A nova cara da Microsoft

Jornal GGN – Até o final da década de 90, e mesmo no começo dos anos 2000, tudo que se fazia na Microsoft tinha o objetivo de fortalecer o carro-chefe da companhia, o Windows. Bill Gates não aceitava nenhuma ideia que pudesse representar a mínima ameaça ao sistema operacional. O domínio da plataforma nos computadores do mundo ficou conhecido na empresa como “taxa estratégica”.

Hoje, sob nova direção, a taxa estratégica caiu em desuso. A única orientação do novo presidente Satya Nadella é que os funcionários “façam coisas de que as pessoas gostem”.

O pacote Office agora roda em dispositivos móveis que usam sistemas operacionais de concorrentes e a empresa se abriu para softwares livres e de código aberto. Em um evento realizado em San Francisco, em outubro passado, e empresa projetou a frase “A Microsoft ama o Linux”. Isso depois do ex-presidente Steve Ballmer dizer que o sistema era um câncer.

No sábado (4), a Microsoft comemorou 40 anos de existência. Em boa forma – com 123 mil funcionários e faturamento anual de US$ 87 bilhões – mas perdendo mercado para a Apple.

Para revigorar a companhia, Nadella quer acabar com a Windows-dependência e apostar na oferta de serviços online para empresas e pessoas. Quer tornar a Microsoft uma rede global de datacenters.

Uma empresa de tecnologia não pode contar apenas com tradição. A transição da Microsoft é acompanhada por outras grandes do mercado, como Cisco, EMC, HP, Oracle, IBM e SAP. É um reflexo da mudança de paradigma do armazenamento e processamento de dados, que hoje está em datacenters remotos, em nuvens, ou em dispositivos móveis.

A Microsoft foi uma das primeiras fabricantes de software a reconhecer o potencial da computação em nuvem, quando começou a desenvolver o Azure. Mas a obsessão por proteger a linha própria de produtos travou esse desenvolvimento e outras empresas de tecnologia não cometeram o mesmo erro.

O mesmo pode ser dito sobre os smartphones. A empresa foi visionária, mas ao invés de desenvolver um sistema novo, tentou empurrar goela abaixo o Windows. Foi atropelada pelo iOS e Android, muito mais amigáveis para dispositivos móveis.

Satya Nadella era o encarregado pelo Azure antes de assumir a presidência da companhia.  E agora ele deve se tornar mais competitivo. Os preços estão caindo drasticamente e os clientes podem utilizar o serviço para rodar o software que quiserem. Além disso, a Microsoft está adotando o modelo “fremium”. A versão básica do Azure é gratuita, mas serviços extras são pagos.

O executivo também tem a missão de retomar a cultura criativa da Microsoft. Ao invés de repreender funcionários, estimular ideias novas, malucas e inovadoras.

A Microsoft também aproveita o momento para adquirir startups, como a mojang, criadora do jogo Minecraft, e a Acompli, cujo aplicativo de email é o novo Outlook para dispositivos móveis Apple e Android.

Com informações do Estadão

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

15 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ze Guimarães

- 2015-04-07 02:09:00

O Anfroid é o futuro

As causas da decadência da microsoft são simples, não agradar ao cliente, querer impor ao cliente o que eles gostam, e não o que o cliente quer.

Hoje existem 8000 distros Linux ( Android incluso) para todos os tipos de hardware, dos mais antigos aos mais novos, para todos os tipos de usuários.

Mas o Windows pretende se impor no seu padrão americano um sistema operacional que precisa de 4 Gb RAM de memoria numa máquina que custa 3000 a 4000 reais. Resultado, a maioria passou a migrar para os celulares Android, que podem ser comprados por até 200 reais e quase não pegam virus.

Foram muitas as decisões desastrosas da microsoft que foram levadas a diante. Cortaram o Windows XP, que era um sucesso, e poderia ser continuado, só porque queriam impor sistemas mais pesados e mais complexos. Cortaram o MSN, que também era um sucesso, para impor o outlook, que é um fracasso. Obrigou a atualizar continuamente seus produtos, como o skype.

O usuário windows se sente um prisioneiro, e agora pode virar as costas para o Bill Gates e partir para outras opções melhores.

Como pode a microsoft competir com a Google play store, que tem todos os tipos de aplicativos, e muitos são grátis?

Finalmente, a microsoft só fazia suceso quando reinava sozinha, mas agora, achou gente realmente competente para dividir o mercado.

Fábio Capela

- 2015-04-06 19:17:10

Que eu me lembre, o que

Que eu me lembre, o que aconteceu é que a Nokia não vendeu a marca, só a unidade de celulares. O acordo de venda proibia a Nokia de entrar novamente no mercado de celulares por um tempo e permitia à Microsoft continuar usando a marca por um breve período, para possibilitar a transição, mas é só.

Tanto é que a Nokia está avaliando entrar novamente no mercado de celulares assim que acabar essa proibição contratual, dessa vez com o sistema Android (já que os sistemas antigos dela agora pertencem à Microsoft, e fazer um sistema próprio no momento não é muito viável para ninguém).

Athos

- 2015-04-06 18:11:21

Por isso questionei a compra

Por isso questionei a compra da Nokia. A estratégia deles é obvia, ter um phone matador para entrer no mercado. Ok, a nokia faz com facilidade mas E o SO? A rejeição não é a Nokia, a rejeição é ao SO.

O Metro foi rejeitado. Foi porque a MS fez o que seria certo mas com a cabeça em metodos antigos, proprietários e obrigatórios. Se deu mal!

Agora vai novamente lançar a MESMA idéia como deveria ter sido anos atrás. Anos atrás...e o mundo não para. A concorrência está em outra.

Enquanto a MS me aprece ficar neste ponto, os outros estão a frente que é a connectividade de seus SOs, suas plataformas com outras coisas. A internet das coisas é o que há no momento e a MS não foca nisso. Até mesmo parou de desenvolver o Knect que é/poderia ser justamente o supra sumo da internet das coisas.

Ela foca no nicho errado. Como a IBM, não aceita perder... e já perdeu neste caminho.

Smartphone é coisa do passado. Essa foi a entrada da computação para o usuário não especialista em tecnologia. Já entrou. 

E agora? Agora é o futuro, o próximo passo.

Ela não consegue transformar seu monopólio em vantagem. Cisma em entrar a força num mercado já estabelecido!

Entre com o Windows na internet das coisas... mas o windows é fechado, 50% dos US$87bi de receitas....como abrir mão disso?

 

 

Fabio Sampa

- 2015-04-06 18:10:11

O velho ditado tem cada vez

O velho ditado tem cada vez mais sentido:

"In a world without fences or walls, who needs windows or gates"...

Jorge Luis

- 2015-04-06 17:53:49

Claro que vai ter Metro! O

Claro que vai ter Metro!

O Windows 10 se adapta ao tipo de dispositivo. Você deve ter visto telas do produto rodando em PC. Em tablet você pode ter a tela toda com as tiles, assim como o Windows 8.1. O Windows Phone 10 continua tendo tiles, e a tendência é a universalização da experiência em todos os dispositivos, mas sem "forçar" o usuário a fazer tudo de um só jeito em todos os lugares, como no Windows 8.

A MS entrou tarde no mercado mobile, por isso não conseguiu se consolidar. Entrou em um círculo vicioso: a base de usuários é pequena e portanto poucos desenvolvedores fazem aplicativos. Como tem poucos aplicativos, a base de usuários fica pequena.

Com o Windows 10, a Microsoft pretende quebrar esse círculo vicioso. O novo Visual Studio, com o Windows 10, vai ter aplicativos universais, que rodam em todos os dispositivos sem necessidade de mudança de código ou de interface.

A ideia não é transportar os mega aplicativos de PC para celular. Isso seria absurdo. A ideia é justamente o contrário. Você desenvolve um aplicativo para smartphone e pode vendê-lo na Windows Store do PC, sem fazer nenhuma alteração. Isso automaticamente adiciona centenas de milhões de possíveis clientes para seu programa. Eu diria que é um belo incentivo para um desenvolvedor.

A compra da Nokia faz parte da estratégia mobile da MS. Eles tem know how do hardware e a MS fornece o software. A série Lumia tem excelentes aparelhos de entrada, com características muito superiores a de equivalentes Android, por preços menores. A MS não quer brigar pelos aparelhos top. Ali já tem Samsung e Apple se degladiando.

 

 

Athos

- 2015-04-06 17:41:23

Dele do Ballmer e do Paul

Dele do Ballmer e do Paul Allen.

Todos continuam donos.

 

Eles tem que mudar completamente seu modelo de negócios. Mas como se faz isso com 120 mil funcionários?

Como deixar de cobrar pelo windows E Office?

É mais ou menos o dilema brasileiro. Como fazer a reforma tributária sem cheque especial...sem poder quebrar.

Este é o dilema da MS, fazer isso sem quebrar antes. 

Edsonmarcon

- 2015-04-06 17:40:10

nokia

outro tiro no pé foi acabar com a marca Nokia.

A Nokia fabricava bons aparelhos e era uma marca conhecida e respeitada.

A MS comprou a Nokia e jogou a marca no lixo.

Trocou por "windows", uma marca conhecida por seus bugs e problemas com  virus.

fez besteira, na minha opinião.

Athos

- 2015-04-06 17:33:20

Meu amigo, aNinguém está nem

Meu amigo, a
Ninguém está nem aí para tablet rodando Metro sabe porque? Porque a MS abandonou o metro porque niguém usa esta bosta. Isso foi o maior tiro no pé da MS!

O novo windows 10 não vai ter Metro. Acabou!

Pegou um SO amplamente digerido pela sociedade e lançou algo novo. Jogou  tudo o que tinha construido no lixo. Seus usuários iriam ter que aprenser a usar seu "novo" SO. Coisa de idiota para quem tem monopólio.

Pensar no futuro é adaptar o que vc tem de bom aos novos tempos.  Adaptar e não forçar seus usuários a migrar para algo que não conhecem E NÃO funciona a contento. Forçando-os a utilizar aplicativos obrigatórios do windows que são uma porcaria E não funcionam a contento. Gastam muita memória E não funcionam a contento.

enfim, falar sobre produtos da MS é chover no molhado.

Ao contrário da Apple sua estratégia é lançar cheio de BUGs e deixar os usuários acharem os bugs. Esta estratégia pode ter funcionado apra alavancar lucros no passado mas hoje os tempos são outros.

 

E a Intel, ...Samsung está vindo aí. A Intel é grande, forte e tem um semi monopólio mas não pode brigar de frente com a samsung. Se ela vier...

Dizem que está para comprar a AMD. Por enquanto são apenas especulações. Dizem também que nem precisaria comprar a AMD...

 

O duopólio está para acabar.... 

 

Abraço

DanielQuireza

- 2015-04-06 17:21:18

Pelo que sei o Bill Gates
Pelo que sei o Bill Gates continua sendo o controlador da empresa, então se mudou foi con anuencia dele.

João Siqueira

- 2015-04-06 17:11:50

Eles já tem feito isso com a

Eles já tem feito isso com a plataforma .Net. O objetivo é que ela não fique limitada a rodar no Windows. Quando o suporte ao linux for bom (creio que nesse ano), as aplicações web irão migrar para o Linux.

Códigos fonte da plataforma .Net

- https://github.com/dotnet

Asp.Net

- https://github.com/aspnet

João Siqueira

- 2015-04-06 16:58:27

A mudança de paradigma da

A mudança de paradigma da Microsoft é algo impressionante. Eu acompanho de perto as mudanças e a companhia está se transformando profundamente. Por exemplo:

- Windows 10 será gratuito para quem tiver licenças (mesmo que piratas) do Windows 7 ou 8. Ele também terá suporte (gratuito) para o Raspberry Pi 2
- Abertura do código fonte da plataforma .Net (essa é a principal mudança)
- Abandono da ideia de fazer tudo em casa - Por exemplo, a MS tem usado o Github para hospedagem de códigos fonte (do .Net e outros) e bibliotecas de terceiros dentro do próprio .Net

Jorge Luis

- 2015-04-06 16:40:50

Tanto "especialista" falando

Tanto "especialista" falando que a MS já era. Hahahaha. Só rindo mesmo.

Windows 10 com upgrade garantido e gratuíto para todo mundo que tem Windows 7 ou 8. Só isso, já garante, no mínimo, uma base de usuários igual a atual para o novo sistema.

Tenho quase certeza que nenhum dos "especialistas" daqui ficou sabendo da enorme disponibilidade de tablets com processador Intel Atom Bay Trail rodando Windows 8.1 full. Isso mesmo! Pode rodar programas para a tela de toque baseados na interface Metro ou rodar todos os programas legados do Windows, em um tablet! E sabe quanto esse Windows custa para os fabricantes? Zero. Pergunte se depois de ter um tablet rodando Windows 8.1 full (com upgrade garantido para o Windows 10) eu ainda pretendo adquirir algum tablet Android no futuro.

Ah! Cada tablet desses vem com 1 ano de assinatura do Office 365 (que no Brasil, custa R$ 169,00), 1 TB de espaço no OneDrive e 60 minutos por mês de ligações internacionais no Skype.

MS pode ter perdido muito tempo no passado, com Ballmer, mas com o indiano no comando, está recuperando o terreno rapidamente e com estratégias mais ousadas que seus concorrentes.

 

ohallot

- 2015-04-06 16:11:09

Nenhum

mastodonte dos aqui citados tem capacidade de inovar... a estrutura corporativa impede qualquer agilidade. O que fazem é se manterem e segurar o seu mercado cativo com seu poder economico e sua excelente gestão da marca. Inovações são adquiridas de fora para serem ou absorvidas no main business, ou obliteradas.

Notaveis ausentes da lista: Apple e Google. Sintomático?

Edsonmarcon

- 2015-04-06 15:54:58

será?

Com os milhares de bugs ocultos por código binário, sem falar nos backdoors, pergunto: será?

 

http://olhardigital.uol.com.br/noticia/microsoft-considera-tornar-windows-um-sistema-open-source/47770

 

Microsoft considera tornar Windows um sistema open source

 

A Microsoft considera transformar o Windows numa plataforma open source, tal qual o Linux ou o Android. Isso significa que o código de um dos sistemas operacionais mais utilizados do mundo pode ser liberado gratuitamente no futuro.

Seria um passo enorme para uma companhia que lucra bastante justamente por causa da distribuição do sistema operacional, mas Mark Russinovich, um dos principais engenheiros da Microsoft, considera “definitivamente possível”.

Em um evento realizado recentemente, Russinovich declarou que este é o caminho para uma “nova Microsoft”, e ele tem calibre para fazer esse tipo de comentário, afinal, foi uma das pessoas que ajudaram a construir o Windows, segundo a Wired.

Obviamente, se a previsão do desenvolvedor se concretizar, ela não virá amanhã; afinal, ainda hoje a Microsoft tem boa parte de seus negócios baseada no licenciamento do Windows. Só que a cultura de distribuição do sistema já está mudando, uma vez que a empresa começou a liberá-lo gratuitamente (sem compartilhar sua codificação).

Athos

- 2015-04-06 15:50:28

Resumindo, a MS esta mais

Resumindo, a MS esta mais perdida que cego em tiroteio. Está sem estratégia, sem rumo, sem projeto e, por fim, sem líder.

 

Não sabe o que fazer mesmo. Comprou a Nokia até agora ninguém sabe para que. Cade o projeto?

A MS se tornou aquilo que ela mais temia, odiava e admirava ao mesmo tempo, a IBM! E isso é o fim.

Quer saber que fim teve a IBM, que diga-se de passagem, é maior que a MS?

Olha aqui o fim da IBM: "A transição da Microsoft é acompanhada por outras grandes do mercado, como Cisco, EMC, HP, Oracle, IBM e SAP."
Virou uma das empresas do mercado.... kkkkkkkkk.

 

Ela tem que se reinventar e ninguém teria força suficiente para isso a não ser Gates. Ou é Gates ou pode vender suas ações porque vai ruir!

 

Sobre a abordagem "livre" ou ela inova, ou já perdeu o mercado de SOs! O windows 10 será o teste para saber SE a ficha caíu! Está para ser lançado!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador