A incompetência de Guedes impede o golpe de Bolsonaro, por Luis Nassif

A desmoralização do governo Jair Bolsonaro tem dois agentes especiais. Um, o ex-Ministro da Saúde, general Eduardo Pazzuello. Outro, o Ministro da Economia Paulo Guedes.

Nas mãos de um Ministro mais competente, a Economia poderia conferir a Bolsonaro o poder necessário para implementar definitivamente seu projeto autocrático. Foi assim na Alemanha de Hitler, com o Ministro Hjalmar Schacht ajudando na recuperação de uma economia destruída pelas multas de reparação da 1a Guerra.

Guedes é incapaz de pensar fora do livrinho. Aliás, é incapaz de pensar dentro do livrinho. Não foi capaz de organizar sequer a peça fundamental de qualquer Ministro da Economia, o orçamento. Permanentemente, sua única atividade consiste em acenar com reformas, sem ter conseguido até agora desenvolver um projeto minimamente factível de reforma. 

Limita-se a leituras incorretas de estatísticas e em acenar, a qualquer respiro da economia, como uma recuperação em V, que acaba se frustrando.

Não consegue sequer montar estratégias em torno das políticas monetária – sob controle estrito do presidente do Banco Central Roberto Campos Neto -, e cortes irracionais do orçamento, sem conhecimento mínimo sobre as consequências.

Se não domina sequer as ferramentas monetária e fiscal, nada se deve esperar de outras formas de intervenção na economia. Mesmo assim, foram colocados sob seu comando os antigos Ministérios do Planejamento e de Desenvolvimento.

Hoje em dia, a economia brasileira padece dos seguintes problemas:

1. Há problemas na cadeia de suprimentos, decorrente da crise das cadeias globais de produção e das dificuldades internas. O papel de qualquer Ministro da Economia seria reunir os diversos setores afetados, montar o diagnóstico e as ações para resolver o problema. Guedes sequer se dá conta desses problemas.

2. Há um problema de inflação de custos, decorrente exclusivamente da desvalorização cambial, do boom das commodities. A única arma utilizada é o aumento da Selic, com impactos sobre a relação dívida/PIB e sobre o nível de atividade.

3. A renda básica seria fundamental para injetar algum gás na economia e impedir o desespero das famílias de baixa renda, de se expor ao Covid para não morrer de fome. Guedes suspendeu por vários meses o pagamento e reduziu substancialmente seu valor.

4. Na questão orçamentária, Guedes deixou explodir a crise. Só se moveu quando constatou que parte dos recursos orçamentários serviram para incrementar seu adversário interno, de um Ministério considerado gastador.

Um cínico diria que foi barato o preço para desmoralizar os propósitos golpistas de Bolsonaro. Conferindo a quantidade de vítimas do Covid e da fome, percebe-se que foi um preço excessivamente elevado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora