Como o Facebook ficou pra trás do Whatsapp e de outros aplicativos de mensagens móveis

Sugerido por jns
 
Como o Facebook perdeu a liderança
 
Do Device Research Blog
 
O WhatsApp ultrapassou o Facebook como líder de serviços de mensagens móveis.
 
EUA, Brasil, África do Sul, Indonésia e China foram os países pesquisados.

 
Foram entrevistados 3.759 proprietários de smartphones em 5 países para obter um instantâneo global da popularidade de determinados aplicativos, para observar como as pessoas usam as mensagens sociais, as mensagens de texto e o e-mail nos seus telefones. 
 
 
Aplicativos e plataformas de mensagens sociais são alguns dos motores mais florescentes no espaço móvel no momento. Não passa uma semana sem que um dos grandes – WhatsApp, Line, WeChat, BBM – anunciem um novo recorde do número de usuários registrados (…) e milhões de fotos compartilhadas diariamente etc.
 
O Facebook pode ser o gigante entre as redes sociais, mas o WhatsApp assumiu a liderança em mensagens sociais no celular. O relatório sobre a investigação em 5 países revela isso e muito mais.
 
WhatsApp é o novo líder combinado desses mercados: 44% de todos os entrevistados usam o WhatsApp nas mensagens sociais fenquanto o 35% usam o Facebook.
 

As diferenças geográficas significativas levaram algumas pessoas a chamá-lo de balcanização de aplicativos de mensagens.
 
Bons exemplos disso são a popularidade surpreendente do BBM na África do Sul e Indonésia. Ambos os países viram a alta penetração de telefones BlackBerry no passado, mas como os usuários atualizados migraram para telefones mais modernos e mais baratos – com o Android – a posição da BBM tornou-se instável. O lançamento do BBM como um aplicativo independente no iOS e Android parece ter sido uma jogada vencedora e, apenas um mês após o lançamento, 34% na África do Sul e 37% na Indonésia voltaram a usar o aplicativo de bate-papo “original”.
 
 
 
O WeChat é outro vencedor regional. A sua penetração maciça na China (93% dos proprietários de smartphones) significa que o uso não está alinhado com os aplicativos de outros países. Uma pesquisa, realizada no período de uma semana, mostrou que o WeChat é usado por 20% dos donos de smartphones na Indonésia, 18% na África do Sul e até mesmo nos EUA tem 6% de penetração.
 
Os aplicativos de chat são a maneira dominante de permanecer em contato no telefone. O uso diário de mensagens sociais nos cinco países se encontra em um patamar elevado de 86%, superando os 73% que usam os seus telefones para as chamadas de voz, 75% usam SMS e 60% usam e-mail.
 
 
Esta tendência terá implicações interessantes para os operadores móveis. Mais e mais pessoas estão atualizando, a partir de telefones, recursos para smartphones e estão acelerando o movimento de vocação tradicional de uso do SMS para mensagens sociais. É interessante notar que a China apresenta dados diferentes, quando se trata de e-mail, com 40% dos proprietários de smartphones que usam este sistema de mensagens, em comparação com 69% nos EUA.
 
Um aspecto específico das plataformas de mensagens sociais investigadas foi o uso de adesivos ou pequenas imagens ilustrativas para descrever o humor e transmitir mensagens em formato não-verbal.
 
Stickers são bem conhecidos e usados ​​ativamente por quase 40% dos usuários de smartphones. Há novamente diferenças regionais significativas com implicações de serem mais conhecidos e utilizados na Ásia, com 84% dos entrevistados da Indonésia em comparação com 54% dos brasileiros.
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. WhatsApp Sem Publicidade

    Em abril, Jan Koum, presidente-executivo do Whatsapp, revelou que o serviço possui mais usuários do que o Twitter e carrega mais mensagens que o Facebook.

    Ele disse que o WhatsApp carrega até 20 bilhões de mensagens por dia, ou seja, o dobro do tráfego de mensagens diárias do Facebook.

    Koum disse, também, que o WhatsApp, com sede em Silicon Valley, não vai, como o Facebook e o Twitter, veicular publicidade e continuará a cobrar uma assinatura anual de 99 centavos sobre o Android e outros sistemas operacionais de smartphones.

    “Estamos bombardeados com anúncios em nossas vidas diárias e sentimos que os smartphones não são o lugar para isso. Estamos, intimamente, ligados aos nossos telefones na nossa vida…”

    Em agosto o WhatsApp, que é usado por 300 milhões de pessoas em todo o mundo a cada mês, lançou uma atualização para oferecer serviço de mensagens de voz.

  2. eu tô sem iphone agora, mas

    eu tô sem iphone agora, mas achei muito estranho esse programa ser grátis para android e pro iphone ter q pagar 1 dolar… e sem chance de instalar facilmente no computador. prefiro o skype e/ou facebook

  3. Facebook está ‘morto e sepultado’

    27/12/2013 – 15p6

    Facebook está ‘morto e sepultado’ para adolescentes mais velhos, diz estudo

    JEMIMA KISS
    DO “GUARDIAN”

    egundo um extenso estudo europeu, o Facebook está “morto e sepultado” para os adolescentes mais velhos, que estão migrando para Twitter, Instagram, WhatsApp e Snapchat.

    Ao pesquisar o uso da rede social por pessoas entre 16 e 18 anos em oito países da União Europeia, o estudo Global Social Media Impact diz que, enquanto pais, mães e usuários mais velhos saturam o Facebook, os mais jovens vão para plataformas alternativas.

    “O Facebook não está apenas em queda –está basicamente morto e enterrado”, escreveu Daniel Miller, antropólogo que liderou a equipe da pesquisa e professor de cultura material na UCL (University College London).

    Adolescentes estão migrando do Facebook para serviços alternativos por causa de usuários mais velhos, segundo estudo

    “A maioria até se sente envergonhada por ser associada à rede. Antes os pais se preocupavam com os adolescentes se inscrevendo no Facebook, mas agora eles dizem que suas famílias querem que eles permaneçam lá, compartilhando coisas sobre suas vidas.”

    Os adolescentes não se importam se os serviços alternativos são menos funcionais ou sofisticados, e eles também não estão cientes de como suas informações pessoais são usadas comercialmente ou vigiadas por serviços de segurança, concluiu a pesquisa.

    “Aparentemente o momento crucial em que um jovem decide sair do Facebook é quando sua mãe lhe envia uma solicitação de amizade”, escreveu Miller. “Não é novidade que os mais novos se importam com estilo e status em relação a seus amigos, e o Facebook simplesmente não é mais tão legal.”

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome