Painel internacional

Novo acordo sobre o clima pode ter que esperar

BBC NEWS

A presidência dinamarquesa da reunião do clima em Copenhague tem procurado minimizar as expectativas de um amplo acordo global no encontro. Autoridades disseram que progressos podem ser feitos, mas um acordo internacional pode ter que esperar até a reunião de 2010 no México. A Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, disse na reunião que a América estava preparada para trabalhar no sentido de mobilizar US$ 100 bilhões por ano para os países em desenvolvimento. Mas as negociações estão bloqueadas na reunião do clima, com apenas dois dias para serem executadas. Nações desenvolvidas e em desenvolvimento continuam em desacordo sobre quem deve reduzir as emissões, qual seria a profundidade dos cortes e quanto da ajuda deve ir para países pobres. Uma fonte disse ao jornal dinamarquês Politiken: “Estamos lutando como loucos e não desistimos, mas vamos precisar da ajuda dos líderes mundiais. Eles devem agir de acordo com os próprios conselhos. Senão vai ser muito difícil”. Mas tem havido alguns progressos – os países ricos prometeram novos fundos para bancar a guerra contra o aquecimento global.

Clique aqui

E mais:

No Chile, otimismo com a chegada da prosperidade

Peru se prepara para ratings melhores, diz Credit Suisse

Standard & Poor’s rebaixa nota da Grécia

Forças mexicanas matam líder do narcotráfico


No Chile, otimismo com a chegada da prosperidade

washingtonpost.com

Para Floripa Lizama e sua família, o passado é a sua mal acabada casa de madeira localizada próximo a um feio canal de concreto. Mas eles logo farão parte de um novo Chile, vivendo em uma casa em construção financiada pelo governo, ao lado de sua comunidade em ruínas. O projeto faz parte de um programa de modernização que não só irá eliminar as favelas na capital, mas também ajudar o Chile a alcançar outro marco: a sua mudança de país em desenvolvimento para desenvolvido. “O desenvolvimento do Chile está avançando, e estamos deixando a pobreza para trás, disse Lizama, 65. Esta semana, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), um clube de nações ricas que inclui os Estados Unidos, Japão e vários países europeus, formalmente convidando o Chile a participar. Tornando-se a primeira nação da América do Sul entre o grupo de 30 países seria um dos sinais tangíveis de crescimento constante do Chile desde 1980, quando estava no auge da ditadura. “É um reconhecimento de todas as coisas boas que já fizemos”, disse Andrés Velasco, ministro das finanças do Chile, em uma entrevista na semana passada.

Clique aqui


Peru se prepara para ratings melhores, diz Credit Suisse

O Peru está preparado para receber mais aumentos nos ratings de crédito após a avaliação da Moody’s Investors Service mover-se para o grau de investimento, em função de o país estar registrando crescimento acima da média, mantendo o seu déficit orçamentário sob controle, disseram o Credit Suisse e o Societe Generale. A Moody’s elevou os ratings de dívida em moeda estrangeira de Ba1 para o nível Baa3 na tarde de ontem, o mais baixo do grau de investimento, mais de um ano após a Standard & Poor’s e a Fitch fizerem movimentos idênticos. A Moody’s disse que o Peru foi capaz de evitar a recessão global e evitar um “pouso forçado” na economia local, ao estimular os gastos do governo.

Clique aqui


Standard & Poor’s rebaixa nota da Grécia

ELPAIS.COM

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s rebaixou ontem a avaliação de longo prazo da dívida soberana da Grécia de ‘A-‘ para ‘BBB +’, depois de tê-la colocado em “observação negativa” na semana passada. Este é o mesmo rebaixamento já aplicado pela Fitch Ratings em 8 de dezembro, provocando uma forte instabilidade financeira. O primeiro downgrade causou um encarecimento da dívida grega em mais de 2,5 pontos em relação à taxa de juros dos títulos alemães, tomados como referência. A notícia coincide com um clima de crescente tensão social contra as medidas do governo para resolver a situação, e que poderia se agravar hoje caso a greve geral que promovem os sindicatos prosseguir.

Clique aqui


Forças mexicanas matam líder do narcotráfico

The Wall Street Journal

As forças de segurança mexicanas rastrearam e mataram o narcotraficante Arturo Beltran Leyva, um dos mais procurados do México e dos Estados Unidos, em uma vitória para o presidente Felipe Calderón na guerra contra as drogas. Beltran Leyva, um líder de cartel apelidado de “chefe dos chefes”, foi morto a tiros na noite de quarta-feira pelas forças da Marinha em um complexo residencial fechado de luxo na cidade de Cuernavaca, um refúgio de fim de semana para os moradores ricos da cidade. O ataque, cinco dias após Beltran Leyva escapar de outra operação que o tinha como alvo, é um golpe de mestre para Calderón no final de um ano em que a violência das gangues de drogas explodiu a níveis sem precedentes e as prisões de membros dos cartéis iam se enfraquecendo. “Começamos a seguir nossa inteligência na sexta-feira. Parecia que naquele dia ele havia ido embora, mas a prova que tivemos (que ele estava lá) é a que entregamos ao povo mexicano hoje”, disse o contra-almirante José Luis Vergara à televisão mexicana.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora