CMN mantém em 4,5% meta para inflação em 2012 Mantega diz que meta mais apertada elevaria taxa de juros

http://www.fazenda.gov.br/audio/2010/junho/a220610b.asp

 

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu, por unanimidade, manter no atual patamar de 4,5% a meta para a inflação brasileira em 2012, com bandas de dois pontos percentuais para mais ou para menos. 

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o governo decidiu manter a meta em 4,5% porque é a que está dando certo nos últimos anos, “pois permite o controle da inflação e a expansão da economia, sem colocar o Banco Central numa saia justa ou numa camisa de força”. 

Ele observou que este ano o Brasil teve alterações na inflação, com choque de oferta, e afirmou que se a meta fosse mais apertada o BC teria que elevar ainda mais a taxa de juros. “Então, essa é uma meta que está se revelando suficientemente razoável para cumprirmos nossos objetivos, por isso que ela foi mantida”, reforçou.

Mantega disse ainda que esse ano inflação poderá ficar acima do centro da meta (5% ou acima) e para 2011 deverá ficar próxima do centro da meta (4,6%). Desde 2005, o governo mantém a meta de inflação em 4,5%.

TJLP – Na reunião desta terça-feira, o conselho também manteve em 6% a TJLP para o terceiro trimestre de 2010, com vigência entre 1º de julho a 30 de setembro. “A manutenção considerou tanto a meta da inflação (4,5%) quanto o risco Brasil (150 mil pontos), equivalente a 1,5%”, informou o secretário-adjunto de Política Econômica, Gilson Bittencourt. A TJLP é a principal referência nos financiamentos concedidos pelo BNDES ao setor produtivo…

 

Conselho Monetário Nacional, RESOLUCAO 3.880

   Banco  Central do Brasil

https://www3.bcb.gov.br/normativo/detalharNormativo.do?N=110054694&method=detalharNormativo                          
                        —————                              
                                                                     
                                 Fixa  a meta para a inflação  e  seu
                                 intervalo de tolerância para  o  ano
                                 de 2012.                            
                                                                     
         O  Banco  Central do Brasil, na forma do art. 9º da  Lei  nº
4.595,  de  31  de  dezembro de 1964, torna público  que  o  Conselho
Monetário Nacional, em sessão realizada em 22 de junho de 2010, tendo
em vista o disposto no Decreto nº 3.088, de 21 de junho de 1999,     
                                                                     
         R E S O L V E U :                                           
                                                                     
         Art.  1º   É  fixada,  para o ano de 2012,  a  meta  para  a
inflação de 4,5%, com intervalo de tolerância de menos 2,0 p.p. e  de
mais 2,0 p.p., de acordo com o parágrafo 2º do art. 1º do Decreto  nº
3.088 de 1999.                                                       
                                                                     
         Art.  2º   O  Banco  Central  do  Brasil  deve  efetivar  as
necessárias modificações em regulamentos e normas, visando à execução
do contido nesta Resolução.                                          
                                                                     
         Art.  3º   Esta  Resolução entra em vigor  na  data  de  sua
publicação.                                                          
                                                                     
                                                                     
                                       Brasília, 22 de junho de 2010.
                                                                     
                                                                     
                                                                     
                                                                     
                    Henrique de Campos Meirelles                     
                             Presidente    

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora