As minas de potássio da Vale

Por Alexandre

Boa tarde, Nassif,

Eu lembro que há algum tempo atrás, salvo engano, você havia comentado sobre a necessidade do Brasil adquirir controle sobre fontes de fósforo, potássio e nitratos, pois são fundamentais para reduzir a dependência externa de nossa agroindústria dos humores de fornecedores internacionais de adubos.

Essa notícia (clique aqui) anuncia que a Vale comprou minas de potássio da Rio Tinto, minas localizadas na Argentina e no Canadá.

Acho essa notícia muito importante, você já havia comentado antes que se nossas multinacionais tivessem se privado de desfrutar da farra dos derivativos, hoje poderíamos comprar empresas e ativos internacionais estratégicos à preço de banana (acho que o exemplo que você citou foi os nossos cafeicultores junto com seus pares colombianos comprarem a Starbucks).

Junto com a fusão VCP e Aracruz (criando a maior produtora de celulose do mundo), essa aquisição não seria a primeira de uma longa série que marcaria uma nova fase de internacionalização e crescimento das multinacionais brasileiras? Tenho esperanças que sim, que o Brasil sairá maior desta crise do que entrou.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora