Indústria perde força em nove de 15 regiões em abril

Bahia e região Nordeste apresentaram principais recuos no período, segundo pesquisa do IBGE; base fraca impulsiona percentual ante 2020

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A análise regional da indústria brasileira mostra que a produção caiu em nove dos 15 locais pesquisados no mês de abril, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

“O resultado de abril é explicado pelo agravamento da pandemia de Covid-19, com medidas restritivas mais duras que resultaram em diminuição ou escalonamentos na jornada de trabalho, o que atinge a produtividade”, explica o gerente da pesquisa, Bernardo Almeida, em nota.

Ao todo, cinco locais estão acima do patamar pré-pandemia, de fevereiro de 2020: Minas Gerais (10,2% acima); Santa Catarina (7,2%), Paraná (6,4%), Amazonas (4,4%) e São Paulo (3,4%).

Os destaques negativos ficaram com a Bahia, com queda de 12,4%, e para a região Nordeste, que recuou 7,8%. Segundo o IBGE, o baixo desempenho do setor de derivados do petróleo afetou a indústria da Bahia, enquanto a região Nordeste teve seus dados influenciados pelo setor de derivados de petróleo e de couro, artigos de viagens e calçados.

São Paulo também apresentou queda acima da média nacional, com recuo de 3,3%, afetado pelos setores de derivados de petróleo, farmacêutico e outros produtos químicos. Goiás (-3,6%), Pernambuco (-2,4%), Santa Catarina (-2%), Ceará (-1,2%), Mato Grosso (-1,1%) e Minas Gerais (-0,9%) completaram o conjunto de locais com taxas negativas em abril.

Nas altas, destaque para Amazonas (1,9%), que marcou a segunda taxa positiva favorecido pelo desempenho do setor de derivados de petróleo. O Rio de Janeiro (1,5%) foi a principal influência positiva do resultado nacional, impulsionado pelo setor extrativo, mais especificamente, a extração de petróleo. Espírito Santo (0,9%), Pará (0,3%), Rio Grande do Sul (0,3%) e Paraná (0,2%) foram os demais resultados positivos de abril de 2021.

Na comparação com abril do ano passado, cujo crescimento nacional foi de 34,7% em abril de 2021, 12 dos 15 locais pesquisados tiveram alta. O percentual expressivo se deve à baixa base de comparação, já que o setor industrial foi bastante pressionado pelo isolamento social por conta da pandemia da COVID-19.

Amazonas (132,8%) e Ceará (90,2%) tiveram os maiores avanços, mas Paraná (55,1%), Rio Grande do Sul (53,8%), Santa Catarina (50,5%) e São Paulo (45,5%) também registraram taxas acima da média da indústria. Outros locais que apresentaram alta foram Minas Gerais (32,5%), Pernambuco (31,4%), Espírito Santo (26,1%), região Nordeste (20,2%), Rio de Janeiro (10,3%) e Pará (6,0%).

Dentre os três locais que registraram taxa negativa, a Bahia (-10%) teve a maior queda. Goiás (-8,7%) e Mato Grosso (-2%) completam a lista de recuos de abril de 2021 contra abril de 2020.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. sábado troquei velha luminária lãmpada fluorescente, de 40 anos. tudo: reator, “starter”, fios e suporte made in Brasil. fui na loja e partes que seriam substituídas são todas chinesas. desisti, ficarei no escuro, como no escuro estamos todos…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome