Sem dinheiro na pandemia, Nelson Sargento põe à venda seus ternos e discos de vinil

Prestes a completar 96 anos no mês que vem, Nelson teve seus shows cancelados e perdeu receita.

Nelson Sargento. Foto: Nicolas Barbosa e Eliane Pinheiro/SRzd

do SRzd

Sem dinheiro na pandemia, Nelson Sargento põe à venda seus ternos e discos de vinil

Baluarte do samba e ícone mangueirense, o cantor Nelson Sargento colocou à venda seu acervo de ternos e discos de vinil. O motivo é a falta de dinheiro. Em meio à pandemia, o artista teve que recorrer a outros meios para se sustentar. A informação é do colunista Ancelmo Gois.

Prestes a completar 96 anos no mês que vem, Nelson teve seus shows cancelados e perdeu receita. Ele venderá até o terno que usou no desfile de 2016 da Mangueira, quando a verde e rosa foi campeã com a homenagem a Maria Bethânia. A coleção de vinis do cantor chega a 150 discos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

20 comentários

  1. Isso é o mundo real!
    Essa luta entre o fascismo miliciano de bolsonaro contra o neo-liberalismo de estado, onde todas as instituições trabalharam para o golpe de 2016, não alcança a realidade do povo!

  2. Pensei exatamente nisso em contribuir, alguém que possa fazer uma vaquinha , que disponibilize uma conta…..se alguém comprar nesse momento o que ele tem de mais valioso , é muito miserável.

  3. Como posso ajuda-lo, gostaria de ter a conta pessoal dele. Sou negro, descendente de quilombolas, fui capoeira, adora samba e vidas negras para mim importam.

  4. O que vai chover de ‘ Vakinha’ fake pra ganhar dinheiro as custas deste homem…
    Infelizmente o que não falta é oportunista mal caráter.
    Espero que a classe musical dos sambistas fluminenses façam algo por ele!

  5. Alguma dessas marcas que estão fazendo “lives” de vários artistas deveria chamá-lo para fazer uma “live” também.
    Sugestões: Brahma Duplo Malte, Itaipava Premium, Original, entre outras, não precisa ser marca de cerveja.
    Aposto que muita gente assistiria e doaria no QR Code.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome