As grandes ameaças à inflação brasileira, por Luis Nassif

Todos esses dados trazem uma enorme instabilidade para 2022. E a miséria e a fome continuará se espalhando por todo o país.

ROBERTO PARIZOTTI (SAPÃO)

Há uma dinâmica perversa na inflação.

Primeiro, um choque qualquer que cria reajustes disseminados de preço. Pode ser uma quebra de safra, uma economia superaquecida. No caso atual, foi a explosão do câmbio associada às bolhas internacionais nos mercados de energia e alimentos.

No momento seguinte, há um aumento nos preços diretamente afetados pelos choques.

No caso brasileiro, houve a possibilidade de algum repasse, enquanto havia a renda emergencial. Terminando, os produtores passaram a enfrentar uma inflação de produção, com dificuldades de repassar preços.

Mesmo assim, na ponta do consumidor houve explosão de preços de carne, óleos, produtos de algodão e demais setores afetados pelos preços internacionais.

O passo seguinte é o aumento dos juros, que serve apenas para afetar a atividade econômica e a capacidade de crédito das empresas.

O próximo passo – já em curso – é o renascimento das demandas trabalhistas.

Cria-se, assim, uma espiral auto-alimentada de pressão sobre os preços, administrada pelo mais inepto Ministro da Economia da história.

O Brasil de hoje tem milhões de pessoas super-endividadas, milhões de pessoas passando fome e uma inflação que diluirá o valor da renda emergencial.

O Índice de Preços ao Produtor

Confira o IPP, levantado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgado ontem.

Ele é subdividido em vários grupos.

Grupo de Atividades

São 23 atividades analisadas. 22 registraram alta em outubro de 2021. No ano, e em 12 meses, houve alta nas 23.

A atividade em queda foi inexpressiva: -2,87% para produtos farmoquímicos. Mesmo assim, em 12 meses a alta foi de 10,96%.

Já a maior alta foi a de derivados de petróleo, com 7,14% em apenas um mês. Em 12 meses, o acumulado foi de 72%.

Os gráficos mostram o acumulado em 12, 6, 3 e no mês. Em todos eles, a tendência de alta é nítida.

Por Categoria

Essa divisão pega os produtos finais, por grupos de categoria. São 5 setores, além do índice geral da Indústria.

Todos os 6 indicadores tiveram alta em outubro de 2021, com alta mais expressiva de Bens Intermediários, de 2,94%. Pressões em intermediários se refletem no momento seguido nos setores de produtos acabados.

A tabela de variação no ano e em 12 meses mostra a extraordinária pressão de custos. Essas altas não se refletem plenamente no IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Ampliado) devido ao setor de serviços, muito baseado em mão de obra, com salários comprimidos e a ampla informalidade a que o país foi jogado pelas reformas trabalhistas.

As conclusões

Todos esses dados trazem uma enorme instabilidade para 2022. O enorme desemprego existente refreará as demandas salariais. Mas as empresas, especialmente pequenas e micro, sem poder de mercado, sofrerão mais ainda. E a miséria e a fome continuará se espalhando por todo o país.

Até onde irá uma paz social garantida apenas pelos chicotes das PMs.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Antonio Uchoa Neto

- 2021-12-02 13:10:15

Alguém já disse que o melhor negócio do mundo é ser banqueiro. E se você é banqueiro no Brasil, parabéns: você está no paraíso. São Dimas é o padroeiro dos banqueiros: ladrão e bajulador, garantiu sua vaga no paraíso pela boca do Próprio Salvador. O banqueiro rouba e suga, explora e arruína os outros (que, como se sabe, são o inferno); e concomitantemente, faz doações (sic) humanistas e caritativas, apóia ações para preservação do meio-ambiente e demais ações beneficentes, etc.,etc.,etc. O industrial reclama, o comerciante reclama, o profissional liberal reclama, e o assalariado, morto de fome e fraqueza, já não reclama. O banqueiro comemora. E quando um banco, grande ou médio ou pequeno, quebra? O que acontece com seu capital, com seus bens? Vão para a mão de outros banqueiros. Bingo! Mais comemoração. E quando o sistema colapsa? Proer neles! Dinheiro, títulos, ações, qualquer papel serve para mantê-los roubando, sugando, explorando e arruinando. Os outros. E os outros...segundo Sartre, são os outros. Segundo o banqueiro: no inferno estão os outros.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador