A saga da Ipiranga

Coluna Econômica – 20/03/2007

Vendida na semana passada para a Petrobrás, Brasken e Ultra, a Ipiranga é a própria história do setor petrolífero brasileiro. Foi a primeira refinaria a operar comercialmente no Brasil, em Uruguaiana, abastecida por petróleo cru da Argentina.

Em 1933, o pecuarista brasileiro João Francisco Tellechea, junto com Eustáquio Ormazabal, comerciante e pecuarista argentino naturalizado brasileiro, mais os argentinos Raul Aguiar e Manuel Morales, e Varela, grande advogado argentino, decidiram criar uma pequena empresa de derivados de petróleo, a Destilaria Rio-Grandense de Petróleo. Começou a operar em 26 de novembro de 1934, com produção de cerca de 400 barris/dia.

O transporte de matéria prima era desafio parecido com o de Aníbal, o Cartaginês, para chegar a Roma. Os navios-tanque, com petróleo cru, contornavam o sul do continente, atracavam no porto de Buenos Aires, de onde o petróleo ia de trem até a argentina Paso de los Libres, cruzava o rio Uruguai em uma chata-tanque e era desembarcado direto na Destilaria.

A Destilaria tinha pouco mais de um ano de vida quando, em 1936, o governo Perón proibiu a reexportação de petróleo a partir do território do país. Fixava um prazo de doze meses para interromper definitivamente o fluxo.

Um segundo grupo de empresários do cone sul -os uruguaios Juan Ganzo Fernandez, Numa Pesquera, Luiz Julio Supervielle e os brasileiros Her Ribeiro Mattos e Oscar Germano Pedreira – tinham planos para uma segunda destilaria, em Santana do Livramento, na fronteira com Uruguai, de onde contavam trazer o petróleo cru.

Percebendo as dificuldades, os dois grupos decidiram unir esforços. A solução encontrada foi juntar os capitais e construir uma nova unidade, na cidade do Rio Grande, para armazenar 80 mil barris de petróleo cru. Em 6 de agosto de 1936 nascia a Ipiranga S.A. Companhia Brasileira de Petróleos. O custo da refinaria era de 12 milhões de dólares. O capital foi dividido em partes iguais entre os brasileiros, os argentinos e os uruguaios.

A criação do Conselho Nacional de Petróleo, pelo Decreto-Lei n° 395, de 29 de abril de 1938, interrompeu os planos. O setor foi nacionalizado, obrigando os acionistas estrangeiros a venderem sua parte. O advogado Varela representava na Argentina o escritório de Eduardo Americano, onde trabalhava o jovem advogado João Pedro Gouvêa Vieira. Por indicação de Varela, João Pedro foi incumbido de fazer a petição para o presidente do CNP, solicitando que não aplicasse efeito retroativo à lei.

Fartos do Brasil, os argentinos ofereceram a João Pedro sua parte no negócio. A entrada seriam os honorários devidos. O restante seria pago em dez anos.

À medida que a Ipiranga foi crescendo, para subscrever os aumentos de capital João Pedro foi vendendo parte de suas ações a Francisco Martins Bastos, grande amigo e engenheiro responsável pela montagem da Ipiranga.

Nos anos 30, a Ipiranga foi fruto de uma fantástica visão modernizadora, de grupos familiares juntando seus capitais. Em 2007 foi vítima do anacronismo, de não ter sabido como estabelecer uma governança que colocasse a empresa a salvo das disputas familiares.

Para incluir na lista Coluna Econômica*

Observação

Alertado por um dos comentários, me dei conta de que há uma incorreção acerca da proibição da exportação de petróleo argentino para o Brasil. Se foi em 1936, não foi Peron. Se foi Peron, não foi em 1936. Vou atrás do dado correto.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora