Em encontro com ministro, setor automotivo pede renovação da frota

Jornal GGN – Ontem (21), representantes da indústria e dos trabalhadores do setor automotivo se encontraram com Marcos Pereira, ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, e apresentaram uma proposta sobre a renovação da frota e incentivo para a cadeia de reciclagem de peças.

O Programa de Sustentabilidade Veicular tem como objetivo a sustentabilidade da frota do país e também apoiar o setor e contribuir para o crescimento econômico. O presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Antônio Carlos Megale, afirmou que a proposta incentiva a redução da emissão de gases e também ajudará na segurança do trânsito.

O ministro disse que o governo está empenhado em garantir a retomada do crescimento, afirmando que o “melhor programa social para o país, atualmente, é a geração de empregos”. Em agosto, Pereira disse que o programa de renovação da frota deve ficar pronto ainda este ano e deve entrar em vigor em 2017.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

10 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Renato Lazzari

- 2016-09-23 13:44:20

Retomar o crescimento... de

Retomar o crescimento... de quantas unidades estamos falando?

Amadores. Henning Albert Boilesen sabia "aquecer o mercado" melhor... E Roberto Marinho virou o monstro que é hoje não pela qualidade jornalística mas porque vendeu aos ditadores a ideia de que podia ajudar a levar progresso a todos os rincões de um Brasil então desdentado, levando a mensagem alvissareira de que cresceríamos muito...

ze sergio

- 2016-09-23 12:17:24

em....

"....tenho direito como cidadão...."

Silvio Torres

- 2016-09-23 11:20:28

Capitalismo a brasileira

Quebramos artificialmente a economia do país, provocamos desemprego em massa e arrocho dos salários. Recolocamos nossa pirâmide de pé: aos 20% de cima, tudo; aos 80% da base, as migalhas. E agora queremos vender nossas carrocinhas com precinhos de primeiro mundo como nos tempos do Lula? Para quem? Jênios, Jênios!!

Marcos K

- 2016-09-23 08:36:44

Só sendo muito burro para
Só sendo muito burro para fazer um financiamento a perder de vista com o desemprego rondando o tempo todo e os bancos estando livres para renegociar as condições de financiamento. Isso tem nome: prender o consumidor pela dívida, coisa que já ocorre nos EUA. Mas vai saber se cola. Em média o brasileiro (por favor, há exceções) não prima pela inteligência.

Afonso Arinos

- 2016-09-23 07:37:11

Deveria ser o contrário!
Deveria ser um programa para ACABAR com os carros. Meio de transporte danoso e inadequado para as cidades que construímos, compactadas. É impossível acreditar que um governo que arrecada bilhões com os automóveis vá mudar de ideia de uma hora para outra e privilegiar o transporte público, onde ele terá que "gastar".

Rogério Ramirez

- 2016-09-23 01:37:31

Ué ! Não era ruim aqueles

Ué ! Não era ruim aqueles tempos em que:

"Hoje qualquer miserável tem um carro !

 

 

 

naldo

- 2016-09-23 00:31:24

Poderiam começar trazendo os

Poderiam começar trazendo os preços para a realidade,

 

talvez só essa atitude bastasse.

ze sergio

- 2016-09-22 21:22:07

em encontro....

Eu privatizo minha cota na parcela de "penas" que tenho dureuto como cidadão brasileiro. Por que nem "penas" estão mais faltando para o brasileiro ser considerado.....A Dilma foi exigir (diga-se de passagem como um subalterno) a equiparação da qualidade da frota nacional com os similares estrangeiros produzidos nas matrizes. Ouviu que seriam mantidos os empregos (com mercado e preços indo à estratosfera por quase de 2 décadas, como haveriam demissões?) Tivemos que engolir estas "carroças" com baixissima qualidade e segurança (air-bag foi exigido com prazo de 10 anos e quase que a exigência foi revogada), indústria nacional sucateada com tecnologia, desenvolvimento e produtos sendo elaborados fora do país. E nos automóveis mais sofisticados, a total imposição de importação direta de produtos já prontos. Em 4 anos, mesmo com reclamação de recessão, principalmente no último ano, os automóveis tiveram aumento de 45%. Sendo que modelo algum teve aumento menor que 30%. Um carro dito "popular" passou de 25 mil reais para 45 mil reais. Carros médios estão sendo lançados com preços entre 80 e 150 mil reais, num país de salário minímo de uns 900 reais. E agora volta esta estória dos fabricantes?! Como é fácil lidar com um certo país da Am. do Sul!!!! É tirar doce da mão de criança (ou mais fácil. Criança ainda chora)

André Oliveira

- 2016-09-22 20:07:01

Esse truque já foi usado pelo

Esse truque já foi usado pelo governo Dilma. Todo mundo que tinha carro antigo já trocou no periodo em que vigorou a redução de ipi e o parcelamento era a perder de vista. Agora que a frota está renovada e o desemprego ameaça todos a mágica de estimular troca de carros não vai funcionar.

André Oliveira

- 2016-09-22 20:06:57

Esse truque já foi usado pelo

Esse truque já foi usado pelo governo Dilma. Todo mundo que tinha carro antigo já trocou no periodo em que vigorou a redução de ipi e o parcelamento era a perder de vista. Agora que a frota está renovada e o desemprego ameaça todos a mágica de estimular troca de carros não vai funcionar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador