Quando mais se precisa da ciência, governo Bolsonaro demite presidente do CNPq

João de Azevedo só foi informado da exoneração pela publicação no Diário Oficial da União; órgão ligado ao MCTIC perdeu orçamento e prestígio

Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (esq.), e o agora ex-presidente do CNPq, João Luiz Filgueiras de Azevedo. Foto: Reprodução

Jornal GGN – No momento em que mais se precisa da ciência e tecnologia, o governo de Jair Bolsonaro dá mais um passo para o desmonte da pesquisa científica com a demissão do presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), João Luiz Filgueiras de Azevedo.

E a demissão foi feita de maneira sumária: segundo informações do jornal Folha de São Paulo, Azevedo não foi avisado com antecedência e só soube da sua exoneração após a publicação do ato no Diário Oficial da União desta sexta-feira. Quem assume o órgão é o pesquisador Evaldo Ferreira Vilela, ex-reitor da UFV (Universidade Federal de Viçosa).

Ligado ao MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), pasta comandada por Marcos Pontes, o órgão sofreu com o esvaziamento orçamentário e a perda de recursos para financiamento à pesquisa.

Também no Diário Oficial da União desta sexta foi publicada a nomeação da nova secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, Ilona Becskeházy. O titular anterior do cargo, Janio Macedo, pediu demissão após desgaste com o ministro da Educação, Abraham Weintraub.​

Leia Também
Medicamento anunciado por Marcos Pontes é mais nocivo e menos eficaz, diz coluna
Pode faltar profissionais da saúde se descaso do governo continuar, aponta estudo

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora