Painel internacional

China nega protecionismo

Finance News

A China negou na quinta-feira que esteja discriminando fabricantes estrangeiros, depois de divulgar um documento solicitando que os governos locais favoreçam empresas nacionais na compra de mercadorias. “Este documento destina-se a manter um ambiente justo de mercado para a concorrência, que também está em consonância com a lei da China sobre contratos públicos”, disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Qin Gang, aos jornalistas. “Portanto, não existe tal coisa como discriminação contra empresas ou produtos estrangeiros”. No início do mês, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, agência de planejamento econômico da China, determinou aos governos locais que comprem produtos chineses quando realizarem projetos ligados ao enorme pacote de estímulo econômico da nação.

Clique aqui


UE vê recuperação “sustentável” e sem mais estímulos

Os dirigentes da União Europeia avistaram os primeiros sinais de “recuperação econômica sustentável” da pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial, e afastaram medidas drásticas complementares. Num esboço de declaração da reunião de hoje, em Bruxelas, os 27 chefes de Estado e de Governo disseram que o fim da ameaça da recessão torna desnecessário estímulos adicionais, acrescentando que é hora de começar a criar uma “estratégia de saída (da crise)”. Eles também concordaram em revisar a regulamentação financeira depois que a supervisão bancária não conseguiu conter a crise desencadeada no mercado imobiliário dos EUA.

Clique aqui


Senado dos EUA questiona plano de reformas

Financial Times

O secretário do Tesouro dos EUA, Tim Geithner, encontrou resistência imediata ao seu pacote de reformas regulatórias no Capitólio na quinta-feira, quando os senadores de ambos os partidos questionaram o plano da administração Obama de conceder ao Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) poderes para novos riscos sistêmicos. Numa audiência da comissão bancária do Senado, o chefe do Tesouro insistiu que o Fed é o organismo regulador “melhor posicionado” para proteger contra o risco de que grandes instituições possam poluir todo o sistema financeiro. O novo papel do Fed como regulador de risco sistêmico será complementado por um conselho de reguladores, de acordo com o plano de reforma, mas o secretário do Tesouro está convencido de que o verdadeiro poder reside no banco central. “Você não pode convocar uma comissão para apagar um incêndio”, disse ele.

Clique aqui


GM quer reiniciar atividades em julho

Financial Times

A montadora General Motors está preparando para se relançar como empresa enxuta até meados de julho, um mês mais cedo do que o previsto, quando a indústria automobilística de Detroit pediu proteção contra falência em 1º de junho. O juiz que supervisiona o caso da GM, sob o capítulo 11 (da lei de falências), estabeleceu a sexta-feira como prazo para objeções ao plano de reestruturação pela maioria dos envolvidos. Salvo alguma surpresa, a GM e seus conselheiros estão confiantes de que nenhuma das cerca de 500 objeções apresentadas irá inviabilizar o cronograma, e que o tribunal deve considerar a venda da maior parte dos ativos para uma nova entidade em 30 de junho.
Clique aqui


Reforma da saúde nos EUA é parte da solução, diz Obama

CNNMoney.com

Estão dizendo aos norte-americanos que a reforma do sistema de saúde não é apenas a coisa certa a fazer – ela também vai ajudar a salvar a economia. “A reforma da saúde não é parte do problema quando se trata de nosso futuro fiscal, é uma parte fundamental da solução, disse o presidente Obama, em um recente discurso. O cerne do problema: Os Estados Unidos gastam muito mais com saúde do que outros países desenvolvidos, mas muitas vezes o retorno fica abaixo dos investimentos. Entretanto, um grande número de norte-americanos ou não podem pagar um seguro, ou têm um que não cobre adequadamente suas despesas médicas. O chamativo, claro, é que os custos crescentes estão fazendo o quadro fiscal do país no longo prazo ficar muito, muito feio.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora