Déficit do Governo Central atinge R$ 15,494 bi

Déficit acumulado ao longo do ano chega a R$ 23,770 bilhões

Jornal GGN – A queda das receitas em meio ao crescimento de gastos obrigatórios fez o Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) encerrasse o mês de maio com um déficit primário de R$ 15,494 bilhões, resultado 91,9% maior em relação ao visto no mesmo período do ano anterior (R$ 8,074 bilhões), segundo dados divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional. O resultado é considerado o maior para o mês na série histórica.

Com o desempenho de maio, o Governo Central acumula déficit de R$ 23,770 bilhões nos cinco primeiros meses do ano, o primeiro resultado negativo da história para o período. De janeiro a maio de 2015, a conta estava positiva em R$ 6,488 bilhões.

A evolução do resultado mensal é explicada pelo aumento de R$ 6,3 bilhões (7,3%) na despesa total e pela diminuição de R$ 1,1 bilhão (1,5%) na receita líquida. Em termos reais, a despesa total apresentou redução de 1,8% e a receita líquida de 9,9%, influenciada pela arrecadação de outorga dos setores aeroportuários e de telecomunicações em maio de 2015, sem contrapartida este ano.

Comparativamente ao acumulado até maio de 2015, também a preços correntes, houve decréscimo de R$ 30,3 bilhões no resultado primário do Governo Central, que passou de superávit de R$ 6,5 bilhões em 2015 para déficit de R$ 23,8 bilhões neste ano. Este resultado é explicado pelo crescimento de R$ 48,9 bilhões (11,3%) na despesa total, parcialmente compensado pela elevação de R$ 18,6 bilhões (4,3%) na receita líquida. Em termos reais, a receita líquida caiu 5% e a despesa total aumentou 1,4%

Ao longo do período, os gastos com a Previdência Social subiram 5,2% além da inflação nos cinco primeiros meses do ano. As demais despesas obrigatórias cresceram 7,2% acima da inflação. Os gastos discricionários (não obrigatórios), no entanto, caíram 5,1%, descontado o IPCA. As despesas de custeio (gasto com a manutenção da máquina pública) caíram 7,4% de janeiro a maio.

Os investimentos atingiram um total de R$ 22,671 bilhões, recuo de 12,8% também considerando a inflação oficial. Os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) totalizaram R$ 16,447 bilhões, queda de 10,5% descontada a inflação.

Os investimentos do Programa Minha Casa, Minha Vida somaram R$ 2,565 bilhões, retração real de 61,1%. A queda deve-se principalmente à autorização para que a construção dos imóveis para a população de baixa renda seja financiada com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que passou a valer neste ano e diminuiu o uso de recursos do Orçamento no programa habitacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Eles estão CONSTRUINDO AS

    Eles estão CONSTRUINDO AS CONDIÇÕES DE INSOLVÊNCIA quando ai farão, como fez FHC para privatizar!

    Quebrar para vender!

    Fizeram isso com a Telebras…

    Propaganda MASSIVA PELA GLOBO para vender o que for possível e quebrar o Brasil!

    Por que passaremos a sofrer ataques especulativos, vindo de Soros e seu pupilo brasileiro que vão limpar nossas reservas..

    Eles amam o Brasil…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome