O futuro dos biocombustíveis: a posição brasileira

Por José Vitor Bomtempo, do Blog Infopetro

Na postagem anterior, discutimos a natureza do processo de inovação em curso. A importância desse processo é que sua evolução irá definir a estrutura da indústria de biocombustíveis e bioprodutos do futuro. Como consequência, as políticas e estratégias em relação ao futuro da indústria baseada em biomassa não podem ignorar essa nova estrutura em construção, sob pena de perderem no futuro a competitividade de hoje.

Nossas análises anteriores sugerem que existem oportunidades interessantes no horizonte. A pergunta incontornável então é: as estratégias e políticas no Brasil têm levado em conta as oportunidades e ameaças que esse processo nos traz? Ou acreditamos firmemente que nossa competitividade em etanol de cana de açúcar – que nos dá uma invejável posição competitiva na indústria de hoje – é suficiente para nos assegurar também uma posição de destaque na indústria do futuro?

As duas perguntas acima resumem um ponto que nos parece fundamental considerar: a competição na indústria do futuro tende a ser consideravelmente diferente da que temos hoje em etanol. O fato de sermos líderes nesse jogo – o dos biocombustiveis de primeira geração – não nos assegura necessariamente uma posição de liderança e mesmo uma posição relevante na indústria do futuro.

É importante então entender como a competição na indústria vai se modificar no futuro com o desenvolvimento da nova indústria baseada em biomassa. A indústria brasileira de etanol atingiu uma posição competitiva e poderia manter essa posição nas próximas décadas. Alguns autores, como Goldemberg e Guardabassi, 2009, apontam um ganho potencial de produtividade, ainda dentro do modelo da primeira geração, de um fator de dois. Entretanto, como discutido na postagem anterior, a indústria está se transformando e sua dinâmica de inovação sugere que uma nova indústria está sendo construída. Como consequência, o ambiente competitivo a ser considerado pela indústria brasileira deveria ser extendido além da produção de etanol.<br>

Como poderíamos caracterizar o ambiente competitivo dos biocombustíveis comparando a indústria de hoje e a indústria do futuro? Na tabela abaixo fazemos uma comparação entre o ambiente competitivo da indústria do etanol como se organiza hoje e da indústria de biocombustíveis e bioprodutos do futuro. (…) continua no Blog Infopetro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome