Abimaq: faturamento da indústria de máquinas cresce 14,5% em fevereiro

Foto: David Alves
 
producao-industrial-_ibge_03-850x566.jpg
 
Jornal GGN – O faturamento do setor de máquinas e equipamentos teve crescimento de 14,5% entre janeiro e fevereiro, segundo balanço divulgado hoje (29) pela Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Entretanto, o faturamento caiu 17% na comparação com o mesmo período do ano passado. 
 
Em fevereiro, as fábricas de bens de capital mecânicos tiveram faturamento de R$ 4,86 bilhões. No primeiro bimestre deste ano, o faturamento foi de R$ 9,11 bilhões, representando queda de 10,1%. 
 
O resultado do mês passado reflete a queda de 26,3% do consumo de máquinas na comparação anual,  somando R$ 6,12 bilhões em fevereiro. Na comparação mensal, a queda foi de 11,8%.

Em janeiro e fevereiro, as compras de bens de capital tiveram queda de 22,4%, em um total de R$ 13,06 bilhões. Já as exportações do setor tiveram aumento de 4,2% na comparação entre fevereiro de 2017 e o mesmo período do ano passado. As importações de máquinas caíram 14%.
 
O déficit comercial ficou 37,5% menor do que o saldo negativo registrado um ano antes, e 58,7% menor que me janeiro, totalizando US$ 280,4 milhões. 
 
Segundo a Abimaq, a utilização da capacidade instalada nas fábricas de máquinas no Brasil teve alta de 0,8% entre janeiro e fevereiro. Neste mesmo período, a ocupação no setor ficou estável, com 292,6 mil pessoas empregadas na indústria de máquinas no final de fevereiro, resultado 5,9% menor do que o verificado no mesmo mês do ano passado. 

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Meu patrimônio cresceu cerca de 2000% em 1 semana!

    Tinha uma bicicleta e comprei um Fiat Uno 1997, usado, fedido e enferrujado nesta semana, pra vender marmita na rua.

    Pior é que veio comum decalque do PT no vidro que ainda não consegui tirar…

    Espero que a receita não me descubra!

    Ou o Moro, Dallagnol, Grillo, Mendes, a Globo, …

  2. Os dados econômicos devem ser

    Os dados econômicos devem ser comparados referencialmente com o mesmo período do ano passado.

    O título, portanto, deveria ser a queda de 17%.

     

    • Não adianta essas tentativas

      Não adianta essas tentativas patéticas de tentar esconder que a economia caminha para a recuperação esse ano.

      Está chegando.

      O espetáculo do crescimento está chegando.

  3. Pelo visto não é só a

    Pelo visto não é só a industroa automobilística que fica tentando hoje mostrar alguma notícia positiva em cima de estatítica furada né?

    As automobilísticas e autopeças em geral adoram fazer o mesmo agora (quando era a Dilma era um terrorismo só!), comparam uma alta em relação ao mês anterior enquanto a queda em relação ao mesmo mês de anos anteriores é relatada discretamente, exemplo:

    – Venda de veículos em cresce 12% em Novembro de 2016

    Entretanto, esse crescimento é em relação ao mês de Outubro de 2016. Se analisarmos os números, vemos que trata-se do pior número de vendas no mês de Novembro em 10 anos.

    Pensam que enganam a quem?

    Apoiaram o golpe, agora embalem o mesmo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome