O PIB industrial paulista

Por Stanley Burburinho

Após 3 meses de queda, produção industrial de SP sobe 5,7% em janeiro, estima FGV

Publicada em 11/02/2009 às 08h48m
O GloboReuters/Brasil Online

SÃO PAULO – A produção da indústria paulista conseguiu crescer em janeiro após três meses de queda, mas o comportamento acumulado nos últimos 12 meses continuou caindo, mostra pesquisa divulgada nesta quarta-feira.

De acordo com o Sinalizador da Produção Industrial (SPI), a produção física da indústria de São Paulo cresceu 5,7% em janeiro ante dezembro de 2008, considerando os dados com ajuste sazonal. A taxa acumulada passou de 5,3% em dezembro para 3,1% em janeiro.

“Apesar da evolução favorável frente ao mês anterior, a taxa de variação em termos acumulados em 12 meses continuou caindo, influenciada pelos resultados negativos do último trimestre de 2008″, afirmou a FGV em nota.

O SPI é um indicador mensal, elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a AES Eletropaulo, que antecipa tendências da atividade industrial em São Paulo, a maior região produtora do país.

Segundo dados oficiais mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a crise financeira internacional provocou a maior queda histórica da produção da indústria brasileira em dezembro: um recuo de 12,4% frente a novembro, na série com ajuste sazonal. Foi o maior tombo registrado em dezembro desde 1991, quando teve início a série histórica da pesquisa, derrubando o patamar de produção ao nível observado em março de 2004.

A queda em dezembro foi o terceiro resultado negativo consecutivo na comparação com o mês anterior, acumulando perda de 19,8% de setembro a dezembro. Em relação a dezembro de 2007, o decréscimo foi de 14,5%, também recorde. O resultado veio pior do que o esperado por economistas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

  1. O Brasil tem uma enorme
    O Brasil tem uma enorme demanda reprimida o que faz a economia reagir mais rapidamente com estímulos fiscais e monetários.

    Creio que o mais correto é utilizar o estímulo monetário, preservando as conts públicas e realizar o ajuste definitivo dos jurso da Selic, que ainda não foi realizado em função dá prolítica gradualista de redução dos juros praticada pelo COPOM.

    Creio que ação do BNDES pode reduzir bastante os custos financeiro das empresas instaladas no Brasil e uma rápida redução de juros pode permitir uma recuperação da economia brasileira sem precisar reduzir os impostos.

    A manutenção do atual nível da carga tributária combinada com uma rápida e forte redução dos juros da Selic pode viabilizar o superávit nominal e uma grande redução da dívida pública em relação ao PIB.

  2. Do Valor online divulgado
    Do Valor online divulgado pelo Último Segundo
    http://ultimosegundo.ig.com.br/economia/2009/02/11/exportacoes+da+china+caem+175+em+janeiro+ante+2008+3989939.html

    11/02 – 11:31 – Valor Online Exportações da China caem 17,5% em janeiro ante 2008

    SÃO PAULO – O comércio internacional chinês dá mais um sinal de que tem se agravado os efeitos da retração da demanda global sobre a economia do país. As exportações da China caíram 17,5% em janeiro na comparação com o mesmo período do ano passado.

    As importações registraram um recuo ainda pior, de 43,1% na mesma base de comparação……………………………….

    ………Grande parte deste resultado é fruto da queda da demanda pelos produtos chineses por parte da União Européia, Estados Unidos e Japão. No mês passado, o montante comercializado pelos chineses com o bloco europeu foi de US$ 27,93 bilhões, uma queda de 18,7% frente a 2008.

    Com os EUA, foi registrado recuo de 15,2%, acumulando US$ 25,25 bilhões, enquanto as vendas para o mercado japonês caíram 28%, ficando em US$ 14,5 bilhões.

    As exportações de máquinas e eletrônicos, que representam 54,3% do total de exportações chinesas, apresentaram queda de 20,9% e situaram-se em US$ 49,14 bilhões.

    (Vanessa Dezem | Valor Online com agências internacionais)

  3. O que me faz duvidar
    O que me faz duvidar seriamente da FGV em termos de pesquisa de campo ou a nota está omitindo alguma informação.

    Não é o que eu estou presenciando. A coisa está muito feia e só deve melhorar quando o ritmo de exportações voltar.

    Favor olhar para o Porto de Santos. Ele é o melhor indicador econômico do Estado de S. Paulo.

  4. Nassif, as vendas da Volks em
    Nassif, as vendas da Volks em Janeiro deste ano (quando comparadas com Janeiro de 2008) caíram 21,3% no mundo inteiro e cresceram apenas no Brasil (aumento de 1,3%).

    Notícia

    Vendas da Volks caem 21,3% no mundo, mas sobem no Brasil

    A montadora de automóveis alemã Volkswagen vendeu, em janeiro, 382 mil veículos em todo o mundo, 21,3% a menos do que no mesmo período de 2008, devido à queda da demanda provocada pela crise econômica. O Brasil foi o único mercado entre os principais da empresa em que suas vendas cresceram a comparação, em 1,3%.

    Em sua marca principal, as vendas caíram menos, em 14,1% em relação ao mesmo mês do ano passado, e ficaram em 246.700 veículos.

    O mercado brasileiro foi o único país onde a Volks vende na casa das dezenas de milhares de veículos a registrar crescimento de 1,3%, em relação a janeiro de 2008, com as vendas chegando a 47.600 unidades.

    http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u502158.shtml

  5. Da Agência
    Da Agência Brasil
    http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2009/02/11/materia.2009-02-11.3865541349/view

    Fluxo cambial até 6 de fevereiro fica positivo em US$ 345 milhões/Kelly Oliveira Repórter da Agência Brasil
    Brasília – O saldo da entrada e saída de dólares, em fevereiro, até o dia 6, ficou positivo em US$ 345 milhões. A informação foi divulgada hoje (11) pelo Banco Central.
    No mesmo período do ano passado, o resultado positivo era de US$ 1,671 bilhão.

    No mês, tanto as operações comerciais quanto financeiras (investimentos em títulos, remessas de lucros e dividendos ao exterior e investimentos estrangeiros diretos, entre outras operações) tiveram saldo positivo, de US$ 246 mihões e US$ 99 milhões, respectivamente.

    De janeiro até a primeira semana de fevereiro deste ano, o fluxo cambial é negativo em US$ 2,673 bilhões, ante o resultado também negativo de US$ 686 milhões do mesmo período de 2008.

    No acumulado do ano, as operações financeiras tiveram saldo negativo de US$ 3,451 bilhões
    e o fluxo comercial ficou positivo em US$ 778 milhões.

    As exportações somaram US$ 12,776 bilhões e as importações chegaram a US$ 11,998 bilhões.
    No mesmo período do ano passado esses números foram, respectivamente, US$ 18,601 bilhões e US$ 13,309 bilhões.

    O fluxo comercial também inclui dados das operações de Adiantamentos sobre Contratos de Câmbio (ACC) e de pagamentos antecipados de exportação (PA), que são financiamentos destinados aos exportadores brasileiros. As operações de ACC somaram US$ 3,213 bilhões e as de PA, 2,023 bilhões, valores inferiores aos registrados no mesmo período de 2008, US$ 4,058 bilhões e US$ 5,002 bilhões, respectivamente.

  6. Afonso,

    a recuperação vem do
    Afonso,

    a recuperação vem do mercado interno. Os portos vão continuar devagar por algum tempo ainda (a espera da safra). E é por isso que não voltaremos ao boom do terceiro trimestre passado, mas o mercado interno ainda vai nos dar boas notícias. Ainda mais se o BC aproveitar esse buraco para baixar a Selic.

    O lubrificante faltou, mas a engrenagem está pronta para voltar a funcionar;

  7. Nassif, saiu numa notinha
    Nassif, saiu numa notinha escondida no Valor (11/02/2009 – A4):
    “Lula no Senado dos EUA – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi convidado pelo presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado dos EUA, senador democrata John Kerry, para um ‘official coffe’ com membros da comissão, durante visita que fará a Washington, em março. É a primeira vez que um presidente brasileiro é convidado para um encontro com a comissão. O convite, assinado por Kerry e pelo senador republicano Richard Lugar, também da comissão, afirma que o ‘encontro seria uma oportunidade para discutir possibilidade de expansão da agenda bilateral Brasil-EUA e o avanço da prosperidade em nosso hemisfério’.”
    Não vi nenhum veículo dar destaque até agora e eu te pergunto, Nassif: isso não é notícia?! se fosse FHC o convidado, a notícia seria dada no JN com direito a banda de música, fogos de artifício e sorrisinhos orgulhosos do casal Bonner. Mas claro, para a nossa “graaaande imprensa” Lula não pode ocupar esse lugar de estadista, líder de potência emergente, conselheiro do mundo. Até porque a imprensa tinha decidido, há muito, que esse era um lugar que cabia a FHC, promessa que nunca se realizou. Como poderia o ex-torneiro mecânico nordestino ocupar o espaço que o “príncipe dos sociólogos” não foi capaz de ocupar? detalhe: a maior aposta de FHC na relação com os EUA foi assimilar a Alca. O Brasil, então, só dizia amém aos EUA. Lula largou a Alca pra lá, investiu no Mercosul e na diversificação de parceiros comerciais, quitou com o FMI e diz o que pensa, inclusive criticando os EUA quando necessário. Pois é, a vida tem dessas coisas… me lembro até de uma piada famosa da era FHC:
    Fernando Henrique chega aos EUA para um evento com presença de governistas e homens de negócio ianques. Chove muito. Para descer do carro, FHC sobe as barras da calça, evitando macular seu impecável figurino. Ao adentrar a recepção vislumbra os donos da casa. Um acessor nota a gafe (as calças “pescando”), se aproxima de FHC e sussurra em seu ouvido: “presidente, baixe as calças!” ao que o ilustre sociólogo replica: “calma, primeiro vamos negociar!”

  8. Do
    Do G1
    http://g1.globo.com/Noticias/Economia_Negocios/0,,MUL998204-9356,00-ALTA+DO+DOLAR+AQUECE+TURISMO+BRASILEIRO+NO+COMECO+DE+APONTA+PESQUISA.html

    12/02/09 – 01p6 – Atualizado em 12/02/09 – 01p6 Do G1, com informações do Jornal da Globo
    Alta do dólar aquece turismo brasileiro no começo de 2009, aponta pesquisa
    Movimento nos hotéis cresceu quase 23%, segundo pesquisa.
    Ocupação em voos nacionais também aumentou.
    O dólar caro tem suas vantagens: garantiu à indústria do turismo brasileira um excelente começo de 2009. Destinos nacionais prevalecem sobre as viagens ao exterior, e a ocupação nos hotéis do país aumentou consideravelmente………………….

    ……….Nas companhias aéreas o número de passageiros nos voos domésticos subiu quase 10%, em relação a janeiro de 2008, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil. Já nas linhas internacionais, operadas por empresas brasileiras, a queda foi de quase 8%………………….

  9. “A produção industrial
    “A produção industrial paulista volta a crescer em janeiro”(contrariando a todas as espectativas dos analistas economicos)e após 3 meses de desaceleração,toma impulso,e mostra que nem tudo está perdido”mas….
    Porque será que sempre tem o “mas”nestas publicações? é como se os responsáveis pela divulgação destas boas notícias não a aceitassem,ou quisessem deixar no ar,a impressão de que “melhorou,mas não se iluda,,a coisa está preta !

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome