Empresários aprovam medidas do governo

Do iG

Mesmo com pibinho, empresários aprovam mão ‘intervencionista’ de Dilma

Para a maior parte dos executivos ouvidos no fim do ano, medidas do governo pecam mais pelo modo pelo qual são implantadas do que por seus efeitos.

Cristiane Barbieri – iG São Paulo

Economistas e o mercado financeiro, de modo geral, têm reclamado da mão intervencionista do governo Dilma. Seja ao não autorizar o aumento dos combustíveis que reflete no preço das ações da Petrobras, seja forçando os bancos a baixar juros ou a redução na conta de luz, por meio da MP 579, e na consequente queda das ações das elétricas.

As críticas, no entanto, não são unanimidade. Empresários ouvidos pelo iG no fim do ano  acreditam que elas são mais positivas do que negativas e estimularão a economia no longo prazo. “O governo fez um bom papel [em 2012], fez a parte dele”, diz Marco Stefanini, presidente da empresa de tecnologia da informação Stefanini, que faturou quase R$ 2 bilhões em 2012 . “É a primeira vez que vejo um governo brasileiro trabalhando na redução de impostos e do Custo Brasil”. 

A área em que Stefanini atua foi beneficiada pela desoneração em folha, mas ele afirma que, em sua empresa, particularmente, não houve impacto positivo. Na desoneração em folha, em vez de a empresa recolher os 20% de INSS sobre o salário de seus empregados, é descontado 2% do faturamento. Como a receita de sua empresa é muito alta – quase R$ 2 bilhões – o benefício não foi percebido.

Na mesma linha, Reinaldo Garcia, presidente executivo da GE para a América Latina, as mudanças foram como uma moeda com um lado negativo – que diz respeito ao modo como foram implantadas – e outro positivo, de redução de custos. “O bom é que acredito que o lado negativo é passageiro e que as boas consequências de algumas das medidas adotadas serão duradouras e benéficas”, afirma Garcia.

Apesar de o PIB brasileiro ter crescido em torno de 1% em 2012, a GE cresceu dois dígitos no ano. Seu faturamento em 2011 no País tinha sido de US$ 3,7 bilhões e, em algumas áreas, como conversão de energia, a carteira de pedidos foi multiplicada por dez. “A área de infraestrutura em que trabalhamos é a bola da vez dos investimentos”, diz Garcia.

Também para Antonio Fay, presidente da Brasil Foods, as medidas terão efeito positivo no decorrer do próximo ano e elas deveriam se espalhar em todos os setores da economia. 

Nem todos os empresários, porém, têm a mesma percepção. “É sempre muito ruim ter um governo que intervém na economia”, afirma Sergio Habib, presidente da JAC Motors. “Da mesma maneira que ele intervém para reduzir a conta de luz (e eu não tenho empresa de energia elétrica) e que fala que banco tem de reduzir taxa de juros porque está ganhando muito dinheiro (e eu não tenho banco), eles vão chegar para mim e falar que o carro está muito caro e que tem de taxar preço, vão falar para os hotéis no Rio que tem de baixar as tarifas, vão falar que a carne está muito cara e tem de baixar o preço da carne e daqui a pouco vão botar a polícia atrás de boi  no pasto.”

Habib afirma que ficou assustado quando Dilma afirmou que os banqueiros estavam ganhando muito dinheiro no Brasil porque as medidas de controle podem chegar a quaisquer outras áreas. “É por isso que o investimento diminui: o espírito animal do empresário está todo escondidinho em casa”, diz ele. “Como é que você vai investir quando chega alguém ameaçando que você tem de ganhar menos dinheiro?”

Por vender carros importados, a JAC teve estipulada uma cota de 25 mil carros para serem vendidos com imposto menor, em 2013. “Só vamos vender o que nossa competência permitir a partir de 2015”, afirma. Para ele, porém, é importante ter regras definidas, como aconteceu com o InovarAuto e decididas em consenso. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador