Mundell e a desvalorização cambial

De fato, como observa o André, a maioria dos entrevistados pela “Veja” não tem a menor idéia sobre o que é o Brasil e quais os problemas centrais para desamarrar a economia. Limitaram-se a repetir chavões sobre a herança lusitana e problemas institucionais comuns a países emergentes.

Mas chamo a atenção para uma colocação do Robert Mundell. Os três únicos milagres econômicos do pós-guerra imediato foram de nações que desvalorizaram suas moedas e mantiveram o câmbio fixo: Alemanha, Japão e Itália.

Depois do Acordo do Louvre, em meados dos anos 80, o Japão se comprometeu a valorizar sua moeda para reduzir os déficits comerciais dos Estados Unidos. O resultado foi a estagnação da qual não se safou até hoje.

Depois desse trio, foi a vez da Coréia e da China recorrerem à moeda desvalorizada e ao câmbio fixo para turbinar sua economia.

Roberto Campos me disse uma vez (talvez esteja no seu livro de memórias, também) que a maior oportunidade dos anos 50 foi quando, no governo JK, ele, Octávio Gouvêa de Bulhões e Eugênio Gudin, tentaram convencer o presidente a seguir o caminho coreano, da desvalorização cambial.

Quem impediu foi o poeta-empresário Augusto Frederico Schmidt, que tinha grande influência sobre JK.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome