O problema do Brasil não é a despesa, é a receita, por Fernando Brito

Enviado por Webster Franklin

Do Tijolaço

O problema do Brasil não é a despesa, é a receita. E o poder

Por 

O economista André Perfeito, da Gradual Investimentos, é dos poucos que usa os números da economia como elemento de raciocínio com mais peso que a simples repetição do mantra “corta-corta” do neoliberalismo.

É elaborado por ele e publicado em seu facebook o gráfico aí de cima, com a sua avaliação do que ele mostra: ” Vemos na ponta que o que caiu foi a receita, não foi a despesa que subiu. Em tempo: a despesa não cresceu segundo sua tendência. Isto sugere que o ajuste vai ser no fim do dia no aumento de impostos.”

O trabalho de Perfeito tem várias constatações que “batem de frente” com o “diagnóstico” supérfluo que fazem de nossa economia e, sobretudo, de nossas contas públicas.

despesareceita

Não houve “explosão” de despesas públicas, ao contrário. Nem por “excesso” de programas sociais, nem por “gigantismo” de programas de investimento público.

O insuspeito economista Mansueto de Almeida – integrante da equipe de Aécio Neves na campanha eleitoral do ano passado (sim, a campanha eleitoral foi no ano passado, nem parece, não é?) – apresenta, em seu blog, um resumo bem esclarecedor sobre como se distribuem as despesas de custeio da União, excluídas as transferências constitucionais obrigatórias, com dados acumulados de janeiro a maio deste ano: dos R$ 312 bilhões gastos, “R$ 268,66 bilhões (88,88%) são despesas de cinco funções sociais: assistência social (LOAS, Bolsa Família e Serviço Social de Proteção Básica);  Previdência (pública e INSS); Saúde,  Trabalho (seguro desemprego e abono salarial); e  Educação”. Somando-se subsídios à atividade econômica, desoneração das folhas de pagamento (redução de impostos, portanto) e pagamento de sentenças judiciais, chega-se a 94,3%  dos gastos.

É claro que em todos estes setores se pode fazer economia, racionalizações e mesmo cortes.

Mas o gráfico elaborado por André Perfeito mostra que isso, embora deva ser feito, é gota d´água.

Pior: além de um certo ponto, é veneno, porque faz cair a atividade econômica e, com ela, a receita de impostos.

E, da capo, a mesma trágica sinfonia.

É por isso que ceder além de um certo ponto nas exigências – que são políticas, não econômicas – de cortes pesados nas despesas públicas  não é uma concessão, é um suicídio.

gdp

Conviver com deficit, ao contrário do que se apregoa, não é mortal e é assim que o mundo está vivendo, com muito maior expressão do que o 0,5% do PIB que está sendo apresentado aqui como a “morte do Brasil”.

Hoje, ainda, o site de dados econômicos The International Spectator publica no twitter os dados do deficit ou superávit de países selecionados. Você confere ao lado a turma “gente boa” que tem deficits muito maiores.

Pode-se procurar em toda a imprensa mundial e não se encontrará – senão em relação à Grécia, antes do acordo com a UE e o FMI – nenhuma gritaria exigindo zero déficit ou o “queremos superavit” que campeia aqui.

Pela simples razão do que o que se busca aqui não é a recuperação da economia, mas recuperar o poder.

Sem voto, claro.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

13 comentários

    • “É claro que em todos estes

      “É claro que em todos estes setores se pode fazer economia, racionalizações e mesmo cortes.”

       

      como está dito no texto claramente e por isso copiei acima, questionar altos salarios, por ex, do judiciario, desperdicios, corrupçoes, É OBRIGAÇÃO de qualquer governo de qq espectro ideologico. E tomar medidas dentro de sua alçada observando, tb,que as despesas do legislativo e do judiciario não são competencias do Executivo. Assim, o debate é valido, devendo a sociedade pressionar e não ADOTAR, QUANTO A ISSO, A LOGICA DO INIMIGO, OU SEJA, O JUIZ TAL PODE RECEBER ACIMA DO TETO POIS ELE JULGA COMO EU GOSTO.

       

      Dito isto, não discutir as receitas, e não ver que no brasil ela é extremamente regressiva, é tb FAZER A DESPESA RUIM pois arrecadar mal e abaixo das possibilidades no caso de maiores rendas, por ex, é PRIVAR A POPULAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE MELHORES SERVIÇOS.

       

      e quando vc priva a população de melhores serviços vc está tb fazendo uma despesa ruim, alias, A PIOR DELAS.

       

  1. Claro e cristalino como água

    Claro e cristalino como água do degelo antártico. E sem precisar de firulas e economês, feitos para confundir e impressionar os ingênuos e incautos.

  2. É preciso sempre

    É preciso sempre contextualizar comparações. O problema do deficit brasileiro é o tamanho e o CUSTO da divida publica.

    No Japão e na maioria dos paises apontados o custo é proximo de zero, a qui é 470 bilhões de Reais neste ano.

    E há IMENSOS desperdicios na despesa, dinheiro que vai pelo ralo,  precisam ser corrigidos.

    O Congresso vai custar em 2015, R$9,3 bilhões, o mais caro do mundo depois do americano.

    Temos 91 Tribunais , o sistema judiciario custa 1,8% do PIB contra 0,24% na União Europeia.

    Então há sim graves problemas na DESPESA, muita ineficiencia com muito dinheiro, a despesa  mais o  deficit é 42% do PIB, NENHUM pais de renda média tem tal percentagem, a média na America Latina é entre 20 e 25%, o Mexico é 23%, a Argentina é 24%.

    • Andre, e ainda tem os mega

      Andre, e ainda tem os mega salários do judiciario e ministerio publico, além das regalias de motoristas, carros, auxilio-moradio para quem casa e apt, etc.

      Isso daria um post sobre os marajás do judiciario e mp, incluindo o vergonhoso auxilio-moradia para um agente que já ganha um absurdo…

      Não tem país que aguente isso. A consequencia é obvia: MAIS DESIGUALDADE SOCIAL. Uma empregada domestica ganha 788,00 e um desembargador ganha até 97.000,00 por mês. é claro que a comparação é grosseira, mas a diferença não chegar a esse absurdo.

      O judiciario e mp viraram o poder dos marajás….isso tudo com o aval do STF.

       

      http://www2.trf4.jus.br/trf4/controlador.php?acao=contracheque_transparencia&numOrgaoTransparencia=4

       

       

       

      TRF4 – Acesso à Informação – Consulta Remuneração

       

      Órgão: TRF4SJRSSJSCSJPR   Tipo: Servidores AtivosServidores Inativos e PensionistasMagistrados AtivosMagistrados Inativos   Competência: Agosto/2015Julho/2015Junho/2015Maio/2015Abril/2015Março/2015Fevereiro/2015Janeiro/2015Dezembro/2014Novembro/2014Outubro/2014Setembro/2014Agosto/2014Julho/2014Junho/2014Maio/2014Abril/2014Março/2014Fevereiro/2014Janeiro/2014Dezembro/2013Novembro/2013Outubro/2013Setembro/2013Agosto/2013Julho/2013Junho/2013Maio/2013Abril/2013Março/2013Fevereiro/2013Janeiro/2013Dezembro/2012Novembro/2012Outubro/2012Setembro/2012Agosto/2012Julho/2012Junho/2012   

                     1 2 3        NomeCargoLotaçãoFC/CJBruto (R$)Líquido (R$)ADELCIO FERREIRAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRMAR06 – 6ª Vara Federal de Maringá 61.208,5739.221,94ALESSANDRA ANGINSKI COTOSKYJUIZ FEDERALPRPGO01 – 1ª Vara Federal de Ponta Grossa 34.787,8825.356,50ALESSANDRO RAFAEL BERTOLLO DE ALEXANDREJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB14 – 14ª Vara Federal de Curitiba 62.028,9141.014,49ALEXANDRE ARNOLDJUIZ FEDERALPRPVI01 – 1ª Vara Federal de Paranavaí 116.587,8797.113,230ALEXANDRE DELANNI MONACOJUIZ FEDERALPRLON02 – 2ª Vara Federal de Londrina 70.519,9344.625,66ALEXANDRE MOREIRA GAUTÉJUIZ FEDERALPRPAR01 – 1ª Vara Federal de Paranaguá 92.594,0368.492,67ALEXANDRE PEREIRA DUTRAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB08 – 8ª Vara Federal de Curitiba 59.929,6238.692,98ALEXANDRE ZANIN NETOJUIZ FEDERALPRCMO02 – 2ª Vara Federal de Campo Mourão 58.099,3336.227,35ALEXEI ALVES RIBEIROJUIZ FEDERALPRMAR04 – 4ª Vara Federal de Maringá 59.625,6935.198,10AMANDA GONÇALEZ STOPPAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB21 – 21ª Vara Federal de Curitiba 66.185,3846.548,27ANA BEATRIZ VIEIRA DA LUZ PALUMBOJUIZ FEDERALPRCTB20 – 20ª Vara Federal de Curitiba 61.348,7635.250,23ANA CARINE BUSATO DAROSJUIZ FEDERALPRCTB17 – 17ª Vara Federal de Curitiba 61.348,7635.198,10ANA CAROLINA MOROZOWSKIJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB03 – 3ª Vara Federal de Curitiba 70.201,4245.646,57ANA LIDIA SILVA MELLO MONTEIROJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOSCTUB01 – 1ª Vara Federal de Tubarão 62.807,2637.996,37ANA LÚCIA ANDRADE DE AGUIARJUIZ FEDERALPRGRA01 – 1ª Vara Federal de Guaíra 31.073,7521.715,04ANDERSON FURLAN FREIRE DA SILVAJUIZ FEDERALPRMAR05 – 5ª Vara Federal de Maringá 67.470,6039.477,71ANDRÉ LUIS MEDEIROS JUNGJUIZ FEDERALPRCTB19 – 19ª Vara Federal de Curitiba 59.003,1725.858,90ANDRÉ WASILEWSKI DUSZCZAKJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRPGO01 – 1ª Vara Federal de Ponta Grossa 67.315,5740.104,24ANNE KARINA STIPP AMADOR COSTAJUIZ FEDERALPRCTB05 – 5ª Vara Federal de Curitiba 34.124,2815.541,71ANTONIO CÉSAR BOCHENEKJUIZ FEDERALPRPGO02 – 2ª Vara Federal de Ponta Grossa 34.787,8825.460,77ARTUR CÉSAR DE SOUZAJUIZ FEDERALPRLON07 – 7ª Vara Federal de Londrina 67.118,2634.270,99AUGUSTO CESAR PANSINI GONÇALVESJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB06 – 6ª Vara Federal de Curitiba 41.648,9821.471,38BIANCA GEORGIA ARENHART MUNHOZ DA CUNHAJUIZ FEDERALPRCTB08 – 8ª Vara Federal de Curitiba 61.323,1436.837,04BRAULINO DA MATTA OLIVEIRA JUNIORJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRMAR02 – 2ª Vara Federal de Maringá 70.494,3947.459,10BRUNO HENRIQUE SILVA SANTOSJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRLON03 – 3ª Vara Federal de Londrina 67.408,4942.951,96CARLOS AURÉLIO MOREIRAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRUNV01 – 1ª Vara Federal de União da Vitória 61.930,1641.329,98CAROLINA MOURA LEBBOSJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB12 – 12ª Vara Federal de Curitiba 62.521,5639.687,42CHRISTIAAN ALLESSANDRO LOPES DE OLIVEIRAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRFRA01 – 1ª Vara Federal de Francisco Beltrão 43.072,8130.443,15CLAUDIA ROCHA MENDES BRUNELLIJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB20 – 20ª Vara Federal de Curitiba 60.635,0239.563,76CLAUDIO ROBERTO DA SILVAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB02 – 2ª Vara Federal de Curitiba 48.613,0623.265,36CLEBER SANFELICI OTEROJUIZ FEDERALPRMAR06 – 6ª Vara Federal de Maringá 56.320,6836.823,27CRISTIANE MARIA BERTOLIN POLLIJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRGUA02 – 2ª Vara Federal de Guarapuava 67.242,7729.817,06CRISTIANO AURELIO MANFRIMJUIZ FEDERALPRMAR03 – 3ª Vara Federal de Maringá 59.877,9826.994,36DANIEL LUIS SPEGIORINJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRUMU01 – 1ª Vara Federal de Umuarama 57.166,0936.148,75DANIEL MARCHIONATTI BARBOSAJUIZ FEDERALPRCAS02 – 2ª Vara Federal de Cascavel 34.124,2824.724,50DANIELLE PERINI ARTIFONJUIZ FEDERALPRCTB16 – 16ª Vara Federal de Curitiba 69.297,1143.288,78DANILO PEREIRA JUNIORJUIZ FEDERALPRCTB12 – 12ª Vara Federal de Curitiba 59.481,1834.197,79DÉCIO JOSÉ DA SILVAJUIZ FEDERALPRLON03 – 3ª Vara Federal de Londrina 56.624,2234.757,17DIEGO VIEGAS VÉRASJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRFOZ02 – 2ª Vara Federal de Foz do Iguaçu 61.642,7840.110,97DINEU DE PAULAJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB15 – 15ª Vara Federal de Curitiba 64.253,5231.914,25EDILBERTO BARBOSA CLEMENTINOJUIZ FEDERALPRFOZ05 – 5ª Vara Federal de Foz do Iguaçu 45.696,6323.534,39EDUARDO CORREIA DA SILVAJUIZ FEDERALPRFRA02 – 2ª Vara Federal de Francisco Beltrão 64.646,6839.855,24EDUARDO FERNANDO APPIOJUIZ FEDERALPRCTB23 – 23ª Vara Federal de Curitiba 105.092,4758.423,720EMANUEL ALBERTO SPERANDIO GARCIA GIMENESJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRMAR05 – 5ª Vara Federal de Maringá 100.909,1366.730,180ERIVALDO RIBEIRO DOS SANTOSJUIZ FEDERALPRCTBTR03A – Juízo A da 3ª TR do Paraná 34.124,2824.828,77FABIANO BLEY FRANCOJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRCTB16 – 16ª Vara Federal de Curitiba 55.065,1735.016,45FÁBIO DELMIRO DOS SANTOSJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRLON08 – 8ª Vara Federal de Londrina 63.047,9340.666,92FABIO NUNES DE MARTINOJUIZ FEDERALPRTLD01 – 1ª Vara Federal de Toledo 67.511,6740.057,57FABRICIO BITTENCOURT DA CRUZJUIZ FEDERALPRGUA02 – 2ª Vara Federal de Guarapuava 34.787,8816.069,43FERNANDA BOHNJUIZ FEDERAL SUBSTITUTOPRGUA01 – 1ª Vara Federal de Guarapuava 50.932,9736.505,16

       

    • O problema e da escola

      Na escola que eles frequentaram, Andy só tem essa solução: aumento de juros. Precisa de gente que tenha estudado em escolas de água salgada!

      É obtuso. sobe o juros sobe a divida pública, piora a situação fiscal. Sem falar que induz à uma recessão desnecessária e penosa para a maioria da população. Não é por ai a saída.

    • Infelizmente não dá…

      para reduzir ou limitar os privilégios dessas classes. Elas têm muito poder político, e se for para bater no Executivo Federal, ganharão amplo espaço na mídia, desgastando-o ainda mais junto a população. Haja visto que o presidente da câmara, tendo recebido diversas acusções, continua firme, e ainda, sempre que queira, tem aplo espaço para deitar falação contra as atitudes do executivo em diversos canais da mídia mainstream.

      Reduzir o ciusto do estado por esta via é inviável politicamente, assim como um lei de meios de comunicação, ou mesmo a regulamentação do direito de resposta…

       

       

  3. O autor brinca com a escala

    O autor brinca com a escala do gráfico para argumentar em favor de aumento de impostos. Se o objetivo é esse faz o seguinte então: traça uma curva de receita e despesa desde de D. Pedro II. Aí vai ficar ainda mais fácil defender essas sandices. 

    Em seguida, vem mais uma pérola: é mostrado o déficit de alguns países. Porém, o autor se esquece que os juros no Brasil são exorbitantes. A dívida pública deve ser analisada também  pela ótica dos juros pagos. Não dá para comparar os juros de rolagem da dívida dos EUA, Alemanha, França e Japão com os juros pagos para a rolagem da dívida brasileira.

    Desonestidade intelectual na veia. 

  4. Discordo cem por cento. Nosso

    Discordo cem por cento. Nosso problema é despesa excessiva, com um Estado incompatível com os recursos disponíveis. Isso para não falar na ineficiência brutal. De imediato poderiam ser cortados os vinte e poucos mil cargos sem concurso, que não sentiríamos falta. O salário do funcionalismo poderia ser reduzido à metade e ainda assim os servidores poderiam dar-se por satisfeitos com a estabilidade garantida. O salário do Judiciário, por sua vez, podeira ser reduzido a um terço do atual. Como, por lei, não se podem reduzir salários, a saída é congelar até chegar ao valor relativo pretendido.

  5. Desenhando

    Todo a conversa mole de superavit primário é para garantir o pagamento ao sistema financeiro. Compromisso que está em lei. Entrou dinheiro, vai primeiro para banqueiros. Aposentados, saúde, educação, só depois. Mudar isso deveria ser compromisso do legislativo, o que não acontecerá com este congresso venal. 

  6.  
    Observando o gráfico pizza

     

    Observando o gráfico pizza apresentado por Jurandir Paulo, é de se colocar sob suspeita, toda a cantilena do axé da tesoura cortadeira. A musiquinha safada que ocupa há messes os primeiros lugares nas paradas de sucesso da imprensa de aluguel local. Não há nada de original na peça, salta aos olhos tratar-se de uma mera versão mal traduzida de caduca cantiga.

    Se corretos os dados apresentados no gráfico, e não tenho razão pra questioná-los, vamos verificar que toda essa fanfarra é sustenda por descarado Jabá. Sabe-se também que os direitos autorais da referida cantilena é estrangeiro. A versão que aqui vendem, é uma composição acochambrada para comercialização em mercados de segunda categoria. A Grécia, foi a vítima mais recente dessa lorota, que ora pretendem nos enfiar guela à dentro.

    Orlando

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome