O presente e o futuro da agropecuária no Brasil, por Rui Daher

Da Carta Capital
 
 
Chegamos até aqui inseridos na lógica capitalista, mas é preciso colocar em prática as iniciativas que amenizem os efeitos desta
 
por Rui Daher 

Desde a estreia da coluna nesta CartaCapital, procuro analisar os mecanismos da agropecuária e do agronegócio sob aspectos econômicos, políticos e sociais.

Intenção anunciada logo de cara, em 9 de maio de 2013, quando citei Paulinho da Viola, para quem a Mangueira “vista assim do alto, mais parece um céu no chão”.

Visão usual nas folhas e telas cotidianas quando tratam da atividade. Estatísticas, recordes, recursos do plano de safra, situações climáticas e gangorra de preços.

Colunistas (poucos) se dividem entre loas ufanistas e queixas sobre excesso ou falta de ação do governo.

Analistas do mercado (muitos) e porta-vozes patronais opinam conforme os interesses de seus clientes.

Prefiro descer ao pé do morro, e discutir o agronegócio pelas lógicas e contradições do capitalismo, muitas vezes de caráter selvagem.

Na última coluna, sobre os transgênicos, percebi leitores esperando texto com fundamentos técnico-científicos. Depois de 20 anos de estudos, pesquisas e debates altamente complexos e polêmicos, por óbvio, não seria da minha cartola que sairia algum coelho tecnicista. Há publicações especializadas que o fazem. Estaria sendo mais pretensioso do que às vezes pareço ser.

Assim, meus caros, costelinhas de porco e DNA, aqui apareceram como alegorias, que não servem apenas às escolas de samba, mas também à literatura.

Dito isso, a evolução da agropecuária brasileira é, ou deveria ser, bem conhecida. Diante de algum interesse, Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freyre, Formação do Brasil Contemporâneo e A Questão Agrária no Brasil, de Caio Prado Júnior, e Os Parceiros do Rio Bonito, de Antônio Cândido, me parecem obras seminais para entender a atividade que, fora o rentismo, mais tem-se dado bem no País.

Depois de séculos de ciclos monocultores, somente a partir da década de 1970, com o desenvolvimento do plantio de grãos no Cerrado, se iniciou um processo mais intenso de diversificação e regionalização de culturas.

Nada que fosse centralmente planejado ou direcionado, mas autônomo a partir da acumulação de capital e força de trabalho de agricultores das regiões Sul e Sudeste, que compraram terras baratas e se deslocaram em direção ao norte do país. Goiás, Mato Grosso e Bahia, principalmente.

Nas novas terras, os preços de compra determinavam as extensões; as inovações tecnológicas faziam-nas produtivas; a frouxa fiscalização ambiental ainda não era vista como tiro no pé.

Na contramão, agiam as oscilações nos preços de comercialização e a sequência de governos desatinados, que não lhes garantiam ‘coisa’ nenhuma. Planos econômicos acarinhavam vários setores, menos quem plantava numa regra e colhia em outra.

Dessa forma, totalmente inserida na lógica capitalista, nossa agropecuária chegou ao estágio atual. Visto assim do alto.

Potência mundial produtora e exportadora de commodities? Sim. Beneficiada por boas condições edafoclimáticas? Também. Completada com tecnologia moderna nacional e importada? Sem dúvida.

Não só, porém.

A pobreza no campo persistiu. Décadas passaram sem que se entendesse a importância da agricultura familiar. Enormes contingentes populacionais se deslocaram para o meio urbano em períodos sem disponibilidade de empregos. Biomas e florestas foram dizimados.

Um caminho ruinoso, que andou léguas livre, leve e solto naquilo que de pior tem o capitalismo, sem que a Federação de Corporações o contestasse e amenizasse.

Diga-se de passagem: processo parecido continua olimpicamente fazendo caminho nos estados de Tocantins, Maranhão e Piauí.

O que se tem dito aqui, quando se trata dos fatores de produção e do comércio no agronegócio, como foi feito na última coluna com os transgênicos, é que a atividade será viável, trará divisas, alimentos, fibras e energia baratos para consumo interno, somente enquanto seus atores tiverem garantidos renda e lucros.

Foi assim que aumentamos área, produção e produtividade.

Nessa irreversibilidade, o importante será não deixar de lado o apoio a iniciativas que amenizem os efeitos da lógica capitalista.

Apoio pesado e organizado à agricultura familiar, incorporando a ela os mesmos recursos com que conta a agricultura de exportação.

Persistência nos fóruns internacionais contra o protecionismo praticado pelos países importadores. Não precisamos baixar as calças para quem deita e rola sobre nossas vantagens competitivas.

Fiscalizar e punir com rigor os oportunistas e imediatistas que dilapidam biodiversidade única no planeta, de valioso potencial econômico.

Manter soberania na posse do território diante de fundos privados e soberanos.

Desenvolver tecnologias e manejos de baixo impacto ambiental e custos.

Se irremovível a lógica capitalista que vige no mundo econômico, sempre será possível conformá-la menos selvagem.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

5 comentários

  1. Já que você citou Paulinho da Viola…

    O texto é muito bom no sentido de nos abrir os olhos para que nem tudo neste “boom ” do agro negócio é benefício.

    A estrutura social no campo é cada vez mais perversa, a destruição da natureza de maneira burra e egoísta continua a todo vapor, e a depência que o agronegócio tem de uma só empresa ( A Monsanto fabrica as sementes trangênicas, que só podem ser plantadas com uso intenso de fertilizantes- fabricados pela Monsanto- e defensivos e anti-pragas- da mesma Monsanto). E tem coisas piores ainda: o poder destes latifundiários (sim porque apesar de serem “agro negócio” continuam sendo latifundiários com as mesmas práticas sociais e trabalhistas do início da colonização) na política e no apoio a este lixo cultural que é o sertanejo universitário. A chamada “bancada ruralista” concentra o piores nazistas preconceituosos do país e continua como a mais poderosa no congresso, impondo agendas concentradoras de renda, altamente prejudiciais ao meio ambiente, e claramente preconceituosas como negros, homosexuais, drogas e qualquer coisa que signifique novidade. E os filhinhos-de-papai destes grandes empresários do agronegócio agora resolveram que sabem cantar e nos infestam com porcarias de melodias monotônicas e letras mais idiotas que qualquer criança de 3 anos conseguiria fazer. E vão tomando conta do mercado musical tentando destruir a MPB (historicamente comprometida com pensamentos mais avançados) e substituindo por um monte de lixo com arranjos imitando country americano, interpretados por pessoas que nunca se interessaram em escutar música e aprender com o que já foi realizado ao longo da história da humanidade em termos criativos. Eles gastam seu tempo comprando roupas “caretas”de shopping center e grossos cordões de ouro de extremo mal gosto ao invés de estudarem seu instrumento (do qual só aprenderam a fazer 3 ou 4 acordes). O agronegócio pode ser orgulho do PIG mas as consequências que traz para o meio ambiente, a miséria no campo e agora para a cultura popular não podem ser ignorados só para sustentar um orgulho nacional de ser o maior produtor mundial deste ou aquele produto.

  2. Setor Rural…

    A agricultura é o pior lugar em tudo. Querer fazer a população de baixa renda permanecer na agropecuária me soa mais como ações sodomasoquistas.

    Aumento de renda  = êxodo rural.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome