Saxofonista Roger Marza lança “Alma da Terra”, um mergulho meditativo na natureza

Álbum será lançado dia 15 de Julho apresentando improvisações livres em sintonia com sons da natureza e da ciência

Capa de “Alma da Terra”, uma mandala da professora de yoga, artista e tatuadora Cristiane Zerbini.

Jornal GGN – Improvisações livres, com a influência do jazz, embaladas com sons do meio ambiente, dão o tom de “Alma da Terra”, o CD de estreia do saxofonista e jornalista Roger Marza, que será lançado no próximo dia 15 de julho em todas as plataformas de streaming. 

O álbum, gravado de forma caseira entre dezembro de 2020 a abril de 2021 em meio ao isolamento social, conta com 11 improvisações, cinco inéditas, com sons de baleias, golfinhos, pássaros, água corrente, cigarras e sons de pesquisas científicas sobre os mistérios do Universo, que levam o ouvinte a um mergulho meditativo.

A maioria dessas paisagens sonoras foram coletadas por pesquisadores de instituições como o Laboratório de Acústica e Meio Ambiente Ambiente (Lacmam), do Departamento de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e do Observatório Atacama Large Millimeter Submillimeter Array (Alma), do Chile.

Outros sons são dos arquivos da Organização Não-Governamental (ONG) Ocean Sound, da qual Marza é um de seus membros. Já sons como de cigarras, água corrente e maritacas foram gravadas pelo próprio músico na mangueira que fica ao fundo de seu prédio e também no Parque Villa Lobos, em São Paulo. Também foram usados no trabalho os primeiros sons de Marte captados neste ano pela sonda Perseverance, da Agência Espacial Americana (Nasa).

Segundo o músico, o trabalho tem grande influência da meditação, proveniente de suas experiências musicais com o projeto Tambores Flow, que une música e meditação. Além disso, o noco CD conta com referências do trabalho de artistas-cientistas como Hosana Celeste, Nicolau Centola e Tania Fraga, que inspiraram uma série de reportagens sobre a fusão de arte e ciência assinadas pel. 

Marza também se inspirou no trabalho do pianista Fábio Caramuru, detentor de álbuns em que os sons da natureza dialogam com a sua arte. “Nas conversas entre seu sax, sua flauta e esses sons, o músico utiliza procedimentos variados de improvisação livre, mediante os quais integra o seu universo particular àqueles das fontes sonoras que recolheu no universo, em seu mais amplo sentido”, diz Caramuru, que já ouviu todas as improvisações de “Alma da Terra”.

Paisagens Sonoras das Improvisações

01 – So Whale: sax alto ao som de baleias azul e cachalote dos bancos de dados da ONG Ocean Sound.

02 – Water Soul: sax alto ao som de baleias jubarte, cachalote e golfinho pintado do Atlântico dos bancos de dados da ONG Ocean Sound.

03 – Jabartezz: sax alto com sons de baleia jubarte captados pelo Laboratório de Acústica e Meio Ambiente da USP em 2018 em Ilhéus, na Bahia.

04 – Limiar: sax alto, garrafa d’água, flauta de bambu com sons de golfinho nariz de garrafa, golfinho pintado do Atlântico e Baleia Franca do banco de dados da ONG Ocean Sound.

05 – Healing Tress: sax alto, pau de chuva com sons de pássaros e folhas da floresta do Parque Villa Lobos, em São Paulo, gravado em dezembro de 2020.

06 – Symbiosis: sax alto ao som de cigarras gravadas no Parque Villa Lobos, em São Paulo, em fevereiro de 2021.

07 – H2O: sax alto ao som de água corrente sendo despejada em uma garrafa d’água.

08 – Conversando com Pássaros: sax alto ao som de pássaros gravados pelo Laboratório de Acústica e Meio Ambiente da USP em 24 de agosto de 2018, entre 6h e 6h15, na área de fronteira de fazenda da Indústria Nucleares do Brasil (INB), em Resende (RJ), em área de reflorestamento na divisa com o Parque Nacional de Itatiaia.

09 – Angry Maritacas: sax alto com sons de maritacas na mangueira no quintal do prédio do músico, em São Paulo, em fevereiro de 2021.

10 – Cigarras em Marte: sax alto ao som do rover Perseverance, da Nasa, captados de Marte e sons de cigarras do Parque Villa Lobos, em São Paulo, em fevereiro de 2021.

11 – Alma da Terra: sax alto com sons de pesquisas científicas do Observatório Atacama Large Millimeter Submillimeter Array (Alma), do Chile. Sons enviados ao artista pelo Departamento de Comunicação do Observatório Alma.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador