A vantagem de integração

Enviado por: Rogério Maestri

Devemos deixar de fazer algumas patriotadas de vez enquanto e pensarmos mais longe. Um Gasoduto interligando toda a América do Sul, consumidores e produtores, tem um efeito estabilizador tanto político como técnico.

Quando suprimos um bairro ou uma cidade de água ou de eletricidade devemos tecnicamente adotar redes em anel, ou seja, o suprimento de cada ponto é feito por no mínimo dois lados, na ausência de um ponto de alimentação o outro supre em parte ou totalmente, desta feita o nosso sistema fica estável. Isto é feito no nosso sistema de distribuição de energia elétrica permitindo que falte geração num determinado ponto e que o sistema fique estável.

Além do lado técnico há algo que todos estão esquecendo ou pelo menos não se fala muito. Por onde passaria necessariamente este gasoduto? Pelo Brasil é claro, como somos um país com uma diplomacia que tenta evitar confrontos ficará extremamente confortável para o Brasil e razoavelmente confortável para os outros países, esta imposição geográfica. Não sei como os governantes Brasileiros (não interessando o partido) possam ficar contra este projeto, no momento que este gasoduto sair do papel a negociação do preço do gás ficará um assunto a ser discutido por uma dezena de países e dezenas de empresas de produção e distribuição de gás, este grupo levará a negociações longas e estáveis, a medida que decisões unilaterais não serão aceitas.

O gasoduto será uma solução para todos nós e se por acaso for descobertas grandes reservas de gás no Brasil passaremos de consumidores a produtores como um gasoduto funciona nas duas direções é só inverter a direção do gás!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora