CSN anuncia proposta pela Corus

FATO RELEVANTE

COMPANHIA SIDERÚRGICA NACIONAL

Companhia Aberta

Rua São José, n.º 20, Grupo 1602, parte

Rio de Janeiro/RJ

CNPJ n.º 33.042.730/0001-04

Companhia Siderúrgica Nacional (“CSN”), em atendimento ao disposto na Instrução CVM n.º 358, de 03.01.2002, na Lei nº 6.404, de 15.12.1976, e demais dispositivos que regem o mercado de capitais, vem prestar os esclarecimentos que se seguem à Comissão de Valores Mobiliários – CVM, Bolsa de Valores de São Paulo – BOVESPA e ao público em geral.

CSN estabelece contatos com a Corus Group plc (“Corus” ou a “Companhia”) a respeito de proposta de aquisição pelo preço de 475 pence (centavos de Libra Esterlina) por ação.

A CSN informa que, no dia de hoje, contatou o Conselho de Administração da Corus a respeito de uma oferta em dinheiro para a aquisição da Companhia, pelo preço de 475 pence (centavos de Libra Esterlina) por ação ordinária. Qualquer oferta potencial está sujeita a certas condições, que poderão ser objeto de renúncia por parte da CSN, incluindo a conclusão de auditoria confirmatória que seja satisfatória para a CSN, a conclusão de financiamentos e a recomendação do Conselho de Administração da Corus.

A CSN acredita que existe um forte apelo estratégico e industrial para o negócio com a Corus, o qual:

• asseguraria à Corus suprimento de minério de ferro de alta qualidade e baixo custo proveniente da mina “Casa de Pedra” da CSN, uma das maiores minas do mundo;

• com o tempo, asseguraria à Corus acesso a crescentes volumes de aço semi-acabado a baixo custo para posterior beneficiamento em suas instalações na Europa;

• permitiria à Corus um maior acesso a mercados em rápido crescimento bem como criaria oportunidades para comercialização de produtos de um portfolio mais amplo;

• criaria um potencial para o aproveitamento dos benefícios decorrentes de sinergias significativas por meio de economias no suprimento em escala mundial e permitiria o intercâmbio de melhores práticas; e

• conferiria à CSN a habilidade de se alavancar na excepcional capacidade de pesquisa, desenvolvimento e engenharia da Corus, aproveitando-o dentro do grupo resultante da combinação.

A combinação entre a CSN e a Corus criaria um dos cinco maiores grupos do setor siderúrgico do mundo, com 24 milhões de toneladas de produção anual de aço e, em 2010, com uma produção de aproximadamente 50 milhões de toneladas de minério de ferro.

A CSN pretende financiar a aquisição da Corus por meio de uma conjugação de recursos financeiros já disponíveis e outros a serem obtidos por meio de novo financiamento a ser contratado junto a um grupo de bancos, entre os quais se incluem Barclays Bank PLC, Goldman Sachs Credit Partners L.P. e BNP Paribas, e/ou suas afiliadas designadas.

A CSN pretende assegurar os termos que foram recentemente acertados com os Trustees responsáveis pelos Fundos de Pensão da Corus, conforme indicados no atual scheme document (documento da oferta) apresentado à Corus.

Ao comentar a aproximação, Benjamin Steinbruch, Presidente do Conselho de Administração e Diretor Executivo da CSN disse:

“A combinação entre a CSN e a Corus criaria uma empresa forte e global, com posições de liderança no mercado e excepcionais redes de distribuição, nos mercados desenvolvidos e emergentes. Com sua estrutura verticalmente integrada e com as melhores margens de rentabilidade no mercado, o grupo resultante da união tornar-se-ia um líder no mercado global de siderurgia, totalmente auto-suficiente em minério de ferro, e idealmente posicionado para se beneficiar da consolidação em andamento no setor.

Temos grande respeito pelas realizações do Conselho de Administração e da administração da Corus, incluindo as realizações do programa “Restoring Success” (“Recuperando Sucesso”). Com o seu suporte, acreditamos que podemos apresentar a mais atraente oferta para a Corus e seus acionistas.”

Otavio de Garcia Lazcano, Diretor Financeiro da CSN, acrescentou:

“Nós estamos satisfeitos com o forte apoio recebido de grupo de bancos líderes no mercado internacional, que agregou ao nosso balanço força e capacidade de geração de caixa. Uma parte substancial do financiamento seria da modalidade “non-recourse” (sem direito de regresso à CSN).”

Este fato relevante não consiste em anúncio de firme intenção da CSN em apresentar uma oferta, não se podendo afirmar que uma oferta será apresentada, mesmo que as condições sejam satisfeitas ou objeto de renúncia.

Como conseqüência das recentes compras realizadas no mercado, a CSN detém indiretamente, 34.072.613 ações ordinárias da Corus (representativas de aproximadamente 3,8% do total do capital da Corus),

Novas informações serão anunciadas oportunamente.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora