Tecnologia brasileira usa bagaço da cana para descontaminação ambiental

 
Jornal GGN – Desenvolvido no Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), um material usa resíduos da indústria de açúcar para fabricar um carvão ativo com custo até 20% inferior ao produto importado. 
 
O objetivo da pesquisa do LNNano é dar um destino sustentável para o bagaço produzida pela indústria da cana, criando um carvão ativo que possa ser utilizado para descontaminar a água e o ar.
 
A ideia é usar tais resíduos, abundantes no país, para aplicações ambientais. Na safra 2015/2016, a produção brasileira de cana-de-açúcar ultrapassou 665 milhões de toneladas, de acordo com dados da União da Indústria de Cana-de Açúcar (Unica). 

 
Do total produzido, quase um terço consiste em bagaço, obtido após o processo de moagem da cana. Segundo o estudo da LNNano, o carvão ativo é uma alternativa economicamente viável, já que é até 20% mais barato que os produtos importados. 
 
Os carvões ativos são utilizados em larga escala para remover impurezas da água. É estimado que, para uma cidade com um milhão de habitantes, seja necessária uma tonelada de carvão ativo por dia para tratar a água.  No exterior, o carvão ativo é fabricado através da madeira, de ossos de animais ou de casca de coco. 
 
O carvão produzido a partir do bagaço da cana está em testes em Xangai, devido à cooperação firmada pelo Centro Brasil-China de Pesquisa e Inovação em Nanotecnologia (CBCIN). Lá, o produto está sendo testado para despoluir o ar em túneis nas cidades. 
 
A expectativa dos pesquisadores é que o carvão ativo esteja disponível no mercado em prazo de cinco a dez anos. 
 
A pesquisa do LNNano estuda a possibilidade de usar nanopartículas de prata associadas ao material, conhecidas por promover atividades antimicrobianas e que podem ser associadas à capacidade de absorção do carvão ativo. 
 
“A avaliação proativa dos riscos de nanomateriais é uma nova abordagem que a nanotecnologia está trazendo. Estes estudos estão sendo conduzidos no CBCIN, com a colaboração da Embrapa Ambiente. Preparamos o material ao mesmo tempo em que já pensamos nos seus potenciais efeitos toxicológicos e riscos ambientais”, ressalta Diego Martinez, pesquisador do LNNAno.
 
O  Laboratório Nacional de Nanotecnologia faz parte do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), localizado em Campinas e que possui quatro laboratórios. 
 
Com informações do MCTIC

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora