Em plena pandemia, Guedes acelera últimas cartadas neoliberais

O ministro da Economia quer concluir no governo Bolsonaro, e neste mesmo ano, sua receita neoliberal para o Brasil, com privatizações em estatais e reformas

Paulo Guedes - Foto: ABr

Jornal GGN – O ministro da Economia, Paulo Guedes, quer conseguir concluir no governo Bolsonaro, senão neste mesmo ano, sua receita neoliberal para o Brasil, com privatizações em estatais e reformas, entre elas a do pacto federativo, a administrativa e a tributária.

“Iremos passar pela primeira grande onda, que é a doença em si. É uma doença terrível. Por isso a cooperação, fraternidade, e tudo o que falamos é muito importante para a espécie humana. Tivemos erros intelectuais, mas não devemos lutar sobre eles. Devemos discutir sobre eles”, disse.

Os erros intelectuais a que se refere Guedes são a paralisação econômica do país com a pandemia do novo coronavírus. Ignorando a situação econômica do país antes mesmo do coronavírus, o ministro responsabilizou a pandemia por “provocar” uma recessão. E ameaçou que o cenário econômico irá piorar para uma depressão, “se não lutarmos adequadamente”.

A “luta” proposta por ele são as reformas e as privatizações, admitindo que serão “em uma direção liberal”.

“Nos próximos 60, 90 dias, iremos acelerar as reformas. Com a ajuda da nova geração de políticos que está chegando, iremos continuar reformando o país em uma direção liberal. Passaremos pela segunda grande onda, que é a angústia econômica causada pela doença”, afirmou.

As reformas que o ministro da Economia do governo Bolsonaro quer aprovar tem, como prioridade, a da Previdência. Tornou-se uma meta pessoal de Paulo Guedes, desde que assumiu o governo Bolsonaro, inspirando-se no esquema neoliberal que foi implantado no Chile da ditadura dos anos 80 e que hoje traz sequelas graves à sobrevivência dos idosos no país latino-americano. O GGN fez um especial, no ano passado, expondo todos os detalhes da reforma que inspirou Guedes, relembre.

Além da dedicação pessoal do ministro, com interesses em obter um sistema privatizado de aposentadoria, com base em investimentos do mercado e que gera lucros à grandes empresas -entre elas o BTG Pactual no Chile-, a busca de Guedes foi articulada ainda em tempos de campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro, que decidiu boa parte das primeiras nomeações de segundo e terceiro escalões com vistas a aprovar a matéria no Congresso.

Após a sociedade civil se mobilizar, por meio dos partidos políticos de oposição, o texto original de Guedes não foi aprovado na Câmara, sofrendo mudanças que descaracterizaram o teor neoliberal da proposta, mas que, por outro lado, reduziu benefícios e aumentou a idade minima e o tempo de contribuição.

Agora, Guedes ainda busca inserir outras mudanças no pacto federativo, por meio de PECs (Propostas de Emenda à Constituição), entre elas a que endurece os recursos destinados a estados e municípios, a que restringe os mecanismos de despesas da União a estados e municípios, e a que acaba com a maior parte dos 281 fundos públicos.

Ainda, estão na lista de espera de Guedes as reformas administrativa e tributária, apesar de não serem sua prioridade.

Ao mesmo tempo, o ministro já deu sinal verde para iniciar os trabalhos de privatização. Somente em 2020, ele quer o pré-sal, o porto de Santos, os Correios e a Eletrobras. E quer abrir o capital, tornando mista, a Caixa Seguridade.

Os planos de Guedes foram aprovados em reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), na semana passada, segundo reportagem de O Globo. E o PPI é agora comandado pelo próprio ministro da Economia.

As privatizações que Guedes quer acelerar nos próximos seis meses, em plena pandemia do coronavírus, estavam previstas para serem discutidas nos próximos anos. Mas o ministro da Economia mudou de ideia e considerou que a venda das estatais será um caixa rápido para o governo de Jair Bolsonaro, em meio à crise.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

12 comentários

  1. E não se vê nenhuma frente nem ampla nem restrita, nenhum movimento, nada pedindo a sua saída. Nada contra o seu ultraliberalismo superado. Por isso que eu considero essas frentes e movimentos puro embuste para enganar os trouxas. Pantomimas do faz de contas para nada mudar, com os mesmos vencedores (poucos) e perdedores (milhões). Assim, como diz o ditado popular, a “sujeira” continuará a mesma; só mudarão as moscas.

  2. A china é o que é pq conseguiu, entre tantas, colocar seus produtos com um frete viável em QQ lugar do planeta.
    Frete, em tempos de comércio eletrônico .. num país que NECESSITA de equalização regional como o Brasil (face a diferença de renda dos entes federativos) é fator critico de sucesso.
    Os Correios precisam ser administrados, não privatizados.

  3. Venderam as vias ferreas do país com a mesma lenga lenga….ate´hoje estou esperando viajar pelo país de trem……..bando de infelizes-abutres-carniceiros-chupa-sangue do povo brasileiro….

  4. Não chame de reforma o que é na verdade desmanche. O idiota não quer reformar nada, ele quer entregar para os chefes o que ele foi pago para fazer (vender tudo o que tenha valor no Brasil) e depois fugir para algum país sem tratado de extradição com o Brasil.

  5. Guedes tem uma paixão doentia por Pinochet – de resto acompanhado por 99,9% da elite brasuca.

    Seu plano macabro é fazer no Brasil o que foi feito no Chile:

    Uma reforma draconiana e irreversível das estruturas, se possível com mudança constitucional, a fim de que seja impossível, caso algum progressista venha a assumir a presidência no futuro, reverter o modelo ultraliberal implantado no país.

    Não duvido nada da compra de apoio militar, em troca de algum fundo lastreado em petróleo, minério ou qualquer recurso precioso do país, algo nos moldes da ‘Ley Reservada del Cobre’, naquele país.

  6. Guedes tem uma paixão doentia por Pinochet – de resto acompanhado por 99,9% da elite brasuca.

    Seu plano macabro é fazer no Brasil o que foi feito no Chile:

    Uma reforma draconiana e irreversível das estruturas, se possível com mudança constitucional, a fim de que seja impossível, caso algum progressista venha a assumir a presidência no futuro, reverter o modelo ultraliberal implantado no país.

    Não duvido nada da compra de apoio militar, em troca de algum fundo lastreado em petróleo, minério ou qualquer recurso precioso do país, algo nos moldes da ‘Ley Reservada del Cobre’, naquele país.

  7. Nassif, essas pessoas ao que parecem, é que não têm noção da diversidade e complexibilidade dos problemas brasileiros, já que cada região do país, tem necessidades, demandas e realidades diferentes que, não serão atendidas, nunca, se não houver boa vontade em reconhecer-se, tais peculiaridades regionais. Acho que a hora não é para tratar-se de privatização e sim, de usar´se a inteligência com alternativas que fortaleçam o mercado interno, que foquem em investimentos que gerem empregos, induzam e aumentem o poder aquisitivo das pessoas e,a capacidade de compras dos consumidores e, finalmente, todos os 3 setores, estimulados, realimentem o ciclo do aumento de empregos e assim, mais dinheiro circulante internamente, não, imobilizados nos bancos e financeiras.
    Agora, aí é que se justifica o CN para atender o Artigo 3º da CF e votarem sim, as proposições do governo, com foco no be-estar comum da população.
    Como cristão e cidadão brasileiro e, indignado por testemunhar tantos males causados ao nosso povo na atualidade e, historicamente e, não se vislumbrar justiça imparcial e igual para todos, exatamente, protagonizados por quem foram eleitos por ele, o povo, o dono do poder constitucional (§ Único do Art. 1º da CF), para deferem a CF; para protegerem o povo, a democracia e o estado de direito em seus direitos; para promoverem de acordo com o Artigo 3º da CF, a justiça social e o bem-estar comum do povo, o combate à desigualdade e o desemprego, defenderem o povo mais pobre, carente e mais susceptível dos exploradores; etc, assim como defenderam e protegerem a soberania do povo e da Nação.
    Então, o que vemos, é que todos esses desrespeitos ao cidadão e à CF e, outros males prejudiciais ao povo e aos trabalhadores, serem aprovados pelo CN e, omitidos por falta de fiscalização proativa e preventiva desse mesmo CN (Artigos 49 e 70 da CF), uma vez que esse mesmo CN, é o legislador, o representante do povo (Art. 45 da CF) e do Estado (Art. 46 da CF) Brasileiros e ainda, o fiscal constitucional do povo (Artigos 49 e 70 da CF), o que o habilita além da culpa do poder executivo, como co-autor de todos esses desvios e prejuízos do povo. Acordem cidadãos e cobrem responsabilidades de seus agentes públicos, seus servidores, de acordo com o poder que lhe cabe pelo Parágrafo Único do Artigo 1º da Constituição Federal.
    Quando o Poder Legislativo Federal, age como fez recente, com rapidez que incomoda, na aprovação de urgência, de um Projeto como o Marco de Saneamento Básico do Brasil, sem discussão responsável com o povo e, na contramão do que vêm ocorrendo no mundo, após infeliz experiência de muitos anos onde ficou comprovado gestões privadas prejudiciais ao povo por mal atendimento e má qualidade dos serviços ofertados à população desses países que isso, optaram pela reestatização dos serviços de saneamento, esgotos e distribuição de água, etc.
    Como alguns cidadãos têm lembrado nas redes sociais, esses grupos poderosos interessados nesse Marco de Saneamento Básico Brasileiro, formados por empresários ambiciosos, com apoio dos parlamentares neoliberais favoráveis, estão na verdade, de olhos em algo muito maior e mais estratégico mundialmente, que são, os aquíferos brasileiros como Guarani, Alter-do-Chão, Cabeças, Urucuia-Areado e Furnas ( https://www.pensamentoverde.com.br/meio-ambiente/conheca-os-principais-aquiferos-brasileiros/ ).
    https://www.redebrasilatual.com.br/blogs/blog-na-rede/2019/06/marcio-pochamnn-desprivatizacoes-60-paises/ ;
    https://www.brasildefato.com.br/2020/06/23/artigo-por-que-nestle-quer-vender-marcas-de-agua-engarrafada-nos-eua-e-canada ;
    https://dialogosdosul.operamundi.uol.com.br/economia/62320/entenda-como-a-privatizacao-da-agua-no-brasil-pode-provocar-um-retrocesso-ao-planeta ;
    https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_imp?idProposicao=2093044&ord=1&tp=completa (PEC 258/2016, que altera o Art. 6º da CF e acresce o acesso à terra e à água como direito social dos cidadãos.);
    https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2020/06/senado-aprova-novo-marco-do-saneamento-basico-e-projeto-vai-a-sancao.shtml .
    E mais grave, é que a outorga dessa água que por ser vital à vida dos seres vivos, aí claro, incluído os seres humanos, não há dúvidas de que, por isso, o CN não se preocupou com os direitos e com a soberania constitucional do povo(§Único do Art. 1° da CF. Então fica claro que, ele agiu movido pela pressão do lobismo e não com foco no bem-estar dos cidadãos, como dispõe o Artigo 3º da CF e outros.
    O lobismo ( https://pt.wikipedia.org/wiki/Lobismo ) lesivo e nocivo ao bem-estar e soberania dos cidadãos e da nação, efetuado por quem quer que seja, há muito, já deveria ter sido considerado crime hediondo e, principalmente, quando identificado o envolvimento direto de parlamentares e/ou de quaisquer agentes públicos nessas questões, as penas devem ser exemplar de crime hediondo e/ou de traição à pátria.
    Assim, faríamos justiça ao alerta, nos deixado pelo saudoso Dep. Fed. Ulisses Guimarães, contra pessoas oportunistas, más, sem ética e sem compromisso como povo e com o Brasil, que dizia e repetia: ”quem trai a Constituição Federal é traidor da pátria”.
    Com essas informações, já podemos ter meios de identificar esses oportunistas. Tiremos os pés do chão e, acordemos e tomemos uma atitude cidadã responsável e pró-ativa, para coibir esses crimes de lesa-pátria comuns, enquanto ainda é tempo.
    Paz e bem.
    Sebastião Farias
    Um cidadão brasileiro Nordestinamazônida

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome