O subprime brasileiro no Financial Times

Da Folha

Brasil pode ter seu “subprime”, diz diretor de fundo em artigo no “FT”

Paul Marshall diz ver excesso de oferta de crédito com juro alto

DE NOVA YORK

O crescimento do crédito e os altos juros cobrados pelos bancos estão fazendo com que o Brasil caminhe para uma situação parecida à dos EUA no “subprime” (hipotecas de alto risco que detonaram a crise em 2008).

Essa é opinião de Paul Marshall, fundador e diretor de investimento do fundo Marshall Wace, com sede em Londres, em artigo no “Financial Times”.

Para ele, “um excesso de crédito com juros altos está sendo empurrado pelos bancos para os consumidores que, no fim das contas, não serão capazes de pagar”.

Na opinião do investidor, as taxas cobradas dos brasileiros é “punitivamente cara”, já que os juros reais giram em torno de 20% a 25%, enquanto na maioria dos países esse valor é de 1% a 3%.

“O Brasil vai precisar de uma formulação de política hábil caso queira reduzir a sua atual bolha de crédito sem perder o controle. Qualquer desaceleração na economia e um consequente aumento na taxa de desemprego podem criar uma espiral de liquidez”, escreveu o diretor do prestigiado fundo.

A crise do “subprime” ocorreu quando os bancos americanos começaram a aumentar os empréstimos para pessoas que tinham histórico ruim de pagamento. Quando elas começaram a atrasar o pagamento da compra da casa, todo o sistema começou a ruir junto, travando o crédito e o resto da economia. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora