Os problemas ambientais do carro elétrico

O carro elétrico nacional

Eu já havia postado ontem minha inquietudes sobre o carro elétrico, como a discussao voltou replico aqui:

PROBLEMAS AMBIENTAIS DO CARRO ELÉTRICO: A MINERAÇAO DO LÍTIO

Sem dúvida será uma revoluçao. Mas é preciso colocar também em discussao os problemas ambientais. É certo que um carro elétrico polui infinitamente menos que qualquer outra configuraçao, seja biodiesel, híbrida, etanol etc.

Os problemas ambientais nessa “soluçao” do carro elétrico estao justamente no seu coraçao, a bateria de íons de Li.

Em primeiro lugar, o Li é um metal relativamente raro na crosta terrestre, muito menos de 1%, incluídos aí tanto as rochas como a água do mar. Há muita discussao entre geólogos, químicos e outros especialistas quanto à efetiva disponibilidade de Li para dar conta da demanda que seria gerada caso essa opçao seja adotada, ainda que parcialmente.

Em segundo lugar, a obtençao desse metal, com a tecnologia empregada atualmente pelas mineradoras, é extremamente predatória do meio ambiente. O Li nao é encontrado na forma metálica na natureza. Está disseminado em forma de sais e óxidos em alguns tipos de rochas.

Para obtê-lo é preciso literalmente explodir montanhas inteiras. E nao só isso, “pulverizar” as rochas é só o primeiro passo. A etapa seguinte consiste em preparar uma “sopa” química com agentes especiais (o mais tóxico é o cianeto) para a separaçao dos metais aí presentes (qualquer rocha tem em sua composiçao vários “metais misturados”). Nessa “sopa” consome-se uma quantidade absurda de água, milhoes de litros por dia numa mina de porte médio. Depois de retirar todos os metais de interesse nessa sopa, o que sobra deve ser armazenado em diques impermeabilizados para nao contaminar os lençóis freáticos.

Inevitavelmente esses diques terminam por contaminar as águas subterrâneas, seja por vazamentos, por mau manejo ou por inundaçao em caso de chuvas, ou ainda por tremores de terra.

E aí é que está o grande problema: as reservas de Li no planeta estao principalmente na Bolívia (+/- 50%, mas ainda nao exploradas), Chile e Argentina. Brasil e China também contam com reservas expressivas. No caso de Chile, Bolívia e Argentina essas reservas se encontram nas regioes de cordilheira ou pré-cordilheira, muitas vezes vizinhas ou até embaixo de glaciares (importantes reservas de água doce).

Aqui em Catamarca – Argentina – o impacto desse tipo de mineraçao a céu aberto já é sentido fortemente com as minas de ouro, cobre, prata, que usam o mesmo processo. Milhares de pequenos proprietários de terra tiveram suas culturas literalmente dizimadas por causa da contaminaçao dos rios que os abastecem. Enormes áreas de terra antes férteis se tornaram estéreis, comprometendo também a pecuária. Além disso, como a disponibilidade… 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora