Como desvalorizar o câmbio

Do leitor Igor Cornelsen

Caro Luis

Sou mais otimista que você sobre a desvalorização do real, não acredito que aconteceria tanta confusão.

Não há necessidade de maxi-desvalorização mas de mini ajustes diários na taxa de compra do BC que deveria atuar mais firmemente nos leilões de compra e atuar no mercado de NDFs, comprando reais dos BIs internacionais através do BB no exterior, em 6 meses o real poderia estar a 2,60 e em 12 meses poderia estar a 3,00, não precisamos mais do que isto para crescer a indústria aceleradamente.

O lucro da carteira de câmbio do BACEN em reais seria positivo.

Não haveria necessidade de se aumentar os juros, a inflação não seria tão mais alta assim e o aumento seria diluido no tempo, em 2 ou 3 anos de inflação acima de 6%, nada de especial. O IGPM poderia nem subir muito visto que as commodities estão com um preço muito elevado e tendem a cair, ficando paradas em real, por exemplo a gasolina vendida no Brasil e o óleo diesel devem estar 30% mais caros do que nos portos do golfo do México, se o real se desvalorizasse uma coisa compensaria a outra.

Colocar o real no seu devido valor é bem mais fácil do que parece e teria efeitos positivos no emprego, no crescimento, na arrecadação de tributos, na relação dívida pública PIB que mais do que compensam os eventuais transtornos.

Atenciosamente,

Igor Cornelsen

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora