A volta do pêndulo e o controle dos abusos corporativos, por Luis Nassif

Para que os objetivos do plano Biden sejam alcançados, no entanto, há a necessidade de uma gestão democrática que impeça a captura corporativa.

Greedy businessman running after bag of money. Concept of greed, avarice, excess, unwise selfishness. Vector illustration

Um dos grandes problemas das políticas de recuperação econômica pós crise de 2008, foi o modelo adotado. Com a desregulação imprudente de mercados, a enorme liquidez existente foi canalizada para bolhas especulativas, para a recompra de ações pela própria empresas e outras iniciativas que não geravam aumento da capacidade instalada e do emprego.Com a crise, inundou-se outra vez a economia de liquidez, tudo fluindo pelo sistema bancário. Aí criou-se a seguinte ciranda:

  1. Banco empresta de acordo com análises de risco e atendendo à demanda.
  2. Com a economia em frangalhos, havia baixa demanda de capital para novos investimentos.
  3. Os recursos ficaram empoçados, então, e foram utilizados pelos fundos financeiros para novas incursões especulativas.

E agora, com o pacote Build Black Better de Joe Biden? Um trabalho de Niko Lusiani, no Roosevelt Institute mostra a capacidade do pensamento econômico americano de analisar os próprios erros e propor rotas de ajuste, ao contrário do discurso econômico brasileiro, prisioneiro de um jornalismo econômico que abdicou de qualquer espirito inovador.

Depois de um longo período em que foram permitidos todos os abusos corporativos, sem a contrapartida da volta do dinamismo na economia, a volta do pêndulo traz ideias de maior controle econômico.

O pacote de Biden visa fomentar investimentos públicos para enfrentar a crise com adaptação climática, combater as desigualdades raciais econômicas, de gênero e de raça, segundo o trabalho.Mas enfrentar enorme reação da América corporativa. De um lado, por limitar o poder dos executivos e dos acionistas, ao habilitar o governo a negociar preços mais baixos de medicamentos, aumentando o poder de barganha público em detrimento do lucro privado absoluto.

Há também um conjunto de reformas fiscais reduzindo a evasão fiscal corporativa multinacional, aumentando a equidade fiscal entre pequenas e grandes empresas e fortalecendo a fiscalização – e, com isso, reduzindo os privilégios dos setores financeiros das grandes corporações.

Os investimentos em licença remunerada aumentaram o poder de barganha dos trabalhadores, especialmente as mulheres negras, em relação a seus empregadores. E os investimentos em energia limpa e o fim dos subsídios aos combustíveis fósseis eliminaram os privilégios dos grandes lobistas do petróleo e a ideia do acionista em primeiro lugar, que marcou a economia norte-americana nas últimas décadas.

Para que os objetivos sejam alcançados, no entanto, há a necessidade de uma gestão democrática que impeça a captura corporativa, diz o autor.

Para tanto, define uma série de responsabilidade para as grandes empresas beneficiárias de fundos públicos:

  • Proteção aos direitos trabalhistas, incluindo salários dignos, negociação coletiva e proteção social;
  • Indicadores claros de retorno público, acabando com a possibilidade de recompra de ações pelos acionistas, limites aos ganhos dos executivos, inclusão de trabalhadores em conselhos de administração e impondo um teto para a relação salarial entre o CEO e o trabalhador mediano.
  • Proteção ao consumidor, com proibição de aumentos não razoáveis nos preços dos produtos;
  • Compromissos climáticos;
  • Transparência fiscal, com a publicação de relatórios fiscais por país, para o caso das ggrandes multinacionais.

Também propõe uma série de pontos para participação da comunidade na fiscalização:

  • A criação de um vigilante federal de equidade e responsabilidade com supervisão de alto nível para garantir a equidade geográfica, racial, de gênero e geracional.
  • Comissões lideradas pela comunidade parq supervisionar, dirigir e monitorar o uso de investimentos locais, para garantir que estejam de fato combatendo as desigualdades e os abusos ambientais. Tenta trazer os princípios da Lei Federal de Oportunidades Econômicas de 1964.
  • Condições de trabalhado para garantir inspetor gerai permanente visando aprimorar suas funçoes de investigação e supervisão para lidar com abusos corporativos ou apropriação de investimentos Build Back Better.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. ” ao contrário do discurso econômico brasileiro, prisioneiro de um jornalismo econômico que abdicou de qualquer espirito inovado…”

    ESSE BANDO DE SAGUIS só sabem imitar; quando muito. E ter perícia em travar os inventivos; os progressistas.
    Raça do cão!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome