Com evento nacional, Sebrae prepara fundo para startups

 
Jornal GGN – Na próxima quinta-feira (22), o Sebrae realiza seu primeiro evento nacional voltado para o setor das startups, o Startup Day, que irá ocorrer simultaneamente em 48 cidades do país, com o objetivo de discutir o cenário do empreendedorismo digital e também estimular o desenvolvimento de startups. 
 
Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, o Sebrae também pretende traçar um mapa do empreendedorismo digital, levantando dados com características das negócios e dos empreendedores. A ideia é de estruturar um fundo de investimento gerido pelo Sebrae e voltado para startups e empresas de alta tecnologia. O objetivo é que a proposta esteja pronta ainda neste semestre para que os recursos comecem a ser operados no início do ano que vem.

 
“O Sebrae tem condições de contribuir com a formação das startups brasileiras. Mas a gente percebe que esse empreendedor é muito orientado a investimentos. E vamos aportar diretamente recursos nas startups”, diz o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.
 
Do Estadão
 
Sebrae prepara fundo para investir em startups e lança evento em 47 cidades
 
Instituição quer abandonar rótulo de offline e estar próxima das empresas digitais; fundo de capital de risco está sendo preparado para 2017
 
RENATO JAKITAS
 
Há quatro anos, o Sebrae lançou uma pesquisa dentro da Campus Party para descobrir qual a sua imagem entre os empreendedores de startup. O resultado apontou para uma instituição vista basicamente como offline e sem conexão com os novos formatos de negócio digital. Essa visão persiste ainda hoje, apesar de algumas parcerias pontuais com empresas como Google, Facebook e Microsoft. E é esse o desafio que na próxima quinta-feira, 21, o Sebrae vai enfrentar em seu primeiro evento nacional voltado para o setor, que acontecerá simultaneamente em 47 cidades, de São Paulo a Palmas, em Tocantins.
 

No papel, o objetivo divulgado será o de aproximar empreendedores e futuros empreendedores da rede local de investidores e aceleradoras. No fundo, o interesse explícito do Sebrae está em traçar uma mapa sobre o empreendedorismo digital pelo Brasil e levantar um banco de dados com as características desses negócios e empresários. O plano é lançar para o médio e longo prazos ações específicas com base nessas informações. A primeira delas será a estruturação de um fundo de investimento gerido pelo próprio Sebrae para empresas de startup e de alta tecnologia. Esse fundo, que está em fase final de planejamento, deve atender negócios que necessitam de recursos seja para lançamento ou para o desenvolvimento de projetos. A meta do Sebrae é finalizar a construção da proposta ainda neste segundo semestre para iniciar a operar os recursos já no início de 2017.

Ainda não foram definidos os valores que irão compor o novo fundo. O que se sabe é que ele vai operar unicamente com os recursos das instituição e que de alguma forma já são destinados aos programas ligados à área de inovação. O principal deles, o Sebraetec, conta em 2016 com um orçamento de R$ 191,7 milhões.

Além do Sebraetec, a instituição participa como cotista em fundos de capital de risco, como o SP Ventures, de Fernando Jardim, ou o Fundo de Inovação Paulista, do bancos de fomento Desenvolve SP, do governo do Estado, onde o Sebrae colabora coma cota de R$ 10 milhões ou 9,5% dos R$ 105 milhões de patrimônio total.

A opinião entre os diretores do Sebrae é de que, para se aproximar de fato com o setor, é preciso assumir um protagonismo maior. “Eventos como o Startup Day na próxima quinta são muito importantes. Eles mostram que o Sebrae tem condições de contribuir com a formação das startups brasileiras. Mas a gente percebe que esse empreendedor é muito orientado a investimentos. E vamos aportar diretamente recursos nas startups”, afirma o presidente do Sebrae Guilherme Afif Domingos, que admite as dificuldades encontradas para estabelecer um diálogo mais próximos com as startups. “Eles (os empreendedores donos de startups) acham que somos um monte de velhinhos falando das mesmas coisas de sempre. Mas com o tempo eles vão entender que somos mais do que isso.”

Para o presidente da Anjos do Brasil Cássio Spina, para além do futuro fundo e do evento nacional, o simples reconhecimento de que precisa se adaptar para atender as demandas das startups já é um primeiro caminho. “Dinheiro é importante e esse evento nacional é fundamental. Mas o Sebrae precisa se preparar e formar quadros para conseguir auxiliar esse mercado”, conta ele, que investe diretamente em onze startups e atua no setor há seis anos.

Na opinião de Marcelo Nakagawa, professor de empreendedorismo da Fiap, o mercado hoje é carente de uma instituição de peso suportando os novos empresário. “O Sebrae é muito capilarizado e pode contribuir divulgando e ensinando o que é uma startup para cidades distantes do interior”, diz.

Evento. O Startup Day acontece na próxima quinta, 22, em 47 cidades pelo País. A lista completa e endereços está na site do Sebrae.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora