“Política de conteúdo local precisa integrar tecnologia nacional”, diz ex-coordenador do Prosub

alan_fisenge.jpg
 
Foto: Fisenge
 
Do Fisenge
 
 
A engenharia como produtora de riqueza. Este foi o mote da palestra do engenheiro e  ex-coordenador do Programa de Desenvolvimento de Submarino com Propulsão Nuclear da Marinha (Prosub),Alan Paes Leme Arthour, durante o I seminário “Contra a crise, pelo emprego e pela inclusão” do Simpósio SOS Brasil Soberano, na manhã do dia 313, no Rio de Janeiro. Ele iniciou sua explanação sobre a cadeia produtiva de bens permanente e de consumo. “A engenharia permeia toda a economia e sua cadeia produtiva. O Brasil gera bens e não temos indústria forte. Nós hospedamos indústria”, criticou. Os bens permanentes integram infraestrutura, metais, imóveis, terras, por exemplo. Já os bens de consumo abrangem a alimentação, ferramentas domésticas e serviços.

Por Camila Marins (Fisenge) 

Uma questão uníssona entre os palestrantes e enfatizada pelo engenheiro foi a defesa da política de conteúdo local. “A nossa política de conteúdo local precisa estar ligada à ciência e à produção tecnológica. Podemos melhorar a infraestrutura e usar a tendência de cluster em cada região, valorização da engenharia e centros de pesquisa”, disse. Cluster é uma estratégia industrial de interligar linhas de produção com tecnologia da informação, logística, pesquisa, ciência e tecnologia, seguindo uma lógica de cooperação regional. O engenheiro defende um plano de industrialização dividido regionalmente, como o modelo da Embrapa com escritórios em diversos locais. 

Atualmente, o governo federal anunciou a redução drástica de participação de empresas nacionais na política de conteúdo local. A média de participação era de 60 a 70% de participação nacional. Com a redução, o percentual poderá cair pela metade, o que impactará diretamente na geração de renda e emprego, na capacidade produtiva, no parque industrial e naval brasileiro, na engenharia nacional e na soberania. Os percentuais mínimos de conteúdo local serão de 25% para a construção de poços e 18% para atividades de exploração. A Petrobras será uma das mais impactadas, pois é uma empresa estatal que assumiu inúmeros contratos no setor de petróleo e também contribui efetividade para a formulação tecnológica na exploração de pré-sal em águas profundas. 

“Não existe conteúdo local sem tecnologia nacional. Temos que ter a nossa própria indústria. Hoje, somos pouco exportadores, apenas de produtos agrícolas. O Brasil importa mais (máquinas e produtos químicos) e a nossa indústria é muito pequena. É estratégico associar o investimento em pesquisa para o fortalecimento dos nossos parques industriais, valorizando a engenharia e a inovação tecnológica. Precisamos conduzir nossos pesquisadores para as necessidades das quais a nossa indústria e o nosso país necessitam”, destacou Alan.

O Simpósio SOS Brasil Soberano é uma iniciativa do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro (Senge-RJ) e da Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros (Fisenge). Acompanhe a transmissão ao vivo na página do Facebook: www.facebook.comsosbrasilsoberano

Fórum Econômico Mundial: Brasil – 81º lugar em competitividade

Assine

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora