Codesp e a Bunge

O loteamento do porto de Santos não se restringe à área doada à Santos-Brasil. No governo passado teve início processo de doação de 500 mil m2 para o grupo Bunge, com pretextos semelhantes aos utilizados para presentear o grupo Opportunity.

A história começa com a privatização da Ferronorte. Embora fosse uma concessão ferroviária, que não passava pelo porto, foi doada uma área de 500 mil m2 a uma terceira empresa, a TGG, do grupo Bunge. Feita na gestão anterior, foi endossada pela atual.

Vai se tornar o maior terminal do porto, sem ter pago um centavo pelo espaço.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora