Mantega diz que Brasil está preparado para redução de estímulos nos EUA

Jornal GGN – O ministro da Fazenda, Guido Mantega, garantiu que o Brasil está bem preparado, caso o Federal Reserve (Fed), o Banco Central dos EUA (Estados Unidos), venha a adotar medidas para reduzir os estímulos à economia do país, caso entenda que há melhora no cenário. Os estímulos foram adotados para promover o enfrentamento da crise. “Vamos saber disso na próxima que vem, quando sairá o próximo relatório. Existe a possibilidade, mas estamos bem preparados para isso”, afirmou. 

Mantega disse não acreditar em uma grande turbulência, pois, para ele, parte dela já foi antecipada pelo mercado, que se apropriou do aumento das taxas de juros com a especulação da mudança na economia norte-americana. “Mas vamos aguardar porque não é certo também, pois o Fed vem mudando um pouco de posições em relação a isso. Também é possível que passe para o próximo ano. Vamos aguardar o relatório do Fed na próxima semana”, reforçou. 

A expectativa é de que o Banco Central dos EUA comece a reduzir, a qualquer momento, a compra de US$ 85 bilhões em ativos. Com o fim das intervenções, os títulos norte-americanos passariam a ficar mais atraentes para os investidores e, provavelmente, o fluxo de dólares para aquele país aumentaria, reduzindo a liquidez e a oferta de dólar nos países emergentes, incluindo o Brasil. Neste cenário, com mais escassez de dólares, haverá tendência de alta da moeda norte-americana.

Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. O debate inflação X deflação ganha momentum

    Com as espectativas de mudanças nas políticas de afrouxamento monetário do Fed o debate Inflação X Deflação ganha nova perspectiva.

    Mantega, qual a posição do Brasil?

    E a Petrobrás com 32% de chance de quebrar, aguenta uma deflação?

    Mentes curiosas querem saber.

    • Alexandre Weber, o Pequeno,

      Alexandre Weber, o Pequeno, diz que a PETROBRAS, uma das maiores do mundo e a maior empresa do Brasil, tem 32% de chances de quebrar. Não é pouco.É, na verdade um risco altíssimo. Mas risco maior é acreditar num rinoceronte desses que de manhã invade este blog e regurgita as teorias dos isentíssimos Instituto Millenium, iFHC, PUC-Rio/Depto.de Economia, GloboNews, Revista Piauí (que é do Banco Itaú), Revista do Esgoto e o que mais vier. Que tamanha desfaçatez desse mendigo intelectual dizer qualquer besteira que ele capturou nesses órgãos! Ou “aprendeu” com seus amigos tucanos? Tanto faz como tanto fez, é cada troll que a gente tem de aturar, quelle horreur!

  2. Em dupla é melhor.

    Um troll trabalhando sozinho pode ser uma única abelha tentando polinizar um imenso campo de flores. Mas trabalhando em dupla, eles rendem mais. Um põe um comentário bestialógico, o outro, montou uma página na internet hospedada em algum canto do mundo confirmando as tolices. Você pega um dado estatístico aqui, outro ali, um desvinculado do outro e monta qualquer teoria.  Li numa revista de Astronomia uma nova fórmula onde um cientista mostra a posibilidade de vida inteligente em outros planetas. Você calcula a probabilidade pela fórmula e vê que é muito grande. Mas nunca ninguém viu evidência insofismável que sustente essa teoria. Assim são as teorias desses trolls pornográficos. Se a PETROBRAS tivesse 32% de chances de quebrar, já teria quebrado. Há mais de um trilhão de dólares em jogo e nesse jogo, o mais bobo conserta celular no escuro com luvas de boxe.

  3. E a deflação?

    Por equanto está barato a discussão, nem um pio sobre o debate Inflação X deflação!

    Com a palavra o Banco Central e o Ministério da Fazenda.

    Usaram a Petrobrás de biombo para a tragédia anunciada.

    Até quando?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome