O livre fluxo das capitais – I

A manutenção desse modelo de alta volatilidade cambial no Brasil, acarreta as seguintes conseqüências:

1. Elimina a autonomia da política monetária brasileira. Os juros internos têm que ter um olho na inflação interna, outro no “yeld” (rentabilidade) dos papéis brasileiros.

2. Pressiona fortemente a política fiscal, ao obrigar à acumulação excessiva de reservas cambiais (para enfrentar a volatilidade do câmbio) e a manutenção de juros mais elevados do que seriam sem a volatilidade cambial.

3. Cria um círculo vicioso, fartamente demonstrado ao longo desses últimos dez anos. Os juros altos provocam uma apreciação do real (devido à liberdade de movimentação do capital especulativo), criam uma situação de desequilíbrio (porque, dentro de algum tempo, se reflete nas contas externas) e seguram provisoriamente a inflação. Depois, quando ocorre a descompressão do câmbio (devido a algum evento externo ou às pressões da balança comercial) a desvalorização traz de volta a inflação, jogando todo o esforço água abaixo.

4. Não significa um tostão a mais de investimento. Primeiro, porque capital volátil é capital de arbitragem (entra para morder e sair). Depois, porque uma economia exposta a capital volátil espanta o capital de investimento.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora