BC diz que inflação entrará “em longo período de declínio”

Jornal GGN – A taxa de inflação continuará elevada no Brasil por conta dos preços relativos e deve seguir em tal patamar durante 2015, muito por conta da pressão cambial e dos preços administrativos, mas a variação deve entrar “em um longo período de declínio” no próximo ano, segundo a ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central.

“Para o Copom, o fato de a inflação atualmente se encontrar em patamares elevados reflete, em parte, a ocorrência de dois importantes processos de ajustes de preços relativos na economia – realinhamento dos preços domésticos em relação aos internacionais e realinhamento dos preços administrados em relação aos livres”, diz o colegiado. “O Comitê considera ainda que, desde sua última reunião, entre outros fatores, a intensificação desses ajustes de preços relativos na economia tornou o balanço de riscos para a inflação menos favorável”.

Dentro desse contexto, o colegiado afirma que “não descarta a ocorrência de cenário que contempla elevação da inflação no curto prazo, e antecipa que a inflação tende a permanecer elevada em 2015, mas ainda no próximo ano entra em longo período de declínio. Ao tempo em que reconhece que esses ajustes de preços relativos têm impactos diretos sobre a inflação, o Comitê reafirma sua visão de que a política monetária pode e deve conter os efeitos de segunda ordem deles decorrentes”.

O Copom também avalia que a demanda agregada tende a se apresentar relativamente robusta no horizonte relevante para a política monetária. “De um lado, o consumo das famílias tende a registrar ritmo moderado de expansão, devido a efeitos de fatores de estímulo como o crescimento da renda e a expansão moderada do crédito; de outro, condições financeiras relativamente favoráveis, concessão de serviços públicos, ampliação das áreas de exploração de petróleo, entre outros, tendem a favorecer a ampliação dos investimentos”.

Por sua vez, os representantes da autoridade monetária dizem que as exportações tendem a ser beneficiadas pelo cenário de maior crescimento de importantes parceiros comerciais e pela depreciação do real. Esses elementos e os desenvolvimentos no âmbito parafiscal e no mercado de ativos são partes importantes do contexto no qual decisões futuras de política monetária serão tomadas, com vistas a assegurar a convergência da inflação para a trajetória de metas, que, na visão do Comitê, tende a ocorrer em 2016.

“O Copom destaca que, em momentos como o atual, a política monetária deve se manter especialmente vigilante, de modo a minimizar riscos de que níveis elevados de inflação, como o observado nos últimos doze meses, persistam no horizonte relevante para a política monetária. Entretanto, considerando os efeitos cumulativos e defasados da política monetária, entre outros fatores, o Comitê avalia que o esforço adicional de política monetária tende a ser implementado com parcimônia”.

Quanto às estimativas, o colegiado diz que a projeção para o conjunto de preços administrados por contrato e monitorados é de 5,3% em 2014, mesmo valor considerado na reunião do Copom de outubro. Entre outros fatores, essa projeção considera variações ocorridas, até outubro, nos preços da gasolina (0,3%) e do gás de bujão (3,8%), bem como hipóteses de redução de 6,4% nas tarifas de telefonia fixa e de aumento de 17,6% nos preços da energia elétrica.

“Os itens para os quais se dispõe de mais informações foram projetados individualmente e, para os demais, as projeções se baseiam em modelos de determinação endógena de preços administrados, que consideram, entre outras variáveis, componentes sazonais, inflação de preços livres e inflação medida pelo Índice Geral de Preços (IGP)”, diz a ata. Com base nesses modelos, projeta-se, para o conjunto dos preços administrados por contrato e monitorados, variação de 6,0% em 2015, mesmo valor considerado na reunião do Comitê de outubro, e de 5,2% em 2016, ante 4,9% considerados na reunião anterior.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Traduzindo: ninguém terá

    Traduzindo: ninguém terá dinheiro para nada. Os realmente ricos ficarão mais ricos e o resto serão achatados. Mas, a inflação vai lá pra baixo, não é assim que o PIG e a classe média querem? Então não quero ouvir nem um pio de reclamação. Que não venham reclamar que não podem mais pagar o colégio das crianças e nem que não podem mais se abarrotarem de compras de bugigangas lá nos States. Não podem ver a inflação batendo na meta que dão chiliques e peripaques, pois então, agora tooooma.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome