Dólar bate recorde nominal e chega a R$ 5,26; bolsa cai 2,81%

Operações seguem influenciadas pelas incertezas da pandemia do coronavírus; BC atua no mercado com rolagem de contratos de swap cambial

Jornal GGN – As incertezas quanto à pandemia global do coronavírus continuam a afetar o ritmo dos negócios do mercado financeiro, que começou o mês de abril novamente em queda.

O Ibovespa (índice da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo) começou o mês de abril em queda de 2,81%, aos 70.966 pontos e com um volume negociado de R$ 21,927 bilhões.

Como era de se esperar, os mercados globais seguem acompanhando os efeitos econômicos da pandemia do coronavírus. E a divulgação de dados ruins – como o colapso da atividade industrial na zona do euro e o recuo na criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos – reverteu a percepção inicial de melhora.

Outro sinal de pessimismo foi o pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que disse que o país passará por duas semanas difíceis no combate ao coronavírus. Autoridades de saúde do governo projetam um salto no número de mortes relacionadas à doença, mesmo com as medidas de distanciamento social adotadas.

No câmbio, a cotação do dólar comercial encerrou o dia em alta de 1,29% e bateu seu recorde nominal: a moeda no mercado comercial chegou a R$ 5,2598 na compra e R$ 5,2613 na venda.

A cotação só não foi mais alta devido à atuação do Banco Central, que começou a efetuar a rolagem de contratos de swap cambial com vencimento programado em 04 de maio de 2020, em um total de US$ 4,9 bilhões – todos os 10 mil contratos ofertados foram negociados.

 

 

(com informações da Reuters)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora