tive curiosidade em saber mais sobre essa letrista tão simples que abrilhantou as melodias desse querido. 

      Grande abraço e muita gratidão.

      Fátima Fernandes

       

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome