O desafio de emitir moeda para salvar empresas e renda das pessoas, com Marco Flávio Resende

Assim, a emissão de moeda não significa excesso de moeda na economia, mas a base para o aumento da produção e emprego, fazendo girar.

Jornal GGN – Marco Flávio Resende, em entrevista ao jornalista Luis Nassif, analisa a conveniência ou não de emissão monetária por parte do governo para enfrentamento da crise, e como isso, diferente do que se possa pensar, não é perigoso hoje em dia. Resende explica que com a recessão que temos à frente, a emissão de moeda não é problema, pois a inflação temida não se concretizaria pois ela é fruto, além do choque de oferta, por dois canais, como a inflação de demanda ou canal de expectativas.

Quando você tem uma recessão muito grande, ela mesma vai ancorar as expectativas e, junte-se a isso, tem-se uma grande capacidade ociosa, deixando o empresário querendo vender e dando até desconto por isso, não aumentando preço e sim aumentando a produção e gerando emprego e renda.

E isso vale também para o canal de expectativas. A moeda é uma convenção social e não vai perder seu valor porque, se houver inflação, vai ser baixa. Se não houver essa crença, os empresários podem querer se antecipar ao fato e passarem a reajustar preço, se se mantiverem na crença de que a emissão não acarretará inflação, se manterão nos patamares atuais. A mesma coisa os investidores, que no lugar de ficarem com as moedas na mão, correrem para a compra de ativos.

A recessão no horizonte não faz ninguém achar que a moeda vai perder valor. A crença compartilhada se manterá, de que a inflação vai ser muito baixa. Assim, a emissão de moeda não significa excesso de moeda na economia, mas a base para o aumento da produção e emprego, fazendo girar.

Marco Flávio Resende foi pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e, atualmente, é professor da Universidade Federal de Minas Gerais, com ênfase em Macroeconomia Pós Keynesiana, Finanças Internacionais e Crescimento Econômico.

Acompanhe a entrevista a seguir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora