Um Raio X das exportações brasileiras por estado, por Luis Nassif

APOIE O GGN NA RESISTÊNCIA AOS ATAQUES DIGITAIS E CERCO JUDICIAL QUE TENTA NOS CENSURA
CLIQUE AQUI E SAIBA O QUE ESTÁ ACONTECENDO

Um levantamento das exportações brasileiras em 2021 permitirá descobertas interessantes.

Os maiores exportadores

São Paulo lidera, com 20,14% das exportações totais.

Na sequência, vem Minas Gerais (13,51%), Pará (11,14%), Rio de Janeiro (10,59%) e Mato Grosso (9,76%)

A Ásia é o maior comprador de todos os estados. Adquire 27% dos produtos de São Paulo, 45% de Minas Gerais, 58% do Pará e 56% do Rio de Janeiro. A maior proporção em Minas, Pará e Rio de Janeiro se deve às exportações de commodities, especialmente minérios e petróleo.

A Ásia é o maior comprador em 13 estados brasileiros, o 2o maior comprador em 3 e o 2o maior comprador em 5. O segundo bloco é a Europa, liderando as compras em 6 estados, segundo o segundo comprador em 8 e o terceiro em 7.

Na garimpagem das estatísticas de comércio exterior, a Holanda, ou Países Baixos é interessante. Apesar de pouco notada é o 4o maior comprador de produtos brasileiros, atrás da China, Estados Unidos e Argentina, mas à frente do Chile, Alemanha.

Enquanto as exportações para a Argentina se concentram no setor automobilístico, a pauta para a Holanda é bastante diversificada, mas basicamente commoditizada.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. O Brasil alimentando o mundo é o discurso dos ruralistas, mas mal sustenta seu próprio povo. Conforme a EMBRAPA, o custo de produção de suínos aumentou 55,6% entre abril de 2020 e abril de 2021, chegando a R$ 6,95 o kg de suíno produzido.
    Para os produtores independentes, que é a cadeia principal de produtores e fornecedores de carne suína para o mercado nacional, a semana passada fechou em R$ 6,73 o kg do suíno produzido no Paraná, conforme o CEPEA/ESALQ.
    Os grandes frigoríficos, que tem produtores fornecedores integrados e contratos de exportação de carne suína, ainda sobrevivem.
    Semana passada a saca do milhoMas o preço do farelo do milho e da soja, que subirammilho e da sojaé um negocio. Mas

  2. Não há nada muito especial nas exportações aos Países Baixos. Possuem o maior porto europeu, de Roterdã, o qual é largamente usado como base de reexportação para os demais países europeus, isto é, se trata de um centro logístico. Assim como é o porto de Antuérpia, na Bélgica. Tanto que os dados de exportações e importações dos de ambos os países são superlativos, com a corrente de comércio superando o PIB em ambos os casos (de forma mais notória no caso belga).

    Assim, pela Holanda ser um entreposto logístico para os demais países europeus, é algo lógico que as exportações brasileiras a este país sejam diversificadas.

  3. Não há nada muito especial nas exportações aos Países Baixos. Possuem o maior porto europeu, de Roterdã, o qual é largamente usado como base de reexportação para os demais países europeus, isto é, se trata de um centro logístico. Assim como é o porto de Antuérpia, na Bélgica. Tanto que os dados de exportações e importações de ambos os países são superlativos, com a corrente de comércio superando o PIB em ambos os casos (de forma mais notória no caso belga).

    Assim, pela Holanda ser um entreposto logístico para os demais países europeus, é algo lógico que as exportações brasileiras a este país sejam diversificadas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome