Governo retoma diálogo com a indústria

Jornal GGN – O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) vai discutir, juntamente com o Ministério da Fazenda e entidades empresariais, novas medidas para estimular a indústria nacional.

As negociações começaram no dia 18 de junho, quando o ministro Guido Mantega anunciou um pacote que incluía a desoneração da folha salarial e a retomada permanente do programa de incentivo à exportação Reintegra.

Entre as reivindicações, destaque-se o pleito da indústria de materiais de construção, que pede fiscalização mais rigorosa da Receita e do Ministério do Trabalho, devido ao aumento da informalidade entre as empresas, que prejudicam a competitividade das que pagam corretamente os tributos.

Outros setores, como o de construção civil, negociam a permanência de projetos governamentais, como o Minha Casa Minha Vida. Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff já confirmou que o governo vai adotar uma terceira fase do programa, com o objetivo de construir 3 milhões de moradias de 2015 a 2018.

O setor têxtil pede a redução da carga tributária para as confecções e a ampliação dos prazos de recolhimento dos impostos para períodos mais próximos aos do recebimento das receitas de venda.

Em artigo, o presidente do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), Pedro Luiz Passos, criticou as medidas, afirmando queelas combinam incentivo ao financiamento de longo prazo, prorrogação do desconto tributário na aquisição de veículos e prioridade a produtos e serviços nacionais nos processos de licitação pública”.

O executivo defendeu que “para se reerguer, a atividade manufatureira precisa de visão de futuro, de novas fronteiras e setores que promovam e disseminem o progresso técnico, a inovação e a produtividade”.

No entanto, há de se levar em conta que as medidas estão sendo tomadas dentro de um calendário curto, por um governo que está a cinco meses do final.

Dado o calendário curto, a opção do empresariado foi concentrar as conversas em providências que possam ser adotadas por um governo que está a cinco meses de seu final. Outras reformas serão discutidas não apenas com a presidente Dilma, mas também com os demais presidenciáveis.

Com informações do Estado de S. Paulo e do IEDI

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Depois da indústria estar na

    Depois da indústria estar na soca, aparece o desgoverno de Dilma retomando, nunca tomou, diálogo com a indústria. Politicagem sem vergonha.

    Mas conhecendo o capitalismo brasileiros, os empresários, depois de reveberem os tradicionais agrados, vão sair das reuniões setorias todos sabujos…

     

  2. muito bacana a diagramação fotográfica desses posts…

    não sei se assim que denominamos esse tipo de trabalho, mas, seja qual for,

    está sendo muito bem feito, muito bonito

    parabéns a ou ao carinha encarregado

  3. Magazine Luiza…

    A dona do MLuiza já cantou a pedra.

    30 milhões de brasileiros precisando de casa própria e utensilios domésticos. É economia interna aquecida para sempre.

    Industrial até “cego” tem sucesso no Brasil.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome