Evo Morales quer energia nuclear para a Bolívia

Jornal GGN – O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou no último sábado (28) que o país irá investir em energia nuclear para fins pacíficos. Autoridades bolivianas afirmaram que a Bolívia espera contar com a ajuda da Argentina e da França para desenvolver projetos na área nuclear.

O presidente boliviano afirmou em discurso que o país vive uma liberdade econômica, política, social e cultural, e agora deve abrir caminho para a liberdade científica. Ele espera desenvolver programas de cooperação entre universidades públicas e privadas.

“Queremos e vamos contar com a energia atômica para fins pacíficos”, disse.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

6 comentários

  1. não confio no indio!
    não

    não confio no indio!

    não confio na tecnologia argentina, afinal eles possuem menos reatores que nos, e e bem mais antiquado, portanto dizer que vai pedir ajuda argentina me parece apenar provocação!

     

  2. A Usina de Fusukima continua

    A Usina de Fusukima continua com seu vazamento radioativo, os danos são irreparáveis. Nós temos uma loucura aí em Angra, num terreno a beira mar que os nativos chamavam de terra oca.

    Qual será a próxima?

  3. Prioridade

    Por princípio, creio, mesmo para o Brasil, que devemos conhecer a tecnologia, e saber de seus potenciais, e se houver melhora da segurança, pensar em incrementar seu uso. Mas é muito melhor trabalhar nos projetos de “energia limpa”: solar, eólica, maremotriz, coeficiente térmico , e outras. E para um país ainda menos desenvolvido que o Brasil, com tantos problemas sociais, será esta uma prioridade ? A Bolívia, rica em petróleo, em recursos hídricos precisa mesmo desta matriz agora ? Tenho dúvidas, parece ser mais jogo de cena.

  4. Pra daqui 70 anos?

    Não acredito q a Bolívia tenha nível tecnológico, nem estabilidade institucional, nem aval mínimo do clube nuclear para mexer com energia nuclear a curto prazo. Se tivesse dois desses fatores, talvez em 30, 40 anos.

    A tecnologia nuclear demanda uma grande capacitação técnica e uma tradição em desenvolvimento científico próprio e, mesmo q a Bolívia compre uma usina 100% estrangeira, ela vai ter q se gabaritar até para conseguir tirar proveito científico dela. Mesmo os grandes desenvolvedores do século XX tiveram seus problemas com energia nuclear (Japão, URSS, EUA), então não é pra qualquer um a qualquer tempo. Mas o interesse da Bolívia não é isolado. Peru, Chile e Venezuela tem suas ambições em tecnologia nuclear (seja geração de energia, produtos radiológicos ou… aquilo q vc pensou).

    Está na hora da UNASUL assumir ou criar uma ABACC (Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares) e determinar uma regulação comum da atividade nuclear no hemisfério sul. Se o Brasil e Argentina vivem recebendo pressão externa por conta de suas capacidades nucleares, tendo sempre de reafirmar o caráter pacífico, imagina a Venezuela e a Bolívia.

    Tendo esse controle pela UNASUL, o mercado nuclear pode ser uma oportunidade muito boa para o Brasil.

     

     

  5. USINA NUCLEAR

    A priori, devo informar não ser contra a energia nuclear, até por que é uma das fontes mais limpa de energia; entretanto, não se pode olvidar que as usinas devem estar localizadas em placas tectônica estáveis para garantir um status de segurança; o que não é nem o caso da Bolívia, tampouco do Japão. A Bolívia poderia aprofundar estudos para a viabilização de usinas geotérmicas, com o fito de aproveitar a sua localização na placa tectônica em que está inserida; como também aproveitar seus recursos hídricos em rios binacionais para a produção de energia de fonte hidráulica e outras fontes como biomassa, eólica e solar. Não se pode olvidar que a Bolívia guarda uma das maiores, senão a maior, reserva de lítio deste planeta; o que a coloca na geopolítica  energética internacional como ator indispensável para o seculo XXI.

    Amarilio Lopo Neto

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome