IPCA desacelera e fica em 0,25% em março

consumidores_inflacao_tania_rego_abr.jpg
 
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
 
Jornal GGN – Segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação oficial medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,25% em março. O resultado representa uma queda de 0,08% na comparação com fevereiro, quando ele chegou a 0,33%, e é a menor elevação registrada nos meses de março desde 2012. 
 
No acumulado, a inflação do primeiro trimestre de 2017 é de 0,96%, sendo que no mesmo período do ano passado o IPCA ficou em 2,62%. Nos últimos doze meses, a inflação oficial é de 4,57%, e, em março do ano passado, o IPCA havia variado 0,43%.

 
O índice do mês passado foi afetado pela conta de energia elétrica, que subiu 0,15%. No mês, a energia elétrica aumentou 4,43%, provocando aumento de 1,18% no grupo habitação. 
 
O IBGE acredita que o aumento da energia elétrica é explicada pela mudança na bandeira tarifária, que se tornou amarela (com cobrança de R$ 2 a cada 100 quilowatts-hora consumidos), além de aumentos e reduções nas parcelas do PIS/Cofins (Programa de Integração Social e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social), que variou entre as regiões. 
 
Dentro do grupo Habitação, também influenciaram no índice o aumento de 1,13% no preço do botijão de gás, levando-se em consideração o reajuste médio de 9,8% no preço do produto nas refinarias, no final do mês. 
 
O grupo Educação subiu 0,95%, a segunda maior variação. No mês passado, este grupo teve aumento de 5,04%. Já o grupo alimentação e bebidas cresceram 0,34% em março, sendo que, em fevereiro, ele teve variação negativa de 0,45%. 
 
Entre os produtos que ficaram mais caro estão o  leite longa vida (alta de 2,6%), café moído (1,89%), e pão francês (0,91%). Entretanto, o feijão-preto (-9,11%),  feijão-carioca (-5,59%) e  feijão-mulatinho (-4,50%) ficaram mais baratos em março. 
 
Outros quatro dos nove grupos de produtos e serviços tiveram queda de preços em março, incluindo transportes (-0,86%), comunicação (-0,63%), artigos de residência (-0,29%) e vestuário (-0,12%). 
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora