O Metrô e a valorização imobiliária

A proposta do Metrô, de, alguma maneira, se beneficiar da valorização dos imóveis relacionada com sua expansão é perfeitamente legítima, desde que acompanhada da necessária contrapartida: o ressarcimento, por lucro cessante, das empresas prejudicadas pelas obras.

Nos anos 50, o grande planejador Rômulo de Almeida pensou em estratégia semelhante para a cidade de Salvador. A prefeitura desapropriaria terrenos em regiões mais abandonadas. Recuperaria a região, construiria conjuntos habitacionais e venderia as terras no entorno, se beneficiando da valorização. Os recursos seriam utilizados para novos projetos semelhantes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora