Nicolelis critica processo de desmonte da indústria brasileira

Neurocientista defende Petrobras, afirmando que comunidade científica internacional está perplexa com o retrocesso no Brasil 

 
Jorna GGN – Em entrevista exclusiva, que você acompanhará na íntegra aqui no GGN, dia 28/12, o médico neurocientista Miguel Nicolelis alerta para a importância da ciência como indutora de desenvolvimento no país.
 
Nicolelis foi para os Estados Unidos em 1988 e, anos mais tarde, foi responsável pela descoberta do sistema que possibilita a criação de braços robóticos controlados por sinais cerebrais. Hoje ele está à frente de estudos sobre integração do cérebro humano com máquinas, na busca de uma solução para pessoas com deficiência física e motora.
 
Sua experiência no exterior apontou que o investimento público em ciência e tecnologia é fundamental para o crescimento socioeconômico, tornando-o mais um crítico do processo de desmonte atual da indústria brasileira e, em especial, da Petrobras. Para ele, a Petrobras, considerada a principal empresa do Brasil, em todos os tempos, è indutora direta do desenvolvimento industrial desencadeado na última década. Diz ele: “É como um americano falou para mim, é o Black Friday da Petrobras”.
 
https://www.youtube.com/watch?v=XzxqM3vg2EU?list=PLZUPpD2EGpfrd7lTaQA9QbAzNGOpTLRbi ]
 
Defendendo uma atuação mais forte do Estado, Nicolelis frisa que o grande avanço tecnológico que a sociedade norte-americana exporta hoje para o mundo existe graças ao investimento público na indústria e na ciência.
 
Nicolelis defende o fortalecimento de três pilares para o Brasil sair da rota que o mantém hoje na periferia dos países desenvolvidos: cultura científica, modelo educacional com inclusão de ciência e visão estratégica de que a ciência contribui para o desenvolvimento do país.
 
E a imprensa? Para Nicolelis a imprensa cobre de forma pífia a ciência, vale lembrar a cobertura medíocre que deram ao exoesqueleto na abertura da Copa 2014.
 
[video:https://www.youtube.com/watch?v=Mb6uhjiwk-g?list=PLZUPpD2EGpfrd7lTaQA9QbAzNGOpTLRbi
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

15 comentários

  1. Cientistas nas ruas

     O Brasil está precisando muito do apoio dos cientistas, formadores de opinião renomados como Nocolelis. Esse pessoal como faz hoje os lutadores de movimentos sociais precisam também sair às ruas, precisam dar o exemplo que estão engajados na luta pela salvação do país. Não basta só se limitarem às reuniões acústicas, discursos inflamados em ambientes “familiares” e artigos publicados na internet e em jornais. É necessário enfrentar a cara feia de adversários conservadores, ir às ruas mostrar ao povo que também estão engajados na luta por um Brasil melhor. Será que veremos alguém para liderar um movimento desses? 

    • Cientistas nas ruas

      Encontrei vários de meus professores do mestrado nas ruas. Vários outros colegas estão se posicionando, tanto nas ruas como nas redes sociais.

      O que é necessário é a população trabalhadora entender que precisa, também, se mobilizar. Talvez, como disse um colega e amigo, o caminho seja pressionar os vereadores, prefeitos e deputados estaduais a, eles mesmos, pressionarem os senadores, governadores e deputados federais.

      Se aqueles políticos perceberem que perderão seu apoio, entendam de que lado deverão ficar.

    • e….

      É seu emprego, seu salário, seu futuro que estão indo embora. Sua condição soberana de produzir idéias, tecnologia, produtos, desenvolvimento que se transformarão e empregos, salários, melhores condições de vida, que serão repassados aos interesses e indústrias estrangeiras, e advinhem, produzidas todas nas sedes destas empresas no exterior. Como é a tal indústria brasileira de hoje? Extrema vanguarda desenvolvimentista em nos empurrar as sobras e os refugos, ou não? Mas também, num país cuja elite de centro esquerda sempre pregou o anticapitalismo, ter industrialização para que? Idéia de pequeno burguês. O bolor e o mau cheiro de coisa putrefada das nossas políticas explica o país que temos em 2016. 

      • Zé Sergio ! Quem pregou fim

        Zé Sergio ! Quem pregou fim da industrialização?  O capitalismo é uma coisa a industrialização é outra. A China e TODOS os Países SOCIALISTAS ( AGORA ATÉ OS AMERICANOS-POVO-se declarou – mais de 60% – SOCIALISTA)  NÃO TEM NADA CONTRA as empresas, as industrias , o agro negócio, etc. Isso foi conversa de propaganda goebels ista dos americanos. Também diziam que comunista comia criancinha.

        Capitalismo , de fato, é apenas sinonimo de escravidão, analfabetismo, pobreza, fome. Foi o que aconteceu nas DITADURAS CAPITALISTAS EM TODA A AMERICA LATINA no século XX. 

        Lula e Dilma subiram o PIB deste País de 509 bilhões de dólares, em 2002,  para dois TRILHÕES, e quatrocentos bilhões, 2014.  Aumentaram as exportações de 45 bilhões de dólares, em 2002, para 220 bilhões de dólares em 2014.

        Estude, se informe. Fora da GLOBOGOLPE é claro.

         

        • ze…

          Caro Angelo, nunca culpei Lula e Dilma isoladamewnte. Mas culpei a todos. Todos que reeescreveram a Constituição Cidadã, representados pela esquerda que depois virou centro esquerda que chegaram ao Poder nestes 30 anos. Perpetuaram os vícios desta República com um discurso de erros, absurdois e incompetências. Abra a janela e veja o país que você vive hoje em 2016. E ouça os discursos. Não é possível argumentar com o óbvio. Anti-capitalistas, pregando o anti-capitalismo atolados em dinheiro e poder sem controile. Todos. Este é o Brasil. O seu argumento a favor da industrialização  criando um pararleo ao capitalismo é surreal. É isto que está sendo feito na China comunista? Está sendo criada uma nova sociedade baseada na classe média proveniente de salários e benefícios trazidos com o capital produzido pela industrialização. Ou vivemos em mundos diferentes? abs. 

  2. O Iraque é aqui…

    A situação em que vivemos segue o mesmo script que presenciamos no Iraque sob ocupação,,,.a diferença é que a guerra por aqui foi do tipo 4.0, a qual teve lances como a cooptação de Marcelo Tass por Hillary Clinton,  Secretária de Estado dos EUA….no Iraque como aqui neste momento de pós-golpe, tudo que pode ser rapinado vira pó rapidamente, de pre-sal a terras, água, saúde, previdência, nada escapa da disputa pelo butim inclusive a moeda sendo impressa noutros paises, tal como no Iraque, de forma tenho impressão de que a mesma equipe de Chicago Boys que assessorou na “reconstrução” do Iraque dá as cartas por aqui…

    Registro, em vídeo, do exato momento em que massas de inocentes úteis, teleguiados pela Guerra Hibrida, tomaram as ruas, claro, devidamente autorizados pela policia e pela Globo…e pelo Tio Sam…

    https://www.vice.com/pt_br/article/os-protestos-de-sp-em-7-atos-parte2

     

  3. com certeza esse já deve

    com certeza esse já deve saber que corrupção é doença genética típica de nação fundada por escória social e que enquanto não houver cura, o melhor é deixar que todo que nasceu com  essa doença possa se fatar ao máximo, por isso deve ser das estatais

    • Voce está redondamente

      Voce está redondamente enganado. A genética não tem nada a ver com isso

      A escória que rouba desavergonhadamente não está aquí.

      Veja no Tijolaço a “listinha” dos dez mais

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome