Os protestos contra usinas nucleares no Japão

Por Marco Antonio L.

Do O Outro Lado da Notícia

Gigantesca manifestação antinuclear em Tóquio

Manifestantes foram à residência oficial do primeiro-ministro japonês, Yasuhiko Noda, protestar contra a reativação de dois reatores da companhia Kansai Electric Power Co, da central de Ohi.

POR TOMI MORI

Do Esquerda.net

A indignação da população japonesa contra a recente decisão do governo de religar as centrais nucleares provocou uma manifestação gigantesca em Tóquio na sexta-feira.

Os manifestantes foram bater à porta da residência oficial do primeiro-ministro japonês, Yasuhiko Noda, na região central da cidade. Foi a maior manifestação da história recente do pais, com os números variando de 30 a 150 mil participantes, dependendo da fonte. Seja que número for, é uma resposta contundente contra a decisão do governo e dos burocratas japoneses.

Dois reatores da companhia Kansai Electric Power Co, da central de Ohi, devem ser reativados no próximo domingo. Segundo Noda, a medida será tomada para evitar danos à economia do Japão. Todos os 50 reatores nucleares do país, que supriam 30% da procura japonesa por energia, foram desligados e entraram em manutenção após o acidente nuclear de Fukushima.

Falta de credibilidade do governo

“Contra a reativação!”, não parava de gritar a multidão que se aglomerava diante da casa do seu governante. Denunciaram também a falta de credibilidade do governo. Ninguém acredita que as centrais nucleares são seguras e também que o governo fará algo para defender a população caso ocorra um novo desastre.

O verão tem atingido duramente Tóquio nestes dias, e com a alta temporada de verão, pode haver um apagão, já que desde o desastre nuclear de Fukushima 1 a crise energética continua muito grave.

A grande participação de jovens nas manifestações recentes é uma demonstração de que este setor da sociedade se recusa a aceitar que continue a antiga política energética desenvolvida no pós-guerra.

Uma política que privilegiou as empresas, criando uma forte dependência da energia nuclear, mesmo que isso tenha colocado a população em risco de vida. O que podemos verificar também em países como a França, cuja dependência nuclear é brutal e insana. Durante décadas, o que se viu foi a apatia e o conservadorismo político em todos níveis sociais, mas, as manifestações antinucleares são impulsionadas também pelo descrédito global das políticas japonesas que mantêm o país em processo de naufrágio.

Sobre o/a autor/aTomi Mori

Tomi Mori

Correspondente internacional do Esquerda.net http://www.twitter.com/tomimorijapan


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador