IBGE projeta novo recorde para colheita de grãos em 2021

Projeção em abril chega a 264,5 milhões de toneladas – apesar do montante elevado, estimativa é 0,2% menor do que o visto em março

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A estimativa para a colheita de grãos, cereais e leguminosas na safra 2021 chegou a 264,5 milhões de toneladas, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Embora o número seja considerado recorde – e 4,1% maior do que os 254,1 milhões de toneladas da safra 2020 -, ele é 0,2% (ou 409,9 mil toneladas) menor do que o projetado em março. Segundo o gerente da pesquisa, Carlos Barradas, essa redução se deu por conta do atraso da primeira safra – conhecida como safra verão ou ‘das águas’.

“Isso atrasou a colheita da soja e, consequentemente, o plantio da segunda safra”, explica, ressaltando que as chuvas na segunda safra (ou “safra das secas”) são mais restritas. “Essa safra, consequentemente, foi plantada tardiamente. Há uma condição de insegurança climática maior e está faltando chuva. Então o que está caindo é a produção da segunda safra”, diz Barradas.

O arroz, o milho e a soja são os três principais produtos do grupo de grãos, cereais e leguminosas e, somados, representam 92,9% da produção. Outro recorde é esperado na safra da soja, que deve chegar a 131,9 milhões de toneladas – alta de 8,6%, ou 10,4 milhões de toneladas, na comparação com o ano anterior.

Por outro lado, a estimativa de produção do milho caiu 0,5% em relação à feita no mês anterior e deve chegar a 102,5 milhões de toneladas. Apesar dos aumentos de 5,6% na área plantada e de 5,9% na área a ser colhida, a safra deve ser 0,7% menor do que no ano anterior.

Por outro lado, a estimativa da batata-inglesa aumentou 5,7% em relação a março. Considerando as três safras, a produção deve chegar a 3,9 milhões de toneladas. Já o café deve ter sua produção reduzida em 24,3% frente ao ano passado, chegando a 2,8 milhões de toneladas.

A produção de cana-de-açúcar foi estimada em 654,7 milhões de toneladas, queda de 2,1% em relação à estimativa de março. Já em comparação à produção de 2020, a queda é de 3,4%. Isso representa 23,2 milhões toneladas a menos.

Segundo os dados regionais, a produção do Sul deve chegar a 81,6 milhões de toneladas, o que equivale a 30,9% do total do país e a do Sudeste, 27,3 milhões de toneladas (10,3% do total). O Nordeste deve produzir 23,5 milhões (8,9% do total) e o Norte, 11,1 milhões (4,2% do total). Já o Centro-Oeste deve produzir 120,9 milhões de toneladas em 2021 (45,7%).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome