Crédito pessoal avança 0,6% em março, diz BC

 

O saldo de crédito livre para pessoas físicas atingiu R$ 700,9 bilhões durante o mês de março, uma expansão de 0,6% no mês (saldo de R$ 696,7 bilhões em fevereiro) e de 9,2% em 12 meses, quando o montante foi de R$ 641,6 milhões. Os dados foram divulgados pelo Banco Central.

 

O indicador foi afetado pelo incremento de 1,8% em crédito pessoal (cujo saldo chegou a R$ 199,011 bilhões, ante R$ 195,415 bilhões em fevereiro) e pela redução de 2,1% no cheque especial, que passou de R$ 20,796 bilhões em fevereiro para R$ 20,357 bilhões em março.

 

O saldo dos financiamentos com recursos livres a pessoas jurídicas cresceu 2,4% no mês e 14,8% em doze meses, ao totalizar R$ 709,8 bilhões. De acordo com o BC, o incremento mensal foi puxado pelo acréscimo de 1,9% nos empréstimos de capital de giro com prazo acima de 365 dias, cujo saldo de R$ 271,454 bilhões é o mais representativo da carteira de pessoas jurídicas, além do aumento de 10,6% verificado nas operações com desconto de duplicatas, que atingiu R$ 20,460 bilhões.

 

O saldo total das operações de crédito direcionado atingiu R$ 1,016 trilhão, ao avançar 2,3% no mês (o total em fevereiro foi de R$ 977,9 bilhões) e 24,1% em doze meses (R$ 818,9 bilhões registrados em março de 2012. De acordo com a autoridade monetária, esse comportamento refletiu – consideradas as mesmas bases comparativas – as expansões respectivas de 2,7% e 30,7%, e de 2% e 20% nas carteiras de pessoas físicas e pessoas jurídicas, cujos saldos somaram R$ 407 bilhões e R$ 609 bilhões, nessa ordem.

 

Dentre as operações destinadas a pessoas físicas, destacaram-se os aumentos de 2,8% nos financiamentos imobiliários (que atingiram R$ 273,9 bilhões, ante R$ 266,5 bilhões em fevereiro) e de 1,9% no crédito rural, cujo saldo avançou de R$ 90,9 bilhões em fevereiro para R$ 92,6 bilhões em março.

 

Nas operações com recursos direcionados destinadas a pessoas jurídicas, sobressaíram as expansões de 1,5% no mês e 15,8% em doze meses nos financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), cujo saldo de R$ 457 bilhões correspondeu a 75% do total desse segmento.

 

As concessões do BNDES destinadas ao setor produtivo – que não incluem os desembolsos realizados pelo BNDESPAR -, entre as quais ressaltaram-se créditos para investimento em infraestrutura, aumentaram 49,1% em março, ao totalizarem R$ 12,8 bilhões, acumulando R$ 32,3 bilhões no primeiro trimestre do ano, volume 51,5% superior ao registrado em igual período de 2012. Segundo o BC, destacaram-se os financiamentos destinados aos segmentos de máquinas e equipamentos, veículos, reboque e carroceria, coque, petróleo e combustível, transporte terrestre e agropecuária.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome